As violações de direitos das mulheres presas pelo Estado brasileiro por incumprimento às regras de direitos humanos internacionais

Autores

  • Cássia de Fátima Borges Universidade Federal de Uberlândia

Palavras-chave:

Encarceramento Feminino, Regras de Bangkok, Tratados Internacionais

Resumo

A monografia citada traz uma análise acerca da problemática do encarceramento feminino no Brasil e as crescentes violações de direitos internacionais que circundam o cárcere. O objetivo geral do trabalho é analisar as condições do aprisionamento feminino no país e discorrer sobre as regras de direito internacional sobre o tema. Os objetivos específicos são: demostrar a realidade carcerária, analisar os documentos legislativos de proteção à mulher e, por fim, verificar a possibilidade de efetivação destes direitos.

Biografia do Autor

Cássia de Fátima Borges, Universidade Federal de Uberlândia

Cursando o 10º período do Curso de bacharel em Direito pela Universidade Federal de Uberlândia. E-mail: cassiafborges@hotmail.com. Telefone: (34) 99182-6992.

Referências

ANGOTTI, Bruna. Entre as leis da ciência, do estado e de deus: O surgimento dos presídios femininos no Brasil. 2. ed. San Miguel de Tucumán: Editora Humanitas, 2018.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 11. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002. Trad. Maria Helena Kuhner.

BORGES, Cássia de Fátima. As violações de direitos das mulheres presas pelo Estado brasileiro por incumprimento às regras de Direitos Humanos Internacionais. 2019. 66 f. TCC (Graduação) - Curso de Direito, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2019.

BRASIL, Decreto. Concede indulto especial e comutação de penas às mulheres presas que menciona, por ocasião do Dia das Mães, e dá outras providências. Publicado em 12 de abril de 2017.

Brasil. Conselho Nacional de Justiça. Regras de Bangkok: Regras das Nações Unidas para o Tratamento de Mulheres Presas e Medidas Não Privativas de Liberdade para Mulheres Infratoras/ Conselho Nacional de Justiça, Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas, Conselho Nacional de Justiça. 1. ed. Brasília: Conselho Nacional de Justiça, 2016. 80 p.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: 5 out. 1988.

BRASIL. Decreto nº 9.370/2018, de 11 de maio de 2018. Concede indulto especial e comutação de penas às mulheres presas que menciona, por ocasião do Dia das Mães. Indulto do Dia das Mães. Brasília: 11 maio 2018.

BRASIL. Lei nº 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Código Penal. Rio de Janeiro: 1940.

BRASIL. Lei nº 3.689, de 03 de outubro de 1941. Código de Processo Penal. Rio de Janeiro: 1941.

BRASIL. Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984. Lei de Execução Penal. Brasília, 1984.

BRASIL. Projeto de Lei nº 513, de 2013. Altera a Lei de Execução Penal. Brasília, 2013.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Habeas corpus nº 143.641, da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal, Brasília, DF, 20 fev. 2018. Disponível em http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticiaNoticiaStf/anexo/HC143641final3pdfVoto.pdf. Acesso em: 21 abr. 2019.

DAR À LUZ NA SOMBRA: condições atuais e possibilidades futuras para o exercício da maternidade por mulheres em situação de prisão. Brasília: IPEA, n. 51, 2015. Ministério da Justiça, Secretaria de Assuntos Legislativos. Disponível em: https://www.justica.gov.br/news/pesquisa-dar-a-luz-na-sombra-1. Acesso em: 22 set. 2019.

ESPINOZA, Olga. A mulher encarcerada em face do poder punitivo. São Paulo: IBCCrim, 2004.

Instituto Terra, Trabalho e Cidadania – ITTC. Mulher em prisão: desafios e possibilidades para reduzir a prisão provisória de mulheres. Disponível em: http://carceraria.org.br/wp-content/uploads/2018/01/documento-ittc-relatorio-mulheres-em-prisao-2017.pdf. Acesso em: 21 abr. 2019.

LAGO, Natália Bouças do. Mulheres na Prisão: Entre família, batalhas e uma vida normal. 2014. 108 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

LEAL, César Barros. Mulheres em Situação de Prisão: Olhar mais humano e seriedade. Revista Jurídica Consulex, Brasília, v. 16, n. 364, p. 30–31, mar. 2012

LEAL, Maria do Carmo et al. Nascer na prisão: gestação e parto atrás das grades no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, [s.l.], v. 21, n. 7, p. 2061–2070, jul. 2016. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015217.02592016.

Levantamento nacional de informações penitenciárias INFOPEN Mulheres 2. ed. SANTOS, Thandara Santos (org.); ROSA, Marlene Inês da Rosa et al. (colab.). Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional, 2017. 79 p.: il. color. Disponível em: http://depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopenmulheres/infopenmulheres_arte_07-03-18.pdf. Acesso: 18 ago. 2019.

LIMA, Fernanda da Silva; MIRANDA, Carlos Diego Apoitia. O encarceramento feminino e a Política Nacional de Drogas: a seletividade e a mulher negra presa. In: seminário nacional de demandas sociais e políticas públicas na sociedade contemporânea, 13º, 2017, Santa Cruz. Santa Cruz: UNISC, 2017. p. 1–17.

NETTO, Helena Henkin Coelho; BORGES, Paulo César Corrêa. A mulher e o direito penal brasileiro: entre a criminalização pelo gênero e a ausência de tutela penal justificada pelo machismo. Revista de Estudos Jurídicos Unesp, São Paulo, v. 25, n. 17, p. 317–336, nov. 2013.

OLIVEIRA, Rosa Maria Rodrigues de. Para uma crítica da razão androcêntrica. Revista Seqüência, Santa Catarina, n. 48, p. 41–72, jul. 2002.

PADOVANI, Natália Corazza. “Perpétuas espirais”: Falas do poder e do prazer sexual em trinta anos (1977–2009) na história da Penitenciária Feminina da Capital. 2010. 175 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

PASTORAL CARCERÁRIA (Brasil) (org.). Em defesa do desencarceramento de mulheres: Pesquisa Sobre o Impacto Concreto do Indulto do Dia das Mães de 2017. Brasil: Carceraria, 2018. 54 p.

PEIXOTO, Paula Carvalho. Vítimas Encarceradas. São Paulo: Ibccrim, 2017. 127 p.

QUEIROZ, Karen Emilia Formiga de. Maternidade no Cárcere. 2017. 85 f. Monografia – Curso de Direito, Universidade Federal da Paraíba, Santa Rita, 2017.

REVISTA DO CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA CRIMINAL E PENITENCIÁRIA. Brasília: Ministério da Justiça, v. 1, n. 18, 2005.

RITA, Rosângela Peixoto Santa. Alguns paradoxos do encarceramento feminino brasileiro. Revista Jurídica Consulex, Brasília, v. 16, n. 364, p. 32–33, mar. 2012.

SAFFIOTI, Heleieth I. B.. Gênero, patriarcado e violência. 2. ed. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.

SOARES, Tatiana Mendes Simões. Do dia Internacional da Mulher à descuidada realidade das mulheres encarceradas. Revista jurídica Consulex, Brasília, v. 364, n. 16, p. 28–29, mar. 2012.

SPINDOLA, Luciana Soares. A mulher encarcerada no sistema penal brasileiro: a busca de soluções para as especificidades do gênero feminino no tocante à maternidade. Brasília: IDP/EDB, 2016. 29f, Artigo (Especialização). Instituto Brasiliense de Direito Público.

STELLA, Claudia. Filhos de mulheres presas: o papel materno na socialização do indivíduo. Estudo e Pesquisa em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 2, n. 9, p. 292–306, 2009.

TÁVORA, Nestor; ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso de Direito Processual Penal. 13. ed. Salvador: Juspodivm, 2018.

TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VIEIRA, Cláudia Maria Carvalho do Amaral. Crianças encarceradas — a proteção integral da criança na execução penal feminina da pena privativa de liberdade. 2013. 508 f. Tese (Doutorado) – Curso de Direito, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

Publicado

2020-12-04

Como Citar

de Fátima Borges, C. . (2020). As violações de direitos das mulheres presas pelo Estado brasileiro por incumprimento às regras de direitos humanos internacionais. evista vant SSN 2526-9879, 4(2). ecuperado de https://ojs.sites.ufsc.br/index.php/avant/article/view/6931

Edição

Seção

Acadêmica