Oitiva da vítima de abuso sexual

uma perspectiva criminológica pela vitimologia

Autores

  • Beatriz Nunes Universidade Federal de Santa Catarina
  • Stefhany Sinfrônio Brito Universidade Federal de Santa Catarina

Palavras-chave:

Investigação, Mulheres, Crimes sexuais, Inquirição, Depoimento sem dano

Resumo

Crimes de natureza sexual têm um procedimento investigatório complexo, sobretudo por se tratar de um delito que acontece “às escuras”. Tem-se, então, a palavra da vítima, em seu depoimento, como uma das mais relevantes modalidades de produção de prova nesse contexto. A problemática que se pretende enfrentar com este trabalho refere-se aos danos que o interrogatório pode causar à vítima, como a revitimização, caso seja realizado de modo a negligenciar a saúde mental e segurança da ofendida, aludindo-se ao “depoimento sem dano” como uma maneira de contribuir com as investigações e, ainda, resguardar a vítima. Para tanto, será feita revisão bibliográfica ancorada à criminologia feminista, bem como ao ramo criminológico da vitimologia, além da realização de pesquisas legislativas e jurisprudenciais, pautando-se principalmente no Recurso Ordinário em Habeas Corpus 45.589/MT e na Lei nº 13.431/2017. Em conclusão, aponta-se que, embora o Direito seja um sistema de violência institucional, são verificados alguns avanços no que tange à humanização da coleta de depoimento da vítima.

Biografia do Autor

Beatriz Nunes, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduanda da 7ª fase do curso de Direito da Universidade Federal de Santa Catarina. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/2145885300019190. E-mail: beatriz.nunes@grad.ufsc.br.

Stefhany Sinfrônio Brito, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduanda da 7ª fase do curso de Direito da Universidade Federal de Santa Catarina. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/8734122039917800. E-mail: stefhanysbrito@gmail.com.

Referências

ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Criminologia e feminismo: da mulher como vítima à mulher como sujeito. In: CAMPOS, Carmen Hein de. Criminologia e Feminismo. Porto Alegre: Editora Sulina, 1999.

ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Pelas mãos da criminologia: o controle penal para além da (des)ilusão. Rio de Janeiro: Revan, 2012.

BITENCOURT. Luciane Potter. A vitimização secundária de crianças e adolescentes e a violência sexual intrafamiliar. Dissertação. Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2007.

BOHNENBERGER, Marina; BUENO, Samira. Os registros de violência sexual durante a pandemia de covid-19. Anuário Brasileiro de Segurança Pública, 2021, p. 110–117. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2021/07/7-os-registros-de-violencia-sexualdurante-a-pandemia-de-covid-19.pdf. Acesso em: 04 out. 2022.

BORGES, Rosa Maria Zaia; SANTANA, Jackeline Caixeta. Imposição Colonial e Estupro Conjugal: uma leitura da dinâmica do poder no contexto familiar. Revista Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, 2022, p. 93–117. Disponível em: https://doi.org/10.1590/2179-8966/2020/52474. Acesso em: 05 out. 2022.

BRASIL, Código de Processo Civil. Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm.

BRASIL, Código de Processo Penal. Decreto-Lei nº 3.689, de 03 de outubro de 1941. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del3689.htm.

CERQUEIRA, Daniel; COELHO, Danilo de Santa Cruz. Estupro no Brasil: uma radiografia segundo os dados da Saúde (versão preliminar). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2014. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/140327_notatecnicadiest11.pdf. Acesso em: 15 mar. 2022.

COULOURIS, Daniella Georges. A desconfiança em relação à palavra da vítima e o sentido da punição em processos judiciais de estupro. 2010. 242p. Tese (Doutorado em Sociologia) - Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2022. Brasil, 2022.

IPEA. Atlas da violência: 2018. Disponível em https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/arquivos/artigos/2757-atlasdaviolencia2018completo.pdf. Acesso em: 18 mar. 2022.

IVÁNOVA, Adelaide. A porca. In: IVÁNOVA, Adelaide. O martelo. 1. ed. Garupa, 2017.

LOPES JÚNIOR, Aury. Direito processual penal. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2019.

LARRAURI, Elena. Una crítica feminista al Derecho penal. In: Mujeres y Sistema Penal. Buenos Aires: Bdef, 2008, p. 19–40.

LEITE, Victor Hugo de Freitas. A importância do depoimento sem dano na apuração de crimes sexuais contra crianças e adolescentes. Disponível em: https://bdjur.tjce.jus.br/xmlui/handle/123456789/165. Acesso em: 14 mar. 2022.

LOPES JÚNIOR, Aury. Direito processual penal. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2020.

NASCIMENTO, Gerlany Silva do. Processo de revitimização nos crimes sexuais contra a mulher. 2019. Monografia. Universidade Federal de Pernambuco, Ceará. Disponível em https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/36261. Acesso em 17 mar. 2022.

PENTEADO FILHO, Nestor Sampaio. Manual esquemático de criminologia. 10. ed. Saraiva Jur. 2020. Disponível em https://pt.br1lib.org/book/5691592/b8f017. Acesso em 13 mar. 2022.

PEREIRA, Gabriela Carlos. Método de inquirição das vítimas e abuso sexual infantil na justiça brasileira: alternativas de políticas de redução de dano e a falsa denúncia. Araçatuba (SP), 2018. Disponível em https://servicos.unitoledo.br/repositorio/handle/7574/1865. Acesso em: 15 mar. 2022.

RANGEL, Paulo. Direito Processual Penal. 23. ed. São Paulo: Atlas. 2015.

SMART, Carol. Feminism and the power of Law. New York: Routledge, 1989.

Publicado

2022-12-18

Como Citar

Nunes, B., & Sinfrônio Brito, S. (2022). Oitiva da vítima de abuso sexual: uma perspectiva criminológica pela vitimologia. evista vant, 6(2). ecuperado de https://ojs.sites.ufsc.br/index.php/avant/article/view/6557

Edição

Seção

Acadêmica