A aplicação de práticas restaurativas em contexto de crimes contra a honra por meio dos Juizados Especiais Criminais

Autores

  • Bruna Batista Caires Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Beatriz Ferreira Figueredo Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Monique Rodrigues Lemos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Palavras-chave:

Justiça Restaurativa, Crimes contra a honra, Juizados Especiais Criminais

Resumo

A presente inclusão teórica dispõe acerca da aplicação da Justiça Restaurativa com os sujeitos abrangidos em conflitos derivados de crimes contra a honra a partir dos Juizados Especiais Criminais. A Justiça Restaurativa visa a restauração do tecido social por meio do tratamento das relações sociais rompidas pela conduta criminosa, em lugar da mera retribuição de um mal ao autor. Sendo os Juizados criados com o objetivo de solucionar de maneira mais célere os conflitos, utilizam instrumentos desencarceradores para crimes de menor potencial ofensivo. Assim, encontra-se nos crimes contra a honra objeto de valor para esses procedimentos a fim de promover uma tutela estatal mais efetiva do que ocorre na Justiça Retributiva. Para tanto, são examinadas as práticas restaurativas já implementadas no Brasil com as quais são aprendidas lições acerca da vivência concreta desse novo paradigma jurídico. Ao fim, foi considerado de que modo a teoria e análise de casos práticos poderiam contribuir com a tese em exame. Em prol disso, utilizou-se a revisão bibliográfica, observando que a Lei 9.099/95 e seus institutos possibilitam a aplicação de práticas restaurativas na seara criminal.

Trabalho sob a orientação do Professor Doutor Luciano de Oliveira Souza Tourinho, Pós-doutor em Direitos Humanos (Direitos Sociais) pela Universidade de Salamanca. Doutor em Direito Público — Direito Penal pela Universidade Federal da Bahia. Mestre em Direito Público — Direito Penal pela Universidade Federal da Bahia. Especialista em Direito Público e em Ciências Criminais pela Faculdade Independente do Nordeste. Graduado em Direito pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Graduado em Direito pela Faculdade Independente do Nordeste. Professor Adjunto de Direito Penal e Direito Processual Penal na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Professor de Direito Penal na Faculdade Santo Agostinho de Vitória da Conquista. Diretor Geral da Faculdade Santo Agostinho de Itabuna. Coordenador do Colegiado do Curso de Direito da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Coordenador da Pós-graduação em Direito pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Coordenador do Núcleo de Estudos de Direito Contemporâneo — Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Coordenador do Núcleo de Estudos de Direito Contemporâneo — NEDIC. Escritor de obras jurídicas. Secretário do Tribunal de Pós-doutorado do Centro de Estudos Brasileiros da Universidade de Salamanca. Coordenador do Grupo de Estudos em Ciências Criminais — FASA.

Biografia do Autor

Bruna Batista Caires, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Graduanda da 6ª fase do curso de Direito pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/6555725449762209. E-mail: brunabatistacaires@yahoo.com.br.

Beatriz Ferreira Figueredo, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Graduanda da 7ª fase do curso de Direito pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/1380787714211563. E-mail: biaferreiraf4@gmail.com.

Monique Rodrigues Lemos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Graduanda da 6ª fase do curso de Direito pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/8454531492046113. E-mail: nique1d.lemos@gmail.com.

Referências

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Decreto-Lei 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 31 dez. 1940.

BRASIL. Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995. Brasília, DF, 1995.

CUNHA, Rogério Sanches. Manual de Direito Penal – Parte Especial. 10. ed. Salvador: Editora JusPodivm, 2018.

DE JESUS, Joanice Maria Guimarães. Justiça restaurativa aplicada ao Juizado Especial Criminal: em busca do modelo ideal. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Direito, 2014.

DELMANTO, Celso. Código Penal Comentado. 7. ed. Rio de Janeiro: Editora. Renovar, 2007.

DE NASCIMENTO, Alexandre. Ubuntu como fundamento. Revista UJIMA, n. 1, jun. 2016 – ISSN 9999-9999.

ILANUD/BRASIL. Sistematização e Avaliação de Experiências de Justiça Restaurativa, 2006. Disponível em: https://erc.undp.org/evaluation/documents/download/3752. Acesso em: 18 nov. 2021.

JOÃO, Camila Ungar; ARRUDA, Eloisa de Sousa. A Justiça restaurativa e sua implantação no Brasil. Revista da Defensoria Pública da União, Brasília (DF), n. 7 p. 187–210, jan.–dez. 2014.

MORRIS, Alisson. Criticando os Críticos: uma breve Resposta aos críticos da Justiça restaurativa. In: BASTOS, Márcio Thomaz; LOPES, Carlos; RENAULT, Sérgio Rabello Tamm (org.). Justiça Restaurativa: Coletânea de Artigos. Brasília: MJ e PNUD, 2005.

MPPR. Justiça Restaurativa – Histórico – Centro de Apoio Operacional das Promotorias da Criança e do Adolescente, 2013. Disponível em: https://crianca.mppr.mp.br/pagina-1711.html. Acesso em: 18 nov. 2021.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Resolução nº 2002/12, de 34 de julho de 2002. Princípios básicos para utilização de programas de justiça restaurativa em matéria criminal. Conselho Social Econômico das Nações Unidas.

PINTO, Renato Sócrates Gomes. A Construção da Justiça Restaurativa no Brasil: O impacto no Sistema de Justiça Criminal. Revista Paradigma, v. 1, n. 19, 4 nov. 2011.

TOURINHO, Luciano. Justiça restaurativa e crimes culposos: Contributos à Construção de um Novo Paradigma Jurídico-Penal no Estado Constitucional de Direito. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2017.

Publicado

2022-06-20

Como Citar

Batista Caires, B., Ferreira Figueredo, B., & Rodrigues Lemos, M. (2022). A aplicação de práticas restaurativas em contexto de crimes contra a honra por meio dos Juizados Especiais Criminais. evista vant, 6(1). ecuperado de https://ojs.sites.ufsc.br/index.php/avant/article/view/6709

Edição

Seção

Acadêmica