DESIGN PARA A SUSTENTABILIDADE NA ECONOMIA DE MATERIAIS: USO DE RESÍDUOS NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

Debora Barauna, Silvana Souza, Fabiano André Trein, Dalton Luiz Razera

Resumo


No universo da economia de materiais, do design e da sustentabilidade objetivou-se conhecer realidades brasileiras referentes ao uso de resíduos no desenvolvimento de produtos e suas relações com conceitos, normas e leis que propõem soluções para o panorama de escassez dos recursos naturais. Foram realizados pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e estudo de caso de duas empresas que utilizam resíduos naturais (madeira, pedras e conchas) e industriais (poliuretano expandido) em seus processos e produtos. Os resultados obtidos evidenciaram o desconhecimento dessas empresas mediante aos conceitos emergentes estudados e a complexidade da legislação vigente quanto à valorização de resíduos como matéria-prima.


Palavras-chave


Economia circular; Logística reversa; Inovação social; Economia distribuída; Economia criativa

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABNT, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, NBR 10004. Resíduos sólidos: classificação. Rio de Janeiro, 2004.

BELL, B.. Material Intelligence: An Overview of New Materials for Manufacturers. PF Innovation, Canadá, 2011.

BRAUNGART, M.; MCDONOUGH W. Cradle to Cradle: Criar e reciclar ilimitadamente. 1ª ed., Editora G. Gili, São Paulo, 2013.

BRASIL. [Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010]. Política nacional de resíduos sólidos [recurso eletrônico]. – 2. ed. – Brasília : Câmara dos Deputados, Edições Câmara, Série legislação, n. 81, 2012.

CIPOLA, C.. Design, inovação social esustentabilidade. In: Cadernos de Estudos Avançados em Design: inovação / organização: Dijon De Moraes, Itiro Iida, Regina Álvares Dias – Barbacena: EdUEMG, p. 65-79, 2012.

CONAMA, CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Gestão de resíduos e produtos perigosos: dispõe sobre o inventário Nacional de Resíduos Sólidos Industriais. Resolução nº 313, de 29/10/2002, Brasília, 2002.

EPEA. Cradle to Cradle. Disponível em: . Acesso: jan. 2016.

GUARNIERI, P.. Logística Reversa: Desafios e Oportunidades no Brasil e no Mundo. Revista em Gestão, Inovação e Sustentabilidade - Brasília, v. 2, n. 1, p. 11-16, jun. 2016.

KAZAZIAN, T.. Haverá a idade das coisas leves: design e desenvolvimento sustentável. São Paulo: Editora Senac, 2005.

MADEIRA, M. G.. Economia criativa: Implicações e desafios para a política externa brasileira.Brasília: FUNAG, 2014.

MANZINI, E.. Design para a inovação social e sustentabilidade: Comunidades criativas, organizações colaborativas e novas redes projetuais. Cadernos do Grupo de Altos Estudos. Rio de Janeiro: E-papers, v.1, 2008.

MCBRIDE, M.. Catalyst: Strategic Design Review. n.7, 2011.

NEWBIGIN, J.. What is the creative economy? From ‘creative industries’ to ‘creative economy’ – how the idea of creative industries and the creative economy has changed in the last 20 years. Creative Economy, British Council – UK, 2016. Disponível em: < http://creativeconomy.britishcouncil.org/guide/what-creative-economy/>. Acesso em: dez 2016.

ONU, United Nations, Department of Economic and Social Affairs, Population Division. World Urbanization Prospects: The 2014 Revision, (ST/ESA/SER.A/366), 2015.

LUOMA, P.; VANHANEM, J.; TOMMILA, P.. Distributed Bio-Based Economy: Driving Sustainable Growth. Sitra, 2011.

UNEP, United Nations Environment Programme. Global material flows and resource productivity: Assessment Report for the UNEP International Resource Panel, 2016.

TAMBORRINI, P.. Design de inovação. Do design ao design de sistemas: objetos, relações e comportamento. In: Cadernos de Estudos Avançados em Design: inovação / organização: Dijon De Moraes, Itiro Iida, Regina Álvares Dias – Barbacena: EdUEMG, p. 53-63, 2012.

THE STORY OF STUFF. Disponível em: . Acesso em nov. 2016.

YIN, R. K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.




DOI: https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2017.v3.n3.113-122

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 MIX Sustentável