DESASTRES NATURAIS NO ESTADO DE SANTA CATARINA - 1998 A 2019

Rachel Faverzani Magnago, Patrícia Medeiros, Rodrigo Paulo Raimundo, Susana Claudete Costa

Resumo


O crescimento populacional e o aumento da densidade demográfica bem como o efeito das mudanças climáticas e os eventos climatológicos vem aumentando a vulnerabilidade das comunidades e elevando a discussão sobre resiliência nas cidades, principalmente as comunidades que vivem em áreas de risco. Diante disso, foram analisados os dados de desastres naturais dos grupos climatológico, geológico, hidrológico, meteorológico e biológico que atingiram o estado de Santa Catarina de 1998 a 2019. A análise incluiu informações de níveis de incidência de ENSO. Inicialmente foi identificado que os desastres naturais no estado de Santa Catarina ocorrem devido à hidrologia e meteorologia típica da região, sendo que foram decorrentes principalmente de acúmulos de chuva e adensamentos populacionais mais volumosos. O histórico de desastres naturais contribui no monitoramento para visualização das consequências no Estado, e contribuí com informação e conscientização da população, para prevenir e preparar a população para enfrentamento de desastres naturais.

Palavras-chave


Desastre Natural; ENSO; Santa Catarina

Texto completo:

PDF/A

Referências


ACEITUNO, P.: On the functioning of the Southern Oscillation in the South American sector – Part I: Surface climate, Mon. Weather Rev., 116, 505–524, 1988.

ANDRADE A.R., BALDO M.C., NERY J.T. 1999. Variabilidade sazonal da precipitação pluviométrica de Santa Catarina. Acta Scient. Tech., 21:923-928.

BANCO MUNDIAL. Avaliação de Perdas e Danos: Inundações Bruscas em Santa Catarina - novembro de 2018. Brasília. 2012.

BORTOLUZZI C.A. 1987. Esboço geomorfológico de Santa Catarina. In: SILVA L.C.DA, BORTOLUZZI C.A. eds. 1987. Texto explicativo para o mapa geológico do estado de Santa Catarina, E: 1:500.00. Florianópolis: Série Textos Básicos de Geologia e Recursos Minerais de Santa Catarina. N1. Series: Mapas e Cartas Sínteses, 3, Seção Geologia, 3. DNPM/SC. pp 133–167.

BOULANGER, J.-P., LELOUP, J., PENALBA, O., RUSTICUCCI, M., LAFON, F., AND VARGAS, W.: Low-frequency modes of observed precipitation variability over the La Plata Basin, Clim. Dynam., 24, 393–413, 2005.

DEFESA CIVIL, Gestão de Risco de Desastres, file:///C:/Users/Rachel%20Magnago/Downloads/Gestao_de_RISCO_de_desastres_BAIXA.PDF

DEFESA CIVIL, Plataforma online dados de desastres do Estado de Santa Catarina, https://www.defesacivil.sc.gov.br/gestao-risco/decretacao-se-ecp/. SANTA CATARINA - SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL – SDS. Recursos Hídricos de Santa Catarina. https://www.aguas.sc.gov.br/jsmallfib_top/DHRI/bacias_hidrograficas/bacias_hidrograficas_sc.pdf

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Plano Sustentabilidade para a competitividade da Indústria Catarinense: relatório de atividades 2018 / Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina - Unidade de Competitividade Industrial. - Florianópolis: FIESC, 2018.

FAY, M.; GHESQUIERE, F.; SOLO, T. Natural disasters and the urban poor. World bank reconstruction and development, v. 32, p. 4–7, 2003.

GRIMM, A. M. AND AMBRIZZI, T.: Teleconnections into South America from the Tropics and Extratropics on Interannual to Intraseasonal Timescales, in: Past Climate Variability in South America and Surrounding Regions, edited by: Vimeux, F., Dev. Paleoenviron. Res., 14, 159–191, doi:10.1007/978-90-2672-9_7, Springer, 2009.

GRIMM, A. M., BARROS, V. R., AND DOYLE, M. E.: Climate variability in Southern South America associated with El Niño and La Niña events, J. Climate, 13, 35–58, 2000.

HAMDAN, F. Intensive and extensive disaster risk drivers and interactions with recent trends in the global political economy, with special emphasis on rentier states. International Journal of Disaster Risk Reduction, v. 14, p. 273–289, 2015.

MARCATTO, T. I.; LIMA, L. A. Sociedade Contemporânea E O Protocolo De Quioto: O Mundo Em Prol Do Meio Ambiente. Connexio - Issn 2236-8760, v. 2, n. 2, p. 41–63, 2013.

MENDONCA, M. B. DE; SILVA ROSA, T. DA; BELLO, A. R. Transversal integration of geohydrological risks in an elementary school in Brazil: A disaster education experiment. International Journal of Disaster Risk Reduction, v. 39, n. June, p. 101213, 2019.

PARIZZI, M. G. Desastres Naturais e Induzidos e o Risco Urbano. Geonomos. v. 22, p. 1-9, issn: 0104-4486, 2014.

MORAES L.R.S.; BORJA P.C. Política e plano municipal de saneamento ambiental: experiências e recomendações. Brasília: Organização Panamericana da Saúde; Ministério das Cidades, Programa de Modernização do Setor de Saneamento, 2005, 135 p.

MOURA, MARKS MELO; et al. Relation of El Niño and La Niña phenomena to precipitation, evapotranspiration and temperature in the Amazon basin. Science of The Total Environment. Volume 651, Part 1, 15 February 2019, Pages 1639-1651.

NOAA. Plataforma online da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional. https://origin.cpc.ncep.noaa.gov/products/analysis_monitoring/ensostuff/ONI_v5.php.

OLIVEIRA, F. R. DE; OURIQUES, J. M. DE A.; CORREIA, L. S. territorium 25 (II), 2018, 5-18. v. 25, n. Iv, p. 5–18, 2018.

PENALBA, OLGA C; BELTRAN, ADRIANA; MESSINA, CARLOS. Monthly Rainfall In Central-Eastern Argentina and ENSO: A Comparative Study of Rainfall Forecast Methodologies. REVISTA BRASILEIRA DE AGROMETEOROLOGIA, [S. l.], ano 2005, v. 13, n. 2, p. 49-61, 23 maio 2005.

PENALBA, OLGA CLORINDA; RIVERA, JUAN ANTONIO. Precipitation response to El Niño/La Niña events in Southern South America – emphasis in regional drought occurrences. Adv. Geosci., 42, 1–14, 2016. https://doi.org/10.5194/adgeo-42-1-2016

ROPELEWSKI, C. F.; HALPERT, M. S.: North American precipitation and temperature patterns associated with the El Niño/Southern Oscillation (ENSO), Mon. Weather Rev., 114, 2352–2362, 1986. Ropelewski, C. F. and Halpert, M. S.: Global and regional scale precipitation patterns associated with the El Niño/Southern Oscillation, Mon. Weather Rev., 115, 1606–1626, 1987.

SILVA. E. V E; RODRIGUEZ, J. M. M. Geoecologia da Paisagem: Zoneamento e Gestão Ambiental em Ambientes Úmidos e Subúmidos. Revista Geográfica de América Central. Número Especial EGAL, 2011.

SILVA, P. D. V. et al. Planos Familiares De Emergência: Iniciativas Em Curso Em Santa Catarina. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, v. 7, p. 379, 2018.

SHORT A. D.; KLEIN, A. H. D. F. 2016. Brazilian Beach Systems. USA: Springer International Publishing. 611p.

SOUZA, C.R. de G.; SOUZA FILHO, P.W.M.; ESTEVES, SL.; VITAL, H. DILLENBURG, S.R.; PATCHINEELAM, S.M. & ADDAD, J.E. 2005. Praias Arenosas e Erosão Costeira. In: C.R. de G. Souza et al. (eds.). Quaternário do Brasil. Holos, Editora, Ribeirão Preto (SP). p. 130-152.

SOUZA, CEZARINA MARIA NOBRE. Participação dos cidadãos e saneamento básico: panorama da legislação nacional. Revista do Instituto de Estudo Brasileiros – USP; nº 63; abr 2016; p. 141-158.

TOMINAGA, L. K.; SANTORO, J.; AMARAL, R. Desastres Naturais: conhecer para prevenir. [s.l: s.n.].

TRENBERTH, K. E.; STEPANIAK, D. P.: Indices of El Niño evolution, J. Climate, 14, 1697–1701, 2001.

United Nations Office for Disaster Risk Reduction, https://www.preventionweb.net/organizations/1171




DOI: https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2021.v7.n4.105-114

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Rachel Faverzani Magnago, Patrícia Medeiros, Rodrigo Paulo Raimundo, SUSANA CLAUDETE COSTA

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Advanced Sciences

 
www.journal-index.org