APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: ANÁLISE DAS POLITICAS PUBLICAS

Anny Key de Souza Mendonça, Antonio Cezar Bornia

Resumo


A geração de energia elétrica a partir de resíduos sólidos urbanos é uma realidade no Brasil, embora ainda pouco representativa. Os resíduos sólidos urbanos são em geral encaminhados para aterros sanitários, aterros controlados e muitas vezes encaminhados a lixões a céu aberto sem nenhum monitoramento, controle ou aproveitamento.

Este artigo tem como objetivo levantar o potencial das usinas de geração de energia elétrica com resíduos sólidos urbanos no Brasil e das políticas públicas voltada ao seu aproveitamento energético. O aproveitamento energético dos resíduos sólidos urbanos se insere dentro das questões estratégicas de desenvolvimento sustentável, já que visa encontrar soluções ambientalmente seguras, socialmente adequadas e economicamente viáveis e eficientes  para sua destinação e aproveitamento. Os resultados da pesquisa mostram que muitos municípios foram impulsionados pela implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, através da Lei nº 12.305/2010, e implantaram aterros sanitários para a destinação final dos resíduos urbanos, além de criar cooperativas de reciclagem, bem como, em muitos municípios e capitais, se faz o gerenciamento e aproveitamento energético dos resíduos urbanos.


Texto completo:

PDF/A

Referências


ABNT, N. (2004). 10004: Resíduos sólidos–Classificação. Associação Brasileira de Normas Técnicas, 71.

ABRELPE. (2011). Recuperação energética – Transformando lixo em energia: ABRELPE e PLASTIVIDA – Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos, São Paulo, Brasil.

ABRELPE. (2018). Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2017: Abrelpe São Paulo, Brasil.

AGHAEI Chadegani, A., SALEHIi, H., YUNUS, M., FARHADI, H., FOOLADI, M., FARHADI, M., & ALE Ebrahim, N. (2013). A comparison between two main academic literature collections: Web of Science and Scopus databases. Asian Social Science, 9(5), 18-26.

ANEEL. (2019a). Capacidade de Geração do Brasil. Banco de Informações da Geração. http://www2.aneel.gov.br/aplicacoes/capacidadebrasil/capacidadebrasil.cfm.

ANEEL. (2019b). Matriz de Energia Elétrica. Banco de Informações da Geração. http://www2.aneel.gov.br/aplicacoes/capacidadebrasil/OperacaoCapacidadeBrasil.cfm.

ANEEL. (2019c). Usinas do Tipo Biomassa em Operação. http://www2.aneel.gov.br/aplicacoes/capacidadebrasil/OperacaoGeracaoTipo.asp.

BRASIL. (2010). Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União.

BRFIESC. (2018). Bolsa de Resíduos da FIESC. Florianópolis - SC - Brasil. Disponível em: < http://brfiesc.com.br>.

CAMPOS, A. L. G., MELLO Filho, F. S., & CARVALHO, L. S. L. d. S. (2015). Política nacional e gestão municipal de resíduos sólido. FGV Projetos. ISBN 978-85-64878-28-0. Retrieved from

FIEC. (2018). Bolsa de Resíduos e Negócio. Federação das Indústrias do Estado do Ceará. Disponível em: < http://www.sfiec.org.br/bolsaresiduos>.

FIEMS. (2019). Bolsa de Resíduos. Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul. Disponível em: .

FIERGS. (2018). Bolsas de Resíduos abrangem federações. Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul. Disponível em: < https://www.fiergs.org.br/pt-br/tags/bolsa-de-recicl%C3%A1veis>.

FIESP. (2018). Bolsa de Resíduos, Negócios e Meio Ambiente. Disponível em: .

FIRJAN. (2018). Bolsa de Resíduos, Bons Negócios para a Industria. Disponível em: .

GOMES, F. (2010). Biometanização seca de RSU–Estado da arte e análise crítica das principais tecnologias. Dissertação (Mestrado)–Universidade Federal de Ouro Preto.

HOOGWIJK, M., FAAIJ, A., VAN DEN BROEK, R., BERNDES, G., GIELEN, D., & TURKENBURG, W. (2003). Exploration of the ranges of the global potential of biomass for energy. Biomass and bioenergy, 25(2), 119-133.

MILARÉ, É. (2011). Direito do ambiente: a gestão ambiental em foco. rev., atual. e reform. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.

MURARA. (2016). Biomassa contida nos resíduos sólidos urbanos. Assessorial Industrial e Florestal.

OKOT-OKUMU, J., & NYENJE, R. (2011). Municipal solid waste management under decentralisation in Uganda. Habitat International, 35(4), 537-543.

PERS/SP. (2014). Plano de resíduos sólidos do Estado de São Paulo. Secretária de Estado do Meio Ambiente. 1 edição. São Paulo: Ministério do Meio Ambiente.

REN21. (2017). Renewables Global Futures Report: Great Debates towards 100% Renewable Energy. Paris: REN21 Secretariat. ISBN 978-3-9818107-4-5.

RIBEIRO, A. (2016). População do Brasil. Brasil Escola. Disponível em. Acessado em 05 de fevereiro de 2018., 14, 12.

ROCHA, D. L. (2012). Uma análise da coleta seletiva em Teixeira de Freitas–Bahia. Caminhos de Geografia, 13(44).

SIBR. (2018). Sistema Integrado de Bolsa de Resíduos. Disponível em: .

WORLDOMETERS. (2019). World Population. Disponível em:. Acessado em Fevereiro de 2019.




DOI: https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2019.v5.n2.109-122

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Anny Key de Souza Mendonça, Antonio Cezar Bornia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Advanced Sciences

 
www.journal-index.org