COMPREENDENDO A PEDAGOGIA LIBERTÁRIA COMO MARCO NO ENSINO JURÍDICO PARA O FORTALECIMENTO DOS DIREITOS HUMANOS: EM BUSCA DO COMPROMISSO ÉTICO COM AS QUESTÕES DE GÊNERO.

Thais Silveira Pertille, Marcelo Pertille

Resumo


Compreendendo gênero como identidade social, o presente trabalho parte da compreensão de que optar por não estudar a questão de gênero no âmbito das universidades de direito não é somente uma opção, mas uma violação dos direitos humanos daqueles que estão fora do padrão, os quais, mais do que incompreendidos, são pré-conceituados e excluídos. Com esse intuito, esta pesquisa pretende desenvolver a ideia da educação libertária como uma crítica ao modo de educação tradicional e pensar a possibilidade de uma inovação no ensino jurídico. Parte-se do entendimento de gênero enquanto identidade social para, então, passar pela compreensão da necessidade de formação de seres com capacidade crítica suficiente para confrontar o direito estabelecido. Derradeiramente, essas questões são convergidas à ideia da Pedagogia Libertária de Sílvio Galo visando novas possibilidades que incluam um compromisso ético do ensino jurídico com as questões de gênero. Com isso em vista o método empregado é o dedutivo e o procedimento é o monográfico, sendo utilizado como critério de pesquisa o bibliográfico, conjuntamente com a análise legislativa.

Palavras-chave


Ensino jurídico; identidade de gênero; direitos humanos.

Texto completo:

PDF

Referências


BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo – Fatos e mitos. Tradução de Sérgio Milliet. 4. ed. Difusão Europeia do Livro, 1970.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero – Feminismo e subversão da identidade, tradução de Renato Aguiar – Rio de Janeiro. Ed. Civilização Brasileira, 2003.

CAMARA, Jr., J. Mattoso. Estrutura da Língua Portuguesa. 4. ed., Petrópolis, Vozes, 1973; 6. ed. Petrópolis, Vozes, 1976.

CORTELLA, Mario Sérgio. Cuidado com a Tacocracia. São Paulo – SP. Folha de São Paulo, 2000. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/equilibrio/cp1805200031.htm. Acesso em: 20 dez. 2019.

COSSI, Rafael Kalaf. Transexualismo, psicanálise e gênero: do patológico ao singular. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

DIAS, Alfrancio ferreira; CRUZ, Maria Helena Santana. Educação e igualdade de Gênero. Jundiaí, Paco Editorial, 2015.

DOUZINAS, Costas. O Fim dos Direitos Humanos. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2009.

FERRAJOLI, Luigi. Igualdade y diferencia, Derecho y Garantías. La ley del más débil, Madrid, Trotta, 1999.

FERRARI, Anderson. Educação para a sexualidade, promovido pelo grupo de Pesquisa Sexualidade e Escola da FURG. 17 de novembro de 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=lzLZYTTrtA8. Acesso em: 02 jun. de 2017.

FLORES, Joaquim Herrera. A (re)invenção dos direitos humanos. Fundação Boiteux. Florianópolis, 2009.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOLHA de São Paulo. Um terço dos homens culpa mulheres pelos estupros sofridos. 2016. Disponível em: http: //www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/09/1815301-um-terco-dos-brasileiros-culpa-mulheres-por-estupros-sofridos.shtml Acesso em: 26 jul. 2017.

GALLO, Silvio. Pedagogia libertária: Anarquistas, Anarquismos e Educação. Editora Imaginário, 2007. Disponível em https://bibliotecadafilo.files.wordpress.com/2013/11/gallo-pedagogia-libertc3a1ria.pdf Acesso em: 23 abr. 2020

GOLDIM, José Roberto. Ética, moral e direito. Porto Alegre – RS. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003. Disponível em: https://www.ufrgs.br/bioetica/eticmor.htm

JUAN, Carmem Miguel. Refugiadas - Una mirada feminista al derecho internacional. Editora Catarata. Madrid, 2016.

KANT, Immanuel. O que é Esclarecimento? Traduzido por Alexander Martins Vianna. Departamento de História – FEUDUC. Revista Espaço Acadêmico, n. 31, dez. 2003.

LANZ, Letícia. Sexo, gênero e orientação sexual. Disponível em: https://www.itaucultural.org.br/ocupacao/laerte/oa-laerte/?content_link=10. Acesso em: 23 abr. 2020.

OLIVEIRA, Jelson. Sabedoria Prática. Curitiba – PR. Editora Universitária Champagnat, 2016.

PISCITELLI, Adriana. Gênero, a história de um conceito. Editora Berlendis, São Paulo – SP, 2009.

SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. São Paulo: Abril Cultural, Coleção Os Pensadores, 2010

SEN, Amartya. A ideia de justiça. Tradução Denise Bottmann, Ricardo Doninelli Mendes. São Paulo: Companhia das letras, 2011

STOLLER, Robert J. A experiência transexual. Rio de Janeiro: Imago, 1982.

SCHOLZ, Roswitha. O valor é o homem – Teses sobre a socialização pelo valor e a relação entre os sexos, 2017. Disponível em: http://www.obeco-online.org/rst1.htm. Acesso em: 23 abr. 2020.

TIBURI, Márcia. Mulheres e Filosofia. Curso. Florianópolis - SC, ocorrido em 01 de outubro de 2016.

TIBURI, Marcia. O direito das Mulheres nas perspectivas destes tempos. Palestra promovida pela Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina. 07 mar. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Thais Silveira Pertille, Marcelo Pertille