ACV SIMPLIFICADA E ANÁLISE DE EMISSÕES DE CO2 EM SISTEMAS DE VEDAÇÃO ARQUITETÔNICA

Thiago Augusto Corlaite Lana, Andréa Franco Pereira

Resumo


Métodos que visem à quantificação dos impactos ambientais, como a Avaliação de Ciclo de Vida, têm sido considerados a melhor opção. Contudo, a ACV ainda é entendida como método oneroso para a prática projetual das edificações. Esta pesquisa propõe alternativa, empregando-se ACV simplificada, a partir da interpretação qualitativa do Inventário do Ciclo de Vida e da análise quantitativa das emissões de CO₂ dos processos envolvidos, relativas ao consumo de Energia Embutida dos materiais. São analisados dois sistemas construtivos, alvenaria de tijolos cerâmicos e drywall, como divisão interna de ambientes, em projeto padrão da Prefeitura de Belo Horizonte-MG. Os resultados foram obtidos com a aplicação da Matriz MET, ferramenta de ACV simplificada para análise ambiental baseada em: Materiais, Energia e Toxicidade. Os dados de consumo de energia e emissão de CO₂ foram obtidos em fontes secundárias. Conclui-se que o drywall demanda maior quantidade de energia em sua produção e apresenta maior emissão de CO₂, comparado ao tijolo cerâmico. A aplicação de ACV simplificada, em conjunto com dados quantitativos de energia e de emissões de CO₂, mostrou-se coerente para a avaliação dos impactos gerados nos dois sistemas, quanto ao aquecimento global, favorecendo a tomada de decisão.

Palavras-chave


Análise de Ciclo de Vida; ACV Simplificada; Matriz MET; Alvenaria de tijolo cerâmico; Drywall

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALBUQUERQUE, H. R.; LIRA, J.; SPOSTO, R. M. Emissões de CO2 de sistemas de revestimento de argamassa: estudo de caso de aplicação de argamassa projetada comparativamente à aplicação convencional. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 18, n. 4, p. 377-393, out./dez. 2018.

AMBROZEWICZ, P. H. L. Materiais de Construção: Normas, Especificação, Aplicação e Ensaios de Laboratório. São Paulo: PINI, 2012.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 15217:2018. Perfilados de aço para sistemas construtivos em chapas de gesso para drywall - Requisitos e métodos de ensaio. Rio de Janeiro, 2018.

____________. NBR 15270-1:2017. Componentes cerâmicos – Blocos e Tijolos para alvenaria – Parte 1: Requisitos. Rio de Janeiro, 2017a.

____________. NBR 16605:2017. Cimento Portland e outros materiais em pó — Determinação da massa específica. Rio de Janeiro, 2017b.

____________. NBR 14715-2:2010. Chapas de gesso para drywall - Parte 2: Métodos de ensaio. Rio de Janeiro, 2010.

____________. NBR ISO 14040:2009. Gestão ambiental - Avaliação do ciclo de vida - Princípios e estrutura. Rio de Janeiro, 2009a.

____________. NBR 15758-1:2009. Sistemas construtivos em chapas de gesso para drywall - Projeto e procedimentos executivos para montagem Parte 1: Requisitos para sistemas usados como paredes. Rio de Janeiro, 2009b.

____________. NBR NM 52:2009. Agregado miúdo - Determinação da massa específica e massa específica aparente. Rio de Janeiro, 2009c.

____________. NBR NM 45:2006. Agregados - Determinação da massa unitária e do volume de vazios. Rio de Janeiro, 2006.

____________. NBR 15220-2:2005. Desempenho térmico de edificações. Parte 2: Método de cálculo da transmitância térmica, da capacidade térmica, do atraso térmico e do fator solar de elementos e componentes de edificações. Rio de Janeiro, 2005.

____________. NBR 6120:1980. Cargas para o cálculo de estruturas de edificações. Rio de Janeiro, 1980.

ASSOCIAÇÃO DRYWALL. Manual de Projeto de Sistema Drywall – paredes, forros e revestimentos. São Paulo, 2006. Disponível em: . Acessado em: 30/01/2018.

BAUER, L. A. F. Materiais de Construção. 5ed. Rio de Janeiro: LTC, 2016, V.1.

BHAMRA, T. LOFTHOUSE, V. Design for Sutainability: A Practical Approach. Gower Publishing, 2007.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Anuário Estatístico do Setor de Não-Metálicos - 2017 base 2016. Brasília: 2017a. Disponível em: . Acesso em 12/01/2018.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Anuário Estatístico do Setor de Metalúrgico - 2017 base 2016. Brasília: 2017b. Disponível em: . Acesso em 12/01/2018.

BREZET, H.; van HEMEL, C. EcoDesign: A Promising Approach to Sustainable Production and Consumption, Paris: UNEP - United Nations Environment Programme, 1997.

CALDAS, L. R.; SPOSTO, R. M. Emissões de CO2 referentes ao transporte de materiais de construção no Brasil: estudo comparativo entre blocos estruturais cerâmicos e de concreto. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 17, n. 4, p. 91-108, out./dez. 2017.

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS (CGEE). Siderurgia no Brasil 2010-2025: subsídios para tomada de decisão. Brasília: 2010. 112p. Disponível em: . Acesso em 26/01/2018.

CONDEIXA, K.; QUALHARINI, E.; BÔER, D.; HADDAD, A. An Inquiry into the Life Cycle of Systems of Inner Walls: Comparison of Masonry and Drywall. Sustainability, v. 7, p. 7904-7925, 2015.

COSTA, B. L. de C. da. Quantificação das emissões de CO₂ geradas na produção de materiais utilizados na construção civil no Brasil. Dissertação. Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, COPPE, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Fevereiro 2012.

DRYWALL. Parede drywall. Disponível em: . Acesso 14/01/2018.

MARQUES, V. M.; GOMES, L. P.; KERN, A. P. Avaliação ambiental do ciclo de vida de telhas de fibrocimento com fibras de amianto ou com fibras de polipropileno. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 187-201, jan./mar. 2016.

MEDEIROS, L. M.; DURANTE, L. C.; CALLEJAS, I, J. A. Contribuição para a avaliação de ciclo de vida na quantificação de impactos ambientais de sistemas construtivos. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 18, n. 2, p. 365-385, abr./jun. 2018.

MEHTA, P. K.; MONTEIRO, P. J. M. Concreto: Microestrutura, Propriedades e Materiais. 3ed. São Paulo: IBRACON, 2008.

ORLANDIN, Cerâmica. Tijolo seis furos. Disponível em: . Acesso em: 17/02/2018.

PLACO SAINT GLOBAIN. Guia Placo Soluções Construtivas. 2014. Disponível em: . Acesso em 13/01/18.

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE (PBH). Projetos Padrão. Disponível em: . Acesso em: 30/01/2018.

RIBEIRO, C. C.; PINTO, J. D. S.; STARLING, T. Materiais de Construção. 2ed. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

SALGADO, J. C. P. Técnicas e Práticas Construtivas para Edificação. 2ed. São Paulo: Érica, 2009.

SANTOS, C. P.; REIS, I. N., MOREIRA, J. E. B.; BRASILEIRO, L. B. Papel: Como se fabrica? Química e Sociedade, n. 14, 2001.

SOARES, S. R.; PEREIRA, S. W. Inventário da produção de pisos e tijolos cerâmicos no contexto da análise do ciclo de vida. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 4, n. 2, p. 83-94, abr./jun. 2004.

TAVARES, S. F. Metodologia de Análise do Ciclo de Vida Energético de Edificações Residenciais Brasileiras. Tese Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil-PPGEC, UFSC Florianópolis, 2006.

ZBICIÑSKI, I.; STAVENUITER, J.; KOZLOWSKA, B.; COEVERING, H.P.M. Product Design and Life Cycle Assessment. Uppsala: The Baltic University Press, 2006.




DOI: https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2020.v6.n1.145-162

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Thiago Augusto Corlaite Lana, Andréa Franco Pereira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.