BAMBU – O AÇO VEGETAL

Autores

  • Gilberto Carbonari Universidade Estadual de Londrina
  • Nelson Silva Junior Universidade Estadual de Londrina
  • Nicolas Henrique Pedrosa Universidade Estadual de Londrina
  • Camila Hiromi Abe Universidade Estadual de Londrina
  • Marcos Ferreira Scholtz IAPAR
  • Caio Cesar Veloso Acosta Universidade Estadual de Londrina
  • luana toralles carbonari Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2017.v3.n1.17-25

Palavras-chave:

Bambu, Propriedades mecânicas, Ensaios, Material sustentável, IAPAR/Londrina

Resumo

Com os problemas gerados pelos materiais mais utilizados na construção civil, como o consumo de energia, a poluição e a inviabilidade econômica, surge a necessidade de alternativas que unam o conceito de fonte renovável ao de sustentabilidade. Nesse sentido, o bambu se mostra uma importante opção, considerando seu crescimento rápido e sua alta produção. O estudo de suas características mecânicas é fundamental para o projeto de construções em bambu.  Com este objetivo, a metodologia experimental utilizada permite a determinação de alguns destes parâmetros, tais como, as resistências à compressão, à tração, à flexão, e o módulo de elasticidade longitudinal. Os testes foram realizados em 9 espécies localizados no IAPAR/Londrina, oriundas da China. Considerando as variações geométricas decorrentes de alterações naturais nos bambus, os resultados confirmaram a eficácia e confiabilidade nos métodos de ensaio usados. A partir destes resultados pode-se afirmar que o bambu apresenta elevadas propriedades mecânicas. Dividindo as resistências à tração e à compressão pela densidade de cada material, todas as espécies estudadas se mostram mais eficientes que o concreto e o aço, conferindo ao bambu a designação de “aço vegetal”. Além disso, o bambu apresenta um potencial construtivo ecologicamente menos agressivo que os materiais construtivos tradicionais e uma considerável leveza.

Biografia do Autor

luana toralles carbonari, Universidade Federal de Santa Catarina

Arquitetura e Urbanismo. Tecnologia e sustentabilidade na construção

Referências

ALVES, J. D. Concreto alternativo para obras rurais. 44° Congresso Brasileiro do Concreto. Belo Horizonte, MG, 2002, 12 p.

BARROS, B. R.; SOUZA, F. A. M. Bambu: alternativa construtiva de baixo impacto ambiental. In: Conferência Latino-Americana de Construção Sustentável, São Paulo, 2004.

Cultivo e Manejo do Bambu, Em http://www.arq.ufsc.br/arq5661/trabalhos_2002-2/Bambu/tratamento.htm, 2002.

EMIC – Equipamentos e Sistemas de Ensaio Ltda, , 2010.

FARRELY, D. The Book of Bamboo. Sierra Club Books, São Francisco, 1984, 202p.

GHAVAMI, K. ; HOMBEECK, R. V. Apllication of bamboo as a construction material. Part I-Mechanical properties and water repellent treatment of bamboo Part II- Bamboo reinforced concrete beams. In: Latin American Symposium, Rational Organization of Building applied to Low-cost Housing, 1982, Sao Paulo. Rational Organization of Building Applied to Low-cost Housing. Sao Paulo : IPT, v. 1. p. 49-65, 1981.

GHAVAMI, K.; TOLEDO FILHO, R. D. Desenvolvimento de Materiais de Construção de Baixo Consumo de Energia Usando Fibras Naturais. Revista Engenharia Agrícola, v. 001, n. 0, p. 1-19, 1992.

GHAVAMI, K. Um material alternativo na Engenharia, Revista Engenharia e Construção Civil nº 492. São Paulo: Ed. Técnica Ltda., 1992.

GHAVAMI, K. Madeira ecológica para habitações de baixo custo. SEMINÁRIO NACIONAL DE BAMBU, ANAIS, UnB, Brasília, DF, p. 111-123, 2006.

ISO/TC165 N314 - International Organization For Standardization. Determination of Physical and Mechanical Properties of Bamboo, 1999, 20 p.

PEREIRA, MARCO A. R.; BERALDO, ANTONIO L. Bambu de Corpo e Alma. Ed. Canal 6, Bauru/SP, 2007.

SASTRY, C. B. Timber for the 21st Century. Online. Inbar, 1999, disponível em <http://www.inbar.int/>.

Downloads

Publicado

2017-03-12

Como Citar

Carbonari, G., Silva Junior, N., Pedrosa, N. H., Abe, C. H., Scholtz, M. F., Acosta, C. C. V., & carbonari, luana toralles. (2017). BAMBU – O AÇO VEGETAL. IX Sustentável, 3(1), 17–25. https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2017.v3.n1.17-25