Violência de gênero e saúde da mulher negra: abordagens feministas-marxistas desde o Brasil

Autores

Palavras-chave:

Reprodução Social, Racismo Estrutural, Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, Saúde Pública.

Resumo

Neste artigo, procuramos, a partir da Teoria Unitária da Reprodução Social, pensar a particularidade da violência doméstica e familiar contra a mulher negra, compreendendo-a como uma questão de saúde pública urgente e grave. Utilizamos de autoras feministas-marxistas que se valem do método marxista objetivando demonstrar como os fenômenos sociais da violência de gênero e do racismo estrutural são determinantes na ordem do capital. Primeiramente, buscamos fincar as bases da noção dialética de totalidade social. Posteriormente, analisamos os fenômenos da violência de gênero e do racismo. Em seguida, compreendemos como a violência influencia diretamente na saúde das mulheres. Por fim, percebemos como tais fenômenos afetam a vida das mulheres negras no Brasil. Constatamos que a crise da reprodução social reflete no aumento e complexificação da violência, sendo necessária a construção de políticas públicas com viés anti-racista e anti-sexista, capazes de imprimir uma concepção de saúde e dignidade complexa.

Biografia do Autor

Carla Benitez Martins, Universidade Federal de Jataí

Doutora em Sociologia pela UFG. Mestra em Direito pela UFSC. Bacharela em Direito pela UNESP. Professora Adjunta na UFJ. Iintegrante das Promotoras Legais Populares-Libertárias de Jataí/GO. Coordenadora do Gt Gênero e Sexualidade e integrante do GT de Criminologia Crítica e Movimentos Sociais do IPDMS.

Karolina Dadú Nunes, Universidade Federal de Goiás

Graduada em Direito pela Universidade Federal de Goiás (UFG) e Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Direito Agrário também pela Universidade Federal de Goiás (UFG), integrante das Promotoras Legais Populares-Libertárias de Jataí.

Renata de Mello Mamede, Universidade Federal de Jataí

Graduanda de psicologia da Universidade Federal de Jataí. Faz parte do Coletivo Feminista Jacarandá, do projeto de pesquisa e extensão Plps Libertárias - Jataí e projeto de pesquisa cadastrado no CNPq Interfaces literatura: arte e gênero nas produções poéticas.

Catharina Gomes Araújo Faria, Universidade Federal de Jataí

Graduanda em Direito pela Universidade Federal de Jataí (UFJ), integrante das Promotoras Legais Populares-Libertárias de Jataí.

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz de; O que é racismo estrutural?. 1ºed- Belo Horizonte: Letramento, 2018.

ARRUZZA, Cinzia. Feminismo e Marxismo: entre casamentos e divórcios. Lisboa: Edições Combate, 2010

ARRUZZA, Cinzia; BHATTACHARYA, Tithi; FRASER, Nancy. Feminismo para os 99%: um manifesto. São Paulo: Boitempo, 2019.

BAKAN, Abigail B. Marxismo e Antirracismo:repensando a política da diferença. In: Revista Outubro, n. 27, novembro de 2016, pp.46-76

BENSAID, Daniel. Os irredutíveis: Teoremas da resistência para o tempo presente. São Paulo: Boitempo, 2008

BHATTACHARYA, Tithi. Explicando a violência de gênero no neoliberalismo. Marx e o Marxismo v.7, n.12, jan/jun 2019

_____. O que é a Teoria da Reprodução Social? Publicado em: 10 de Setembro de 2013. Disponível em: http://socialistworker.org/2013/09/10/what-is-social-reproduction-theory . Acesso em: 26 de abril de 2020.

BOCCHI, Ketney; GIANFALDONI, Mônica Helena T. A.; LUCCI, Marcos A.; MAURUTTO, Alessandra; MOROZ, Melania; RUBANO, Denize Rosana; UTIDA, Hélia Hisako. Subjetividade: a interpretação do behaviorismo radical. Psicologia da Educação, São Paulo, v. 20, n.1, p. 119-135, 1º sem. 2005.

BRASIL, Lei nº11.340, de 7 de agosto de 2006. cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, Brasília, DF, agt, 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm acesso em: 28 de maio de 2020.

CARDOSO, Cláudia Pons. Amefricanizando o feminismo: o pensamento de Lélia Gonzalez. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 965-986, set. 2014.

COLLINS, Patricia Hill; Pensamento Feminista Negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

CRENSHAW, Kimberlé, “Mapping the Margins: Intersectionality, Identity Politics, and Violence against Women of Color”. In: Stanford Law Review. vol. 43, n.6. Stanford, 1991.

DAMASCENO, Marizete Gouveia; ZANELLO, Valeska M. Loyola. Saúde Mental e Racismo Contra Negros: Produção Bibliográfica Brasileira dos Últimos Quinze Anos. Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 38, n. 3, p. 450-464, Sept. 2018 .

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Tradução Coletivo Sycorax. São Paulo: Elefante, 2017

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário brasileiro de segurança pública- 2019. (ano13).

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 50. ed. São Paulo: Global, 2005.

GONZALEZ, Lélia. Cultura, etnicidade e trabalho: efeitos linguísticos e políticos da exploração da mulher. In: União dos Coletivos Panafricanistas. Primavera para as rosas negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa. São Paulo: Diáspora Africana, 2018. p. 54-76.

_____. Por um feminismo afrolatinoamericano. Revista Isis Internacional, Santiago, v. 9, p. 133-141, out. 1988.

_____. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: SILVA, Luiz António Machado da. Movimentos sociais urbanos, minorias e outros estudos. Brasília: ANPOCS, 1983. p. 223-244.

HEISE, L.; GARCIA-MORENO, C. Violence by intimate partners. In: KRUG, E. et al. (Ed.). World report on violence and health. Geneva: World Health Organization, 2002.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora WFF Martins Fontes, 2013.

_____. Teoria feminista: da margem ao centro. São Paulo: Perspectiva. 2019.

LEAL, Maria do Carmo; GAMA, Silvana Granado Nogueira da; CUNHA, Cynthia Braga da. Desigualdades raciais, sociodemográficas e na assistência ao pré-natal e ao parto, 1999-2001. Rev. Saúde Pública, São Paulo , v. 39, n. 1, p. 100-107, Jan. 2005 .

MARX, Karl. Manuscritos Econômico-Filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004.

MINAYO, Maria Cecília de S.. Violência social sob a perspectiva da saúde pública. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 10, supl. 1, p. S7-S18, 1994 .

NASCIMENTO, Beatriz. A mulher negra e o amor. In: RATTS, Alex. Eu sou atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; Instituto Kuanza, 2007. p. 126-129.

_____. Mulher negra no mercado de trabalho. In: RATTS, Alex. Eu sou atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; Instituto Kuanza, 2007. p. 102-106.

_____. Negro e racismo. In: RATTS, Alex. Eu sou atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; Instituto Kuanza, 2007. p. 98-102.

Redação (Ed). Em 2018, mulher recebia 79,5% do rendimento do homem, 2019. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/23923-em-2018-mulher-recebia-79-5-do-rendimento-do-homem . Acesso em: 25 de maio de 2020.

TAYLOR, Keeanga-Yamahtta. Raça, classe e marxismo. In: Revista Outubro, n.31, 2o semestre de 2018.

Downloads

Publicado

2021-08-27

Edição

Seção

Críptica