“Profanar, criar”: das mortalhas jurídicas do póspositivismo ao vôo livre do direito vivificado em Nietzsche

Autores

  • Murilo Duarte Costa Corrêa Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

O presente ensaio pretende apresentar, a partir de A Geneaologia da Moral, de F. W. Nietzsche, a possibilidade de criticar a matriz teórica do pós-positivismo jurídico e, bem assim, sua pretensão de reconduzir o direito a um influxo da moral. Partindo da concepção nietzscheana de que a moral constitui-se não no além ou no aquém da vida, mas propriamente na imanência do humano, submete-se a teoria pós-positivista do direito ao crivo da crítica nietzscheana. Por fim, busca-se pensar a possibilidade de um direito, e de uma justiça, aproximados da própria vida – a proposta de um direito como a história da luta contra os sentimentos reativos.

Downloads

Publicado

2016-03-30

Edição

Seção

Críptica