Política e patriarcado: a cultura do estupro em tempos de impeachment no Brasil / Politics and patriarchy: the culture of rape in times of impeachment in Brazil

Leonísia Moura Fernandes, Tayse Ribeiro de Castro Palitot, Luísa Câmara Rocha

Resumo


RESUMO: O Brasil tem vivenciado uma explosão de denúncias de violência sexual contra mulheres, tendo os estupros coletivos – aqueles praticados por mais de um agressor e quase sempre com maiores requintes de crueldade – ocupado lugar de destaque entre as notícias e repercussões. Acredita-se que estas são expressões da cultura do estupro, sistema que culpabiliza e legitima agressões sexuais contra mulheres. Entende-se não apenas a configuração legal de estupro pelo artigo 215 do Código Penal, mas também uma série de construções sociais que se reproduzem estruturalmente como violência de gênero que culminam na cultura do estupro como política de controle das mulheres e exaltação ao poder masculino. A partir de um referencial epistemológico feminista, analisa-se criticamente as conexões entre essas violações e o avanço do conservadorismo e fundamentalismo nas instâncias de política institucional brasileira e, consequentemente, o retrocesso dos direitos das mulheres.

ABSTRACT: Brazil has experienced an explosion of reports of sexual violence against women, and collective rapes - those committed by more than one perpetrator and often with greater refinements of cruelty - prominent place occupied between the news and repercussions. It is believed that these are expressions of rape culture, system blaming and legitimate sexual assaults against women. It is understood not only the legal configuration of rape under Article 215 of the Criminal Code, but also a number of social constructions that reproduce structurally as gender violence culminating in rape culture and women control policy and exaltation of male power. From a feminist epistemological framework, analyzing critically the connections between these violations and the advance of conservatism and fundamentalism in instances of Brazilian institutional policy and hence the retreat of women's rights.


Palavras-chave


cultura do estupro; violência de gênero; mulheres e política

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Vera Regina Pereira de. A soberania patriarcal: o sistema de justiça criminal no tratamento da violência sexual contra a mulher. Revista Sequência. Florianópolis, nº 50, p. 71-102, jul. 2005.

BISCAIA, Cristina Ninô (Org.). Um golpe chamado machismo. In: PRONER, Carol et al. A resistência ao golpe de 2016. Bauru: Canal 6, 2016. p. 86-88.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janiero: Bertrand Brasil, 2011.

BOITEUX, Luciana (Org.). Misoginia no golpe. In: PRONER, Carol et al. A resistência ao golpe de 2016. Bauru: Canal 6, 2016. p. 261-266.

BRASIL. Comissão Nacional da Verdade. Relatório/ Comissão Nacional da Verdade. Relatório. Brasília: CNV, 2014.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução Renato Aguiar, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CUTRUFELLI, Maria Rosa. Eu vivi por um sonho. Rio de Janeiro: Record, 2009.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de teoria geral do Estado. São Paulo: Saraiva, 2013.

FRIEDAN, Betty. Mística feminina. Petrópolis: Vozes Limitada, 1971.

HUNT, Lynn. A invenção dos direitos humanos: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

ROSALDO, Michelle Zimbalist. A mulher, a cultura e a sociedade: uma revisão teórica. In: LAMPHERE, Louise. A mulher, a cultura e a sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. p. 33-64.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. O contrato social. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

SAFFIOTI, Heleieth. Rearticulando gênero e classe social. In: COSTA, Albertina de O.; BRUSCHINI, Cristina.(Orgs).Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; São Paulo: Fundação Carlos Chagas. 1992

______. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

______. Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.STOCKER, Pâmela Caroline.

DALMASO, Silvana Copetti. Uma questão de gênero: ofensas de leitores à Dilma Rousseff no Facebook da Folha. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 24(3): 398, set./dez. 2016, p. 679 689.

WHISNANT, Rebecca. Feminist perspectives on rape. The Stanford Encyclopedia of Philosophy.Stanford,2009.Disponívelem:. Acesso em: 25 mar. 2015.

THOMPSON, John. B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes, 2007.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2014. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2014. Disponívelem:. Acesso em: 12 nov. 2014.

______. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2013. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2013. Disponível em: .Acesso em: 10 set. 2014.

GONZALES, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: SILVA, Luiz Antônio Machado et al. Movimentos sociais urbanos, minorias étnicas e outros estudos. Brasília, ANPOCS, 1983, p. 223-44.

VENTAS, Leire. No Peru, lésbicas sofrem com estupros 'corretivos'. BBC Brasil. Disponível em:. Acesso em: 05 mar. 2016.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. 11: Estupro no Brasil: uma radiografia segundo os dados da Saúde (versão preliminar). Brasília: Ipea, 2014.

SIPS Sistema de Indicadores de Percepção Social: Tolerância social à violência contras as mulheres. Brasília: Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, 2014.

LAURETIS, Teresa de. Technologies of gender: essays on theory, film and fiction. Bloomington and Indianapolis: Indiana Unversity Press, 1987.

PATEMAN, Carole. O contrato sexual. São Paulo: Paz e Terra, 1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Leonísia Moura Fernandes, Tayse Ribeiro de Castro Palitot, Luísa Câmara Rocha