O PAPEL DOS PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO LOCAL PARA CIDADES SUSTENTÁVEIS

ROLE OF LOCAL EDUCATION PROGRAMS FOR A SUSTAINABLE CITY IN SOUTHERN BRAZIL

Autores

  • Andreia Neckel Atitus Educação
  • Janaina Macke UCS - Universidade de Caxias do Sul
  • Leila Dal Moro Programa de Pós Graduação em Administração - Business School - IMED https://orcid.org/0000-0003-0456-4260

DOI:

https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2023.v9.n1.38-49

Palavras-chave:

Sustainable cities spac, Educacion, Sustainability

Resumo

Esta pesquisa teve como objetivo analisar o papel dos programas locais de educação em Passo Fundo (Brasil) para o desenvolvimento de cidades sustentáveis. Nesta análise, buscou-se descrever a gestão das políticas públicas na área da educação no município de Passo Fundo; identificar as características de uma cidade sustentável presente em Passo Fundo; e propor um conjunto de ações na área de educação pública para a cidade de Passo Fundo, na direção do conceito de cidades sustentáveis. Inicialmente, foi feita uma abordagem teórica, partindo de artigos e livros que tratam do assunto. Realizou-se uma pesquisa descritiva, exploratória, qualitativa, com entrevistas semiestruturadas com cinco gestores municipais vinculados à área de educação da cidade escolhida – Passo Fundo. Os dados foram computados, analisados ​​e interpretados por meio da análise de conteúdo. Os resultados evidenciam a noção e o reconhecimento da educação e da cidade sustentável, com a importância da participação cidadã e da educação como agente formador para a efetividade do desenvolvimento da cidade sustentável. Pode-se verificar nas práticas de gestão na educação as práticas de eventos para condicionar uma cidade sustentável, o Festival Internacional de Folclore, a Feira do Livro e a Jornada Literária.

Biografia do Autor

Andreia Neckel, Atitus Educação

Master in Graduate Program in Management – Atitus Educação Business School, Passo Fundo, RS, Brazil

304 Senador Pinheiro Street, Vila Rodrigues, Passo Fundo – RS, 99070-220.

Janaina Macke, UCS - Universidade de Caxias do Sul

Professor of Graduate Program in Management- University of Caxias do Sul, Caxias do Sul, RS, Brazil

1130 Francisco Getúlio Vargas Street, Caxias do Sul – RS 95070-560.

jmacke@ucs.br

Leila Dal Moro, Programa de Pós Graduação em Administração - Business School - IMED

Gestora pública, especialista em gestão ambiental e recursos hídricos, mestre e doutora em engenharia civil e ambiental, pós doutoranda em administração. Professora doutora do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu em Administração (PPGA) IMED.

Referências

ABDALA, L. N. et al. Como as cidades inteligentes contribuem para o desenvolvimento de cidades sustentáveis? Uma revisão sistemática de literatura. International Journal of Knowledge Engineering and Management (IJKEM), v. 3, n. 5, p. 98-120, 2014.

ALBINO, V.; BERARDI, U.; DANGELICO, R. M. Smart cities: definitions, dimensions, performance and initiatives, p. 37-41, 2015. https://doi.org/10.1080/10630732.2014.942092

ANTUNES, A. Leitura do mundo no contexto da planetização: por uma

pedagogia da sustentabilidade. 2002. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação. São Paulo, 2002. Disponível em: http://acervo.paulofreire.org:8080/xmlui/handle/7891/137

ANTHOPOULOS, L. G. Defining smart city architeture for sustainability. Conference Paper, p. 570-578, Aug., 2015.

ARNSTEIN, S. A Ladder of Citizen Participation. Journal of the American Institute of Planners, v. 35, n. 4, p. 216–224, 1969. https://doi.org/10.1080/01944366908977225

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011. https://doi.org/10.14244/%2519827199291

BERST, J. Smart Cities Readiness Guide. Redmound, WA, USA, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: temas transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Programa Município Educadores Sustentáveis. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005.

BRASIL. Programa Nacional de Mudança do Clima. Brasília, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI): Vamos Cuidar do Brasil com Escolas Sustentáveis: educando-nos para pensar e agir em tempos de mudanças socioambientais globais. 2013. Disponível em: http//www.mec.gov.br/secadi. Acesso em: 21 jun. 2021.

CANNON, M. Going beyond compliance: examining of sustainability education planning practices in US MBA business school programs. Doctoral dissertation. University of Georgia, Athens, USA, 2010.

DURAN-SÁNCHEZ, A.; RIO-RAMA, M. C.; SERENO-RAMIREZ, A.; BREDIS, K. Sustainability and quality of life in smart cities: analysis of scientific production. 2016. https://doi.org/10.1007/978-3-319-40895-8_12

EUROPEAN PARLIAMENT. Mapping Smart Cities in the EU. European ??

Union, Janeiro 2014. Disponível em: http://www.europarl.europa.eu/studies. Acesso em: 27 mar. 2021.

GADOTTI, M. Educar para a sustentabilidade: uma contribuição à década da educação para o desenvolvimento sustentável. 2008. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire. Disponível em: http://www.acervo.paulofreire.org:8080/xmlui/bitstream/handle/7891/3080/FPF_PTPF_12_077.pdf. Acesso em: 20 jun. 2021.

GALLOPÍN, G. A systems approach to sustainability and sustainable development. Serie Medio Ambiente y Desarrollo, Santiago de Chile, CEPAL, n. 64, 2003.

GIFFINGER, R.; HAINDL, G. Smart cities ranking: an effective instrument for the positioning of cities? p. 703-714, 2007.

GOTTLIEB, D.; VIGODA-GADOT, E.; HAIM, A. et al. The ecological footprint as an educational tool for sustainability: a case study analysis in an Israeli public high school. International Journal of Educational Development, v. 32, p. 193-200, 2011. https://doi.org/10.1016/j.ijedudev.2011.03.007

GUPTA, R.; AWASTHY, R. Qualitative research in management: methods and

experiences. Sage (Ed.), New Delhi, 2015.

GUIA GESTÃO PÚBLICA SUSTENTÁVEL (GPS). Programa cidades sustentáveis. São Paulo, 2013. Disponível em: <http://www.cidadessustentaveis.org.br/>. Acesso em: 14 jun., 2021.

IRVIN, R.; STANSBURY, J. Citizen Participation in Decision Making: Is It Worth the Effort? Public Administration Review, v. 64, n. 1, p. 55–65, 2004. https://doi.org/10.1111/j.1540-6210.2004.00346.x

JACOBI, P. Meio ambiente e sustentabilidade. In: O município do século XXI: cenários e perspectivas. 2011. Disponível em: http://michelonengenharia.com.br/downloads/Sutentabilidade.pdf. Acesso em: 21 jun. 2021.

KAFFENBERGER, MICHELLE; PRITCHETT, LANT. Aiming higher: Learning profiles and gender equality in 10 low- and middle-income countries. International Journal of Educational Development, v. 79, 2020. doi:10.1016/j.ijedudev.2020.102272

KANTER, R. M.; LITOW, S. S. Informed and interconnected: a manifesto for smarter cities informed and interconnected: a manifesto for smarter cities, 2009.

KOMMINOS, N. The age of intelligent cities. Smart environments and innovation for all strategies. Routledge, London, 2014. https://doi.org/10.4324/9781315769349

LAZZARETTI, K.; SEHNEM, S.; BENCKE, F. F. et al. Cidades inteligentes: insights e contribuições das pesquisas brasileiras. Urbe, Rev. Bras. Gest. Urbana v.11 Curitiba Epub 09, dez. 2019. https://doi.org/10.1590/2175-3369.011.e20190118

LAUDER, H., P.; BROWN, J. A.; DILLABOUGH, A. H. Halsey. Education, globalization and social change. Oxford University Press, Oxford, 2006.

MOREIRA, T. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Vamos cuidar do Brasil com escolas sustentáveis: educando-nos para pensar e agir em tempos de mudanças socioambientais globais. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão, Ministério do Meio Ambiente. Brasília: A Secretaria, 2012.

MORIN. E. Meus demônios. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

NAM, T.; PARDO, T. Conceptualizing smart city with dimensions of technology, people, and institutions. The Proceedings of the 12th Annual International Conference on Digital Government Research. ACM Press, Washington, DC, p. 282-291, 2011. https://doi.org/10.1145/2037556.2037602

NUNES, P. H. F. Meio ambiente e mineração: o desenvolvimento sustentável. 1.ed. Curitiba: Juruá, 2006.

ONU. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. 17 Objetivos para transformar nosso mundo. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/. Acesso em: 9 jun. 2021.

RAI, P. T. Townships for sustainable cities. Procedia - Social and Behavioral Sciences n. 37, p. 417-426, 2012. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2012.03.307

RIOS NETO, J.; GIMENEZ, E. J. C. Cidades inteligentes: sua contribuição para o

desenvolvimento urbano sustentável. VII SRST – Seminário de Redes e Sistemas de Telecomunicações. Instituto Nacional de Telecomunicações – INATEL, setembro de 2018.

ROBINSON, J. Squaring the circle? Some thoughts on the idea of sustainable development. Ecological Economics, v. 48, n. 4, p. 369-384, Apr. 2004. https://doi.org/10.1016/j.ecolecon.2003.10.017

ROCHA, V. T. et al. Teacher’s approach on climate change education a case study. In: LEAL FILHO, W. et al. (Eds.). Universities and sustainable communities: meeting the goals of the Agenda 2030. Cham: Springer, 2020. p. 617-642. DOI: 10.1007/978-3-030-30306-8_37.

SOUZA, J. T.; FRANCISCO, A. C.; PIEKARSKI, C. M.; PRADO, G. F. Data mining and machine learning to promote smart cities: a systematic review from 2000 to 2018. Sustainable, v. 11, p. 4, Febr. 2019. https://doi.org/10.3390/su11041077

SUZUKI, H.; DASTUR, A.; MOFFATT, S. et al. Eco cities. 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1596/978-0-8213-8046-8. Acesso em: 02 abr. 2021.

TRAN, CAROLYN D.T.T.; BATTESE, GEORGE E.; VILLANO, RENATO A. Administrative capacity assessment in higher education: The case of universities in Vietnam. International Journal of Educational Development, 2020 v.77. https://doi.org/10.1016/j.ijedudev.2020.102198

UNESCO. Década da Educação das Nações Unidas para um Desenvolvimento Sustentável, 2005-2014: documento final do esquema internacional de implementação. Brasília, 2005. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001399/. Acesso em: 02 abr. 2021.

ZIKMUND, W. G. Business research methods. 5. ed. Fort Worth, TX: Dryden, 2000.

VAQUERO-GARCIA, A.; ÁLVAREZ-GARCIA, J.; PERIS-ORTIZ, M. Urban models of sustainable development from the economic perspective: smart cities. In: Marta PERIS-ORTIZ, M.; BENNET, D. R.;

YÁBAR, D. P. B (Eds.). Sustainable smart cities: creating spaces for technological, social and business development, 2017. https://doi.org/10.1007/978-3-319-40895-8_2

VERGARA, S. C. Gestão de pessoas. 10. ed. São Paulo, 2011.

WANG, L.; HU, S.; BETIS, G.; RANJAN, R. A computing perspective on smart city [Guest Editorial]. IEEE Transactions on Computers, v. 65, n. 5, May, 2016.

Downloads

Publicado

2022-12-22

Como Citar

Neckel, A., Macke, J., & Moro, L. D. (2022). O PAPEL DOS PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO LOCAL PARA CIDADES SUSTENTÁVEIS: ROLE OF LOCAL EDUCATION PROGRAMS FOR A SUSTAINABLE CITY IN SOUTHERN BRAZIL. IX Sustentável, 9(1), 38–49. https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2023.v9.n1.38-49