O processo administrativo ambiental e o princípio da prevenção em um ambiente de necessidade de estruturação do decrescimento

Autores

  • Mateus Stallivieri da Costa Universidade Federal de Santa Catarina
  • Matheus Simões Universidade Federal de Santa Catarina

Palavras-chave:

Processo Administrativo Ambiental, Decrescimento, Sustentabilidade

Resumo

O artigo aborda aspectos que norteiam o conceito de decrescimento como forma sustentável de construção de
uma sociedade e sua ligação com o processo administrativo ambiental como meio de garantia do princípio da
prevenção. O texto está dividido em duas partes: A apresentação conceitual do decrescimento; e os conceitos
principais que envolvem o processo administrativo ambiental, incluindo a necessidade de uma nova construção
de seus elementos. Os instrumentos atuais administrativos apresentam falhas graves na contenção de danos
futuros, sendo possível concluir a necessidade de novos institutos que garantam a sua função, como a
participação popular.

Biografia do Autor

Mateus Stallivieri da Costa, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestrando pela Universidade Federal de Santa Catarina

Matheus Simões, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando pela Universidade Federal de Santa Catarina

Referências

ABRAMOVAY, Ricardo. Muito além da economia verde. São Paulo: Abril, 2012.

ALVES, José Eutaquio Diniz. Aumenta Concentração de CO² na Atmosfera em 2017.

Informação disponível em: https://www.ecodebate.com.br/2018/01/08/aumenta-

concentracao-de-co2-na-atmosfera-em-2017-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/. Acesso dia

/06/2018.

ANDRADE, Daniel Caixeta. Economia e meio ambiente: aspectos teóricos e metodológicos

nas visões neoclássica e da economia ecológica. Leituras de Economia Política, n. 14.

Campinas, agosto-dezembro, 2008.

BECK, Ulrich. Sociedade de risco: Rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Editora 34,

BELCHIOR, Germana Parente Neiva. Fundamentos Epistemológicos do Direito Ambiental.

Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2017.

BENJAMIN, Antonio Herman de Vasconcellos. Constitucionalização do ambiente e

ecologização da Constituição Brasileira. In: Canotiljo, José Joaquim Gomes; LEITE, José

Rubens. Direito constitucional ambiental brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2007.

CACCIARI, Paolo. Pensare la Decrescita. Sostentabilità ed Equitá. Roma/Nápoles: Cartaintra

Moenia, Col. Cantieri, 2006.

CANOTILHO, J. J. Gomes. Estado Constitucional Ecológico e democracia sustentada. In:

FERREIRA, Heline Sivini; LEITE, José Rubens Morato. Estado de Direito Ambiental:

tendências, aspectos constitucionais e diagnósticos. Rio de Janeiro: Forense Universitária,

Castanheiro, Ivan Carneiro. BARRETO JUNIOR, Luís Fernando Cabral. KISHI, Sandra

Akemi Shimada. PL do licenciamento ambiental: Propostas devastadoras. 2018. Informação

disponível em: https://www.conjur.com.br/2017-mai-02/pl-licenciamento-ambiental-

propostas-devastadoras. Acesso dia 07/06/2018.

DUMOUCHEL, Paul; DUPUY, Jean-Pierre. L’Enfer des choses. Paris: PUF, 1976.

ESTADÃO. Comissão do senado aprova PEC que derruba licenciamento ambiental para

obras. 2017. Informação disponível em:

http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,comissao-do-senado-aprova-pec-que-derruba-

licenciamento-ambiental-para-obras,10000028489. Acesso dia 07/06/2018.

FLAHAUT, François. Le Paradoxe de Robinson. Capitalisme et société. Paris: Mille et

unenuits, 2005.

FOLHA. Grande Depósito de Lixo do Pacífico Contém 87 mil Toneladas de Plástico. 2018.

Informação disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2018/03/grande-

deposito-de-lixo-do-pacifico-contem-87-mil-toneladas-de-plastico.shtml. Acesso dia

/06/2018.

FURTADO, Celso. O mito do Desenvolvimento Econômico. Rio de Janeiro: Paz e Terra,

G1. Estudo Inédito Mostra Poluição de Rios e Lagos no Brasil. 2011. Informação disponível

em: http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2011/01/estudo-inedito-mostra-poluicao-de-

rios-e-lagos-no-brasil.html. Acesso dia 07/06/2018.

GORZ, André. Capitalisme, socialisme, Écologie. Paris: Galiée, 1991.

GUATTARI, Félix. As Três Ecologias. Campinas: Papirus, 1990.

HEI. Stat of Global Air. 2018. Informação disponível em:

https://www.stateofglobalair.org/report. Acesso dia 07/06/2018.

LATOUCHE, Serge. Pequeno Tratado de Decrescimento Sereno. São Paulo: Martins Fontes,

LATOUCHE, Serge. Por um decrescimento frugal. Mal-entendidos e controvérsias sobre o

decrescimento. Paris: Bollati Boringhieri, 2012.

LEFF, Henrique. Ecologia, capital e cultura. A territorialização da racionalidade ambiental.

Petrópolis: Editora Vozes, 2009.

LEITE, José Rubens Morato; AYALA, Patryck de Araújo. Direito ambiental na Sociedade de

Risco. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004. LEITE, José Rubens Morato;

MORIN, Edgar; KERN, A. B. Terra-Pátria. Porto Alegre: Sulina, 1995.

NEXO. Licenciamento ambiental: a busca pelo equilíbrio entre desenvolvimento e

conservação. 2009. Informação disponível em:

https://www.nexojornal.com.br/explicado/2017/04/09/Licenciamento-ambiental-a-busca-pelo-

equil%C3%ADbrio-entre-desenvolvimento-e-conserva%C3%A7%C3%A3o. Acesso dia

/06/2018.

NIEBUHR, Pedro de Menezes. Processo Administrativo Ambiental. 2ª Ed. Rio de Janeiro:

Editora Lumen Juris, 2017.

OGLOBO. Falta de licenciamento ambiental pode fechar até 40 postos de gasolina. 2015.

Informação disponível em: https://oglobo.globo.com/economia/falta-de-licenca-ambiental-

pode-fechar-ate-40-dos-postos-de-gasolina-17060775. Acesso dia 07/06/2018.

ONU. Declaração do Rio Sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. 1972. Disponível em:

http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/rio92.pdf. Acesso dia 07/06/2018

POLANYI, Karl. A Grande Transformação: as origens de nossa época. 2a ed. Rio de Janeiro:

Elsevier, 2012.

PORTAL DA INDUSTRIA. As regras do licenciamento ambiental precisam ser claras e

objetivas. 2016. Informação disponível em:

http://www.portaldaindustria.com.br/agenciacni/noticias/2016/10/entrevista-as-regras-de-

licenciamento-ambiental-precisam-ser-claras-e-objetivas-diz-monica-messemberg/ . Acesso

dia 07/06/2018.

PORTAL DA INDUSTRIA. Barreiras da burocracia no setor portuário. 2016. Informação

disponível em: http://www.portaldaindustria.com.br/publicacoes/2016/9/barreiras-da-

burocracia-setor-portuario/. Acesso dia 07/06/2018.

PORTANOVA, Rogério. Direitos Humanos e meio ambiente: uma revolução de paradigma

para o século XXI. Ilha. Revista de antropologia (Florianópolis), v. 7, 2005.

Repensando o estado de direito ambiental / Organização José Rubens Morato Leite,

Heline Sivini Ferreira, Matheus Almeida Caetano. – Florianópolis : Fundação Boiteux, 2012.

SACHS, Wolfgang. Dicionário do desenvolvimento: guia para o conhecimento como poder.

Petrópolis-RJ. Vozes. 2000.

SAMPAIO, José Adércio Leite. Princípios de Direito Ambiental. Belo Horizonte: Del Rey,

SILVA, Romeu Thomé Faria da. Manual de Direito Ambiental. 8ª Edição. Salvado: Editora

JusPodivm, 2018.

SILVA, Susana Tavares. Um novo direito administrativo? Coimbra: Universidade de

Coimbra, 2010.

UOL. De cada dez obras de reforma em São Paulo nove estão irregulares, aponta sindicato.

Informação disponível em: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-

noticias/2013/09/02/de-cada-dez-obras-de-reforma-em-sp-nove-estao-irregulares-aponta-

levantamento-de-sindicato.htm. Acesso dia 07/06/2018.

Downloads

Publicado

2019-02-27

Edição

Seção

Captura