A ARQUITETURA EM ÁREA DE VIVÊNCIA DE CANTEIRO DE OBRAS: FATORES NORMATIVOS ASSOCIADOS À PERCEPÇÃO DO USUÁRIO LOCAL

Heloisa Nunes e Silva, Juan Antonio Zapatel

Resumo


Decorridos mais de 40 anos de aplicação da NR-18 no País, seu cumprimento pelas empresas construtoras ainda caminha para a consolidação. Neste sentido, as condições do ambiente construído da área de vivência da obra são tema de investigação nesta pesquisa, que busca reconhecer a condição desse ambiente construído à luz da Arquitetura e da legislação, bem como conhecer a opinião dos seus usuários sobre a atual condição da área de vivência e suas expectativas para o ambiente. Através da Avaliação Ergonômica do Ambiente Construído (MEAC) associada a parâmetros normativos (NR-18 e NBR 15.575) e de percepção ambiental pelo usuário, pela técnica da Constelação de Atributos, os dados obtidos indicam situações em desacordo legal, conflitos de acessibilidade e funcionalidade dos espaços, além de revelarem as características do ambiente construído ideal da área de vivência pelos usuários. Verificou-se que a Arquitetura mantém potencial de pesquisa científica em relação ao tema e lacunas profissionais sobre o projeto de edificações provisórias em canteiros de obras.


Palavras-chave


Arquitetura; Canteiro de Obras; Habitabilidade; Área de Vivência

Texto completo:

PDF/A

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR- 12284: Áreas de Vivência em Canteiros de Obras. Rio de Janeiro, 1991.

__. NBR 15575: Edificações habitacionais – Desempenho. Partes 1 - 6. Rio de Janeiro, RJ, 2013

BRASIL. Portaria nº 3.214 do Ministério do Trabalho e Emprego de 08 de junho de 1978. Institui as Normas Regulamentadoras no Brasil. Disponível em < http://www.mte.gov.br/ legislacao/portarias/1978/p_19780608_3214.pdf> Acesso em 28/10/2017.

__.“Reportagem “Nova NR 18 aumenta segurança dos trabalhadores e estimula modernização na construção civil”.” Ministério do Trabalho. 2020. Disponível em: http://trabalho.gov.br/component/content/article?id=7362. Acesso 11/02/2020.

DANIEL, T. C.; ITTELSON, W. H. Conditions for environmental perception research: Comment on" The psychological representation of molar physical environments" by Ward and Russell. 1981.

FABRICIO, M. M. Industrialização das construções: revisão e atualização de conceitos. Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, São Paulo, v. 20, n. 33, p. 228-248, junho 2013.

FERREIRA, E. A. M.; FRANCO, L. S.. Metodologia para elaboração do projeto do canteiro de obras de edifícios. São Paulo, 1998.

FERRO, S.; ARANTES, P. F.. Arquitetura e trabalho livre. Editora Cosac Naify, 2006.

GREGOTTI, V.. Território da arquitetura. Perspectiva, 1972.

MONTANER, J. M.. Depois do movimento moderno: arquitetura da segunda metade do século XX. São Paulo: Gustavo Gili, 2014.

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Planilhada sobre pessoas de 14 anos ou mais de idade ocupadas na Construção. Disponível em:.Acesso 30/07/2019.

LAWSON, B.. The language of space. Oxford: Architectural Press. 2001.

MATTOS, A. D.. Como preparar orçamentos de obra. São Paulo: Editora Pini, 2006.

MELHADO, S. B. Qualidade do projeto na construção de edifícios: aplicação ao caso das empresas de incorporação e construção. Tese (Doutorado). Departamento de Engenharia de construção de edifícios da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo.1994

MORENO, L. D.; MAMEDE, B. B. Gestão da construção de edifícios no ambiente urbano: considerações sobre consequências e desdobramentos. Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 1, n. 6, 2014.

OKAMOTO, J.. Percepção ambiental e comportamento. 2º Edição. IPSIS Gráfica e Editora S/A, São Paulo, 2002.

ROSSO, T. Racionalização da construção. São Paulo: Editora FAAUSP, 1980.

SAURIN, T. A., FORMOSO, C. T. Planejamento de canteiros de obra e gestão de processos. (Recomendações Técnicas HABITARE, v. 3. Porto Alegre : ANTAC, 2006.

TEZEL, B. A., KOSKELA, L. J., & TZORTZOPOULOS, P. Visual management in construction: Study report on Brazilian cases. 2010.

TISAKA, M.. Como evitar prejuízos em obras de construção civil: Construction Claim. São Paulo: Pini, 2011a.

__.Orçamento na construção civil: consultoria, projeto e execução. São Paulo: Pini, 2011b.

VILLA, S. B., ORNSTEIN, S. W. Qualidade ambiental na habitação: avaliação pós-ocupação. 2013.

VILLAROUCO, V.. Construindo uma Metodologia de Avaliação Ergonômica do Ambiente – AVEA. Anais do 14º Congresso Brasileiro de Ergonomia. Porto Seguro: ABERGO, 2008.

MONT’ALVÃO, C.; VILLAROUCO, V.. Um novo olhar para o projeto: a ergonomia no ambiente construído. Rio de Janeiro: 2AB, 2011.




DOI: https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2020.v6.n3.129-146

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Heloisa Nunes e Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.