O lugar da mulher no pensamento criminológico / The place of women in criminological thinking

Camila Damasceno de Andrade

Resumo


RESUMO: O escopo desta pesquisa está em verificar como a figura da mulher é retratada nos mais aclamados discursos criminológicos do Ocidente. Nesse sentido, a análise parte do período medieval, especificamente com a redação do Malleus Maleficarum pelos dominicanos Heinrich Kramer e James Sprenger, e vai até a atualidade, examinando o paradigma da reação social instaurado pelo labelling approach e a criminologia crítica de inspiração marxista, maturada pela obra de Alessandro Baratta. Pode ser observado, num segundo momento, que a criminologia, antes construída com base num discurso escrito por homens, para homens, mas sobre as mulheres, transformou-se num discurso de homens, sobre homens e para homens. Portanto, a importância da mulher no pensamento criminológico, ainda que restrita ao papel de mero objeto de estudo, foi substituída pela sua quase total ausência. Com base nesses pressupostos, o presente artigo adota a contribuição das teorias críticas feministas sobre os estudos de gênero como plano de fundo teórico para examinar como os mais diferentes ensinamentos criminológicos trataram a questão da mulher ao longo da história.

 ABSTRACT: The scope of this research is to verify how the figure of the woman is represented in the most acclaimed Western criminological discourses. In this sense, the analysis begins in the medieval age, specifically at the writing of the book Malleus Maleficarum by the Dominican monks Heinrich Kramer and James Sprenger, and goes to the present, examining the social reaction paradigm established by the labelling approach and by the Marxist critical criminology, matured by Alessandro Baratta's work. It may be noticed, in a second moment, that the criminology, previously constructed on the basis of a discourse written by men, for men, but about women, has turned into a discourse made by men, for men, and about men. Thus the woman's importance in criminological thinking, although restricted to the role of mere study object, has been substituted by its almost total absence. Based on these assumptions, this paper makes adopts the contribution of the critical feminist theories on the gender studies as theoretical background in order to examine how the most different criminological teachings have addressed the issue of woman throughout history. 


Palavras-chave


criminalização; criminologia; feminismo; mulheres

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Vera Regina Pereira de Andrade. A ilusão da segurança jurídica: do controle da violência à violência do controle penal. 3. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2015.

ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Pelas mãos da criminologia: o controle penal para além da (des)ilusão. Rio de Janeiro: Revan, 2012.

ANITUA, Gabriel Ignacio. Histórias dos pensamentos criminológicos. Tradução de Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan, 2008.

BANDEIRA, Lourdes. A contribuição da crítica feminista à ciência. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 1, jan/abr de 2008, p. 207-230.

BARATTA, Alessandro. Criminologia crítica e crítica do direito penal: introdução à sociologia do direito penal. Tradução de Juarez Cirino dos Santos. 6. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2011.

CASTRO, Lola Aniyar de. Criminologia de la reacción social. Maracaibo: Universidad del Zulia, 1977.

DELUMEAU, Jean. História do medo no ocidente: 1300 a 1800. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

HARDING, Sandra. A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 1, n. 1, jan/jun de 1993, p. 7-31.

KRAMER, Heinrich; SPRENGER, James. O martelo das feiticeiras. Editora Rosa dos Tempos: Rio de Janeiro, 2010.

LOMBROSO, Césare; FERRERO, Guglielmo. The female offender. New York: D. Appleton and Company, 1895.

MALEVAL, Maria do Amparo. Representações diabolizadas da mulher em textos medievais. In: DAVID, Sérgio Nazar. As mulheres são o diabo. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2004.

MENDES, Soraia da Rosa. Criminologia feminista: novos paradigmas. São Paulo: Saraiva, 2014.

ROUSSEAU, Jean Jacques. Emílio ou da educação. Tradução de Sérgio Milliet. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

SCOTT, Joan. História das mulheres In: BURKE, Peter. A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Camila Damasceno de Andrade