CONTRIBUIÇÃO DA PRAÇA PARA O MICROCLIMA URBANO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2021.v8.n2.1

Palavras-chave:

Qualidade ambiental, Espaços livres, Praça, Microclima urbano, Envi-met

Resumo

Devido as atuais dinâmicas e configurações do ambiente urbano, torna-se necessário que a paisagem construída e natural atue de forma equilibrada, garantindo qualidade ambiental ao ambiente construído. As praças – objeto deste estudo – proporcionam benefícios à vida pública urbana, além de influenciar na esfera ambiental. Este artigo enfatiza, através de simulações microclimáticas computacionais, a contribuição da praça para o microclima urbano de área urbana adensada. Tem como recorte de estudo a Praça Bom Pastor, situada em um bairro adensado do município de Vila Velha-ES. Após a revisão bibliográfica, coleta de dados e aferição de temperatura no local para a simulação piloto e calibragem do software, em uma fase sucessiva, foram realizadas simulações da praça e seu perímetro. As simulações foram realizadas no software ENVI-met com o auxílio do plugin Leonardo para confecção dos mapas. As análises avaliaram a temperatura do ar e a temperatura da superfície de dois cenários: cenário real e hipotético, este último considera a praça como um espaço árido.  O resultado das simulações demonstrou a contribuição positiva do cenário real da praça – constituída por áreas verdes e materiais de revestimento de superfície permeáveis e semipermeáveis - em comparação ao cenário árido, preenchido por materiais impermeáveis e semipermeáveis.  

Biografia do Autor

Hyria Fraga de Oliveira, Universidade Vila Velha

Mestre em Arquitetura e Cidade na Universidade Vila Velha (bolsista CAPES), Pós Graduada em Engenharia de Segurança do Trabalho na Universidade Vila Velha, Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Vila Velha (2016), Monitora de ensino na Universidade Vila Velha (2014), Bolsista FAPES de Iniciação Científica na Universidade Vila Velha (2014), Técnica em Segurança do Trabalho pelo Instituto Federal do Espírito Santo (2010). Atua como profissional na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Planejamento e Projetos da Edificação e Design de Interiores. Desenvolve pesquisas na área de sustentabilidade urbana e integra o Grupo de Pesquisa de Paisagem Urbana e Inclusão. Área de interesse: sustentabilidade urbana e projetos de arquitetura e urbanismo.

Larissa Letícia Andara Ramos, Universidade Vila Velha

Doutorado em Tecnologia e Projeto para a Qualidade Ambiental na Arquitetura e na Cidade, Politécnico de Milão (2007). Graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Espírito Santo (2003). Atualmente é pesquisadora, professora titular III do mestrado em Arquitetura e Cidade e do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Vila Velha-ES. Atua também como assistente de coordenação, membro do Núcleo Docente Estruturante e Colegiado do curso. É líder do grupo de pesquisa CNPq " Paisagem Urbana e Inclusão". Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo com ênfase no Projeto, Gestão e Desempenho da Arquitetura e da Cidad. Desevolve pesquisas principalmente nos seguintes temas: Qualidade ambiental do edifício e da cidade, Projeto e avaliação dos espaços livres de uso público, indicadores para qualidade socioambiental de espaços públicos, Desenho urbano, Infraestrutura Urbana, Meio Ambiente, Verde Urbano, Acessibilidade e Desenho Universal e Ensino de Arquitetura e Urbanismo.

Referências

ALBUQUERQUE, M. Z. A. de. (2006). Espaços livres públicos inseridos na paisagem urbana: Memórias, rugosidades e metamorfoses Estudo dos parques urbanos 13 de Maio, Recife-Brasil e do Tiergarten, Berlim-Alemanha. Disponível em: <https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/6867/1/arquivo6898_1.pdf>.

BANDEIRA, T. O., & AQUINO, A. R. de. (2010). Infraestrutura e qualidade ambiental urbana: uma avaliação de municípios do estado do tocantins a partir de indicadores socioambientais. 10, 6–35.

CALLIARI, M. (2016). Espaço público e urbanidade em São Paulo - Capítulo 1. BEĨ EDITORA.

DIAS, F. A., GOMES, L. A., & ALKMIM, J. K. (2011). Avaliação da qualidade ambiental urbana da bacia do ribeirão do Lipa através de indicadores, Cuiabá/MT. Revista Sociedade & Natureza, 23(1), 127–142.

DIAS, F. O desafio do espaço público nas cidades do século XXI. Arquitextos, São Paulo, ano 06, n. 061.05, Vitruvius, jun. 2005 Disponível em: <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/06.061/453>. 2005.

ENVI_MET. Disponível em: < https://www.envi-met.com/ >. 2020.

INMET – Instituto Nacional de Meteorologia. Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. Disponível em:< http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=home2/index >.

LOBODA, C. R., & Angelis, B. L. D. De. (2005). Áreas Verdes Públicas Urbanas: Conceitos, Usos E Funções. Ambiência, 1(1), 125–139. http://200.201.10.18/index.php/ambiencia/article/view/157/184

MASCARÓ, L.; MASCARÓ, J. Vegetação urbana. 2. ed., Porto Alegre (RS): Editora Mais Quatro, 2005.

MINAKI, C., & AMORIM, C. de C. T. (2007). Espaços Urbanos e Qualidade Ambiental - Um enfoque da Paisagem. Revista Formação, 1(14), 67–82. Disponível em: <http://www2.fct.unesp.br/pos/geo/revista/artigos/Minaki.pdf>.

MINDA, J. E. C. (2009). Os Espaços Livres Públicos e o contexto local: o caso da praça principal de Pitalito - Huila - Colômbia, [Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília]. Disponível em: < http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/4496/1/2009_JorgeEduardoCalderonMinda_orig.pdf>

MORA, M. A. R. (2009). Indicadores de calidad de espacios públicos urbanos, para la vida ciudadana, en ciudades intermedias. 53° Congreso Internacional de Americanistas, 21. Disponível em: <http://www.saber.ula.ve/bitstream/handle/123456789/33817/indicadores_calidadespacio.pdf;jsessionid=2225A183361DFB562EC2E846400CBF38?sequence=1>.

RAMOS, L. L. A. ; JESUS, L. A. N. Sistema de espaços livres de uso público: um estudo sobre o Grande Centro de Vila Velha. VIRUS, v. 14, p. 1, 2017.

ROBBA, F.; MACEDO, S. Praças brasileiras: public squares in Brazil. 3. ed. São Paulo: Edusp. 2010.

ROMERO, M. A. B. (2011). Correlação entre o microclima e a configuração do espaço residencial de Brasília. Paranoá: Cadernos de Arquitetura e Urbanismo, 5, 9–22. https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n5.2010.15488

SHINZATO, P. (2009). O impacto da vegetação nos microclimas urbanos. Universidade de São Paulo.

Downloads

Publicado

2022-05-31

Como Citar

de Oliveira, H. F., & Ramos, L. L. A. (2022). CONTRIBUIÇÃO DA PRAÇA PARA O MICROCLIMA URBANO. IX Sustentável, 8(3), 55–66. https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2021.v8.n2.1

Edição

Seção

Científica