CADEIAS PRODUTIVAS SUSTENTÁVEIS

Alexandre de Ávila Leripio, Daiana Censi Leripio

Resumo


 Este artigo apresenta uma adaptação das cinco dimensões da sustentabilidade adotadas por Sachs (1993) à estrutura organizacional aplicada ao negócio. Quanto à dimensão social, ressalta-se a ética para com os colaboradores e a comunidade; na dimensão econômica, prevê-se o alicerce financeiro necessário a continuidade do negócio; a dimensão ecológica, por sua vez, pauta-se na inserção equilibrada do negócio no ecossistema; a dimensão espacial indica a utilização racional dos recursos naturais disponíveis; e, por fim, na dimensão cultural, busca-se a valorização do capital intelectual das organizações. Com base nessa fundamentação teórica e na aplicação dos conceitos de Produção Mais Limpa (P+L); Design for Environment (DFE) para Produtos; Extended Product Responsability (EPR); Logística Reversa; e Zero Emissions Research Iniciative (ZERI) é proposta uma possível sequência de estágios voltados para o desenvolvimento de estratégias sustentáveis em cadeias produtivas, sendo eles: a) conformidade legal: atendimento pleno à legislação; b) conformidade normativa: atendimento às normas técnicas existentes; c) Gestão de riscos, Eficiência e Produtividade: com vistas à redução de riscos, custos e desperdícios; e d) Negócio Sustentável: estruturação da cadeira produtiva completa pautada na transparência. 


Texto completo:

PDF

Referências


ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 16.001:2012: Responsabilidade social - Sistema da gestão - Requisitos. Rio de Janeiro: ABNT, 2011.

ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 9.001:2008: requisitos. Rio de Janeiro: ABNT, 2008.

ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 14.001:2004: sistemas de gestão, especificação e diretrizes para uso. Rio de Janeiro: ABNT, 2004.

ALMEIDA, F. O bom negócio da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.

AMARAL, S. Sustentabilidade Ambiental, Social e Econômica nas Empresas: como entender, medir e relatar. 2 ed. São Paulo: Tocalino, 2005.

AMATO NETO, J. Os Desafios da Produção e do Consumo sob Novos Padrões Sociais e Ambientais. In: AMATO NETO, J. Org. Sustentabilidade e Produção: teoria e prática para uma gestão sustentável. São Paulo: Atlas, 2011.

BANDEIRA, A. A. Indicadores de Desempenho: instrumentos à produtividade organizacional. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2009.

BARROS, B. PRATES, M. O estilo brasileiro de administrar. São Paulo: Atlas, 1996.

BASSANI, P.; DE CARVALHO, M. A. V.. Pensando a sustentabilidade: um olhar sobre a Agenda 21. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 9, p. 69-76, jan./ jun. 2004.

BATALHA, M.O., Sistemas agroindustriais: definições e correntes metodológicas, In: BATALHA, M.O. et. al, Gestão Agroindustrial, São Carlos : Ed. Atlas, 1997. P.24-48.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Convenção sobre diversidade biológica. Brasília, 2000.

CALDAS, M. Santo de casa não faz milagre: condicionamentos nacionais e implicações organizacionais pela figura do “estrangeiro”. In: PRESTES MOTTA, F. C.; CALDAS, M. Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.

CHEHEBE, J.R.B. Análise do Ciclo de Vida de Produtos: Ferramenta Gerencial da ISO 14.000. Rio de Janeiro: Qualitymark. 1998.

CHING, H. Y. Gestão de estoques na cadeia de Logística Integrada. 3. ed. 5 reimpressão. São Paulo: Atlas, 2009.

CLARK, T.; GREATBATCH, D. Management Fashion as Image-Spectacle The Production of Best-Selling Management Books. Management Communication Quarterly, v. 17, n. 3, p. 396-424, 2004.

COLLINS, D. Management fads and buzzwords de Janeiro: Campus, 1989.

HABERMAS, Jürgen. Para o uso pragmático, ético e moral da razão prática. Estudos Avançados. 1989, vol.3, n.7, pp. 4-19.

HARRINGTON, J. Aperfeiçoando processos empresariais: estratégia revolucionária para o aperfeiçoamento da qualidade, da produtividade e da competitividade. São Paulo, MakronBooks, 1993.

HAWKEN, P.; LOVINS, A. B.; LOVINS, L. H. Capitalismo natural. Editora Cultrix, 1999.

HEY, E. The precautionary concept in environmental policy and law: institutionalizing caution. Georgetown International Environmental Law Review, Washington, nº 4, p. 303-312, 1992.

ISO International Organization for Standardization. ISO 31000:2009: Risk management -- Principles and guidelines. ISO/TMB, 2009.

JURAN, J.M. Juran na liderança pela qualidade: um guia para executivos. 2 ed. São Paulo: Pioneira, 1993.

KEINERT, T. M. M. Org. Organizações sustentáveis: utopias e inovações. São Paulo: Annablume, 2007.

KINLAW, D.C. Empresa competitiva e ecológica: estratégias e ferramentas para uma administração consciente, responsável e lucrativa. São Paulo, Makron Books, 1997.

LEITE, P. R. Logística reversa: meio ambiente e competitividade. 2 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.

LERIPIO, A. A. GAIA – Um Método de Gerenciamento de Aspectos e Impactos Ambientais. 2001. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis.

LIGTERINGEN, E. Caminhando e conversando: stakeholders, juntos, a caminho de uma economia verde. In: ALMEIDA, F. Org. Desenvolvimento susde

tentável 2012-2050: visão, rumos e contradições. Cap. 2. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

MACHADO, P. A. L. Direito ambiental brasileiro. 21 ed. São Paulo: Malheiros, 2013.

MAIA, C. M. As dimensões da sustentabilidade e a multifuncionalidade da agricultura familiar. In: II Seminário de Sustentabilidade do Centro Universitário Franciscano, 2007, Curitiba. Anais...Curitiba: FAE, 2007.

MANZINI, Ezio; VEZZOLI, Carlo. O desenvolvimento de produtos sustentáveis: os requisitos ambientais dos produtos industriais. São Paulo: Edusp, 2005.

MARTINE, G. O lugar do espaço na equação população/meio ambiente. Rev. bras. estud. popul. 2007, vol.24, n.2, p. 181-190.

MATURANA, H.; VARELA, F. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. São Paulo: Palas Athena, 2001.

MAZUR, L.; MILES, L. Conversas com os mestres da sustentabilidade. São Paulo: Gente, 2010.

MISSIAGGIA, R.R. Gestão de resíduos sólidos industriais - Caso da Springer Carrier. 2002. 127 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

MOURAD, A. L.; GARCIA, E. E. C.; VILHENA, A. Avaliação do Ciclo de Vida: Princípios e Aplicações. Campinas: CETEA/CEMPRE, 92p. 2002.

MUNCK, L.; SOUZA, R. B. de. O ecletismo do paradigma da sustentabilidade: construção e análise a partir dos estudos organizacionais. Revista de Ciências da Administração, v. 13, n. 29, p. 202-242, 2011.

OLIVEIRA, João Hélvio Righi de. M.A.I.S.: Método para avaliação de indicadores de sustentabilidade organizacional. 2002. 196 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Engenharia de Produção, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC.

OSHA Health and Safety Manual. OHSAS 18.001:2007: Health & Safety Standard. OSHA, 2007.

PAULI, G. Emissão Zero: A busca de novos paradigmas: O que os negócios podem oferecer à sociedade. Porto Alegre, EDIPUCRS. 1996.

PAULI, Gunter. Upsizing: como gerar mais renda, criar mais postos de trabalho e eliminar a poluição. Porto Alegre: Fundação Zeri Brasil, 1998.

PEDROZO, E. A.; HANSEN, P. B. Clusters, Filière, Supply Chain, Redes Flexíveis: uma Análise Comparativa. Revista Análise - PUCRS - FACE, Porto Alegre, v.12, n. 2, p. 7-19, 2001/2.

PIERCE, J. L.; NEWSTROM, J. W. A estante do administrador: uma coletânea de leituras obrigatórias. Porto Alegre: Bookman, 2002.

PIRES, M.de S. Construção do Modelo Endógeno, Sistêmico e Distintivo de Desenvolvimento Regional e a sua validação através da Elaboração e da Aplicação de uma Metodologia ao Caso do MERCOESTE. 2001. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis.

PRATES, G. A. (1998). Ecodesign utilizando QFD, métodos Taguchi e DFE. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1998.

RAMOS, G. Administração e contexto brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, 1983.

RIGOLA, M. R., Producción mas limpia, Fondo Gallego de Coopieración y Solidariedad, 1998, disponível em http://www.igadi.org/index.html Acessado em 28/04/2008.

SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2000.

SACHS, I. Estratégias de Transição para o Século XXI: Desenvolvimento e Meio Ambiente. São Paulo: Studio Nobel/Fundap, 1993.

SCHMIDHEINY, Stephan. Mudando o Rumo: Uma Perspectiva Empresarial Global sobre o Desenvolvimento e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1992.

SENGE, P. et al.. Learning for Sustainability. Massachusetts: The Society for Organizational Learning, 2006.

SENAI-RS. Implementação de Programas de Produção mais Limpa. Porto Alegre, Centro Nacional de Tecnologias Limpas SENAI-RS/UNIDO/INEP, 2003.

SERVA, M. Contribuições para uma teoria organizacional brasileira. Revista de Administração Pública, v. 24, nº 2, p. 10-21, 1990.

SILVA, G. E. do N e. Direito ambiental internacional: meio ambiente, desenvolvimentosustentável e os desafios da nova ordem mundial. 2 ed. Rio de Janeiro: Thex, 2002.

SIMÕES, J.C.P. A logística reversa aplicada à exploração e produção de petróleo. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção.

SLACK, Nigel et. al. Administração da produção. São Paulo: Atlas, 1997

TRÍAS DE BES, F.; KOTLER, P. A Bíblia da Inovação. São Paulo: Leya, 2011.

UNIDO/UNEP. Cleaner production assesment manual. Draft, 1995.

WARD, B.; DUBOS, R. Only One Earth: The Care and Maintenance of a Small Planet. Nova Iorque: Norton Company, 1972.

ZYLBERSZTAJN, D.; LINS, C. Org. Sustentabilidade e geração de valor: a transição para o século XXI. Rio de Janeio: Elsevier, 2010.




DOI: https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2015.v1.n1.142-159

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 MIX Sustentável