MEDIÇÃO DOS NIVEIS DE SOM EM APARELHOS REPRODUTORES DE MP3 E AVALIAÇÃO DOS RISCOS DE PERDA AUDITIVA

Sandra Kimie Miyazaki, João Cândido Fernandes

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi avaliar o nível de intensidade de som a que estão submetidos os usuários de aparelhos reprodutores de MP3 (incluindo celulares) e verificar os riscos de perda auditiva. A metodologia consistiu em avaliar os níveis sonoros de 25 aparelhos (e seus respectivos fones de ouvido), reproduzindo três tipos de músicas, instalados em uma cabeça artificial padronizada (ANSI S3.19-1974 e

ANSI S12.6/1997) e a um medidor de nível de pressão sonora. Os resultados foram comparados com os limites de exposição fixados pela Portaria 3.214/78 do Ministério do Trabalho e apresentaram níveis acima de 88 dB para o volume do aparelho em 50%; para o volume em 75%, a média da intensidade foi de 97 dB e, para 100% do volume, os níveis médios chegaram a 109 dB. Alguns aparelhos atingiram níveis de 121 dB.

A análise dos dados indicou que a maioria dos aparelhos oferece um grande risco de perda auditiva (para poucas horas diárias de exposição ao som), independentemente do ritmo da música, do tipo de aparelho, mesmo para um volume de 50%


Texto completo:

PDF

Referências


American National Standards Institute, 1974, ANSI S3.19-1974: “Method for the Measurement of Real-Ear Protection of Hearing Protectors and Physical Attenuation of Earmuffs”. New York: Acoustical Society of America.

American National Standard Institute, 1995, ANSI S 12.2 - Criteria for Evaluating Room Noise. New York.

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, 1987, “Níveis de Ruído para Conforto Acústico”, Rio de Janeiro: ABNT.

Brasil, Ministério do Trabalho, 1978, Portaria 3.214, Segurança e Medicina do Trabalho. NR 15.

Carmo, L. I. C., 1999, “Efeito do ruído ambiental no organismo humano e suas manifestações auditivas”. Monografia (Especialização em Audiologia Clínica) - Centro de Especialização em Fonologia Clínica, Goiânia. Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, 1992, “CETESB. L11.034 - Critérios de ruído para recintos internos de edificações”.São Paulo.

Fernandes, J.C., 2011, “Ruído e Vibrações” – Apostila do Curso de Especialização em Segurança do Trabalho – UNESP, Bauru, SP, Brasil. Acessada em fevereiro de 2012 no site: wwwp. feb.unesp.br/jcandido.

OMS, Organização Mundial da Saúde, 2010. Disponível em: http://www.who.int/countries/bra/es/. Acesso em: 03/02/2012.

Santos, U. P.; Santos, M.P., 2000, “Exposição ruído: efeitos na saúde e como preveni-los”. Ca¬derno de Saúde do Trabalhador. Instituto Nacio¬nal de Saúde no Trabalho, São Paulo.

Swensson, J. R. P.; Swensson, R. P.; Swensson, R. C., 2009, “Ipod, MP3 Players e a Audição”. Revis¬ta da Faculdade de Ciências Médicas de Soroca¬ba, v.11, n. 2, p. 4-5.

Wikipedia, 2010, “A Enciclopédia Livre”. Dispo¬nível em: http://pt.wikipedia.org. Acesso em: 03/02/2012.




DOI: https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2015.v1.n1.42-49

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 MIX Sustentável



 

Advanced Sciences

 
www.journal-index.org