FIXERS: CONTRACULTURA EM ASCENSÃO

Daniela Neumann, Rodolfo Rolim Dalla Costa, Jocelise Jacques de Jacques, Julio Carlos de Souza van der Linden

Resumo


Esta pesquisa consiste no estudo de grupos conhecidos como fixers. Apresentando como principal objetivo, descobrir, analisar e compreender a organização, missão, motivação e valores destes grupos, considerados atualmente como uma contracultura em franco desenvolvimento. Estes consertadores estimulam a prática de consertar produtos, promovendo encontros nos quais as pessoas levam seus objetos avariados para consertá-los gratuitamente, prolongando a sua vida útil e aprendendo a repará-los no caso de uma nova necessidade. Também são abordados temas como o consumo, a obsolescência e a sustentabilidade sob a perspectiva do design, para melhor compreender o aparecimento destes grupos. Esta pesquisa segue uma abordagem de caráter exploratório qualitativo, de natureza interpretativa e descritiva, sendo a coleta de dados feita por meio de um questionário aberto, obtendo a resposta de um grupo brasileiro e quatorze grupos estrangeiros de conserto. O estudo traz contribuições para o debate sobre a necessidade de reduzir a acelerada demanda de produção, consumo e obsolescência dos produtos. e a ocorrência de diversos impactos ambientais resultantes destes fatores. Colaborando com implicações teóricas para o campo do design, para o alcance de uma sociedade mais sustentável e o desenvolvimento de futuros projetos relacionado aos grupos fixers.


Palavras-chave


Design, consumo, contracultura, fixers, obsolescência

Texto completo:

PDF/A

Referências


ANDES. Café Conserto. Disponível em: Acesso em: 20 mar. 2018.

ANDRIOLI, Irineu; GALAFASSI, Ana. Styling: o design americano do século XX e seu legado para o mundo contemporâneo. P&D Design, Gramado, 2014.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2015.

_______. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BARBOSA, Lívia. Sociedade de consumo. Rio de Janeiro. Zahar, 2004.

CALLAPEZ, Maria E. Plásticos na sociedade portuguesa rural. Revista Brasileira de história e ciência, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 200-2010, jun. dez, 2010.

CAMPBELL, Colin; BARBOSA, Lívia (org.). Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: FVG, 2006.

CAPELAS, Afonso J. Que tal um café conserto?. Planeta Sustentável, 1 ago. 2014. Disponível em: Acesso em: 1 nov. 2017.

CARDOSO, Rafael D. Uma introdução à história do design. São Paulo: Blucher, 2008.

CELASCHI, Flaviano. Dentro al progetto: appunti di merceologia contemporanea. In: CELASCHI, F.; DESERTI, A. Design e innovazione: strumenti e pratiche per la ricerca applicata. Roma: Carocci Editore, pp. 15-56, 2007.

COOPER, Tim. Inadequate life? Evidence of consumer atitudes to product obsolescence. Journal of Consumer Policy, n. 27, p. 421-449, 2004.

DESERTI, Alessandro. Intorno al progetto: concretizzare l’innovazione. In: CELASCHI, F.; DESERTI, A. Design e innovazione: strumenti e pratiche per la ricerca applicata. Roma: Carocci Editore, pp. 57-121, 2007.

DESIGN APPLAUSE. American streamlined design. 2011. Disponível em: < https://designapplause.com/events/american-streamlined-design/12759/> Acesso em: 20 mar. 2018.

ELLEN MACARTHUR FOUNDATION. Growth Within: a circular economy vision for a competitive Europe. Cowes, Isle of Wight: Ellen MacArthur Foundation, 2015.

FEATHERSTONE, Mike. O desmanche da cultura: globalização pós-modernismo e identidade. São Paulo: Studio Nobel/SESC, 1997.

FERREIRA, Aurélio B. de H. Dicionário Aurélio da língua portuguesa. 5. ed. Curitiba: Positivo, 2010.

HESKETT, John. Desenho industrial. Rio de Janeiro: José Olympio, 1997.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de S.; FRANCO, Francisco M. de M. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

LEMOS, Manuel. Não jogue fora! Conserte e seja um consertador!. iMasters, 01 ago. 2014. Disponível em: < https://imasters.com.br/gerencia-de-ti/tendencias/nao-jogue-fora-conserte-e-seja-um-consertador/>. Acesso em: 31 outubro. 2017.

LIPOVETSKY, Gilles. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade do hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

_______, Gilles. O império do efêmero: a moda e seus destinos nas sociedades modernas. 4. reimpr. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

LÖBACH, Bernd. Design industrial: bases para configuração dos produtos industriais. São Paulo: Blucher, 2011.

MAGERA, Márcio. Os caminhos do lixo: da obsolescência programada à logística reversa. São Paulo: Átomo, 2013.

MALHOTRA, Naresh K. Pesquisa em marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MANZINI, Ezio. Design: environment and social quality: “Existenzminimum “to” quality maximum. Design, London, v. 10, n.1, p. 37-43, 1994.

MANZINI, Ezio; VEZZOLI, Carlo. O desenvolvimento de produtos sustentáveis: os requisitos ambientais dos produtos industriais. 1. Ed. 3 reimpr. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.

MARLET, Joaquim V. Diseño ecológico. Barcelona: Blume, 2005.

MCGRANE, Sally. Na effort to bury a throwaway culture one repair at a time. The New York Time, 8 maio 2012. Disponível em: < http://www.nytimes.com/2012/05/09/world/europe/amsterdam-tries-to-change-culture-with-repair-cafes.html?mcubz=0> Acesso em: 5 out. 2017.

MEAD, derrick. Designing for Repair: Things Can Be Fixed. 2012. Disponível em: Acesso em: 15 mar. 2018.

MONT, Oksana. Innovative approaches to optizing design and use of durable consumer goods. International Journal of Product Development, v. 6, n. 3-4, 2008.

MORAES, Dijon D. Metaprojeto: o design do design. São Paulo: Blucher, 2010.

NE SEATTLE TOOL LIBRARY. About us. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2018.

NEUMANN, Daniela. Fixers: contracultura em ascensão. 2015. Monografia (Graduação em Design) – Centro Universitário UNIVATES, Lajeado, 24 nov. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2018.

NOSSO FUTURO COMUM: comissão mundial sobre meio ambiente e desenvolvimento 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1991.

ONO, Maristela, M. Design e cultura: sintonia essencial. Curitiba: Edição da Autora, 2006.

OTELO OFFENES TECHNOLOGIELABOR. Another Record at Repair Café!. Disponível em: < http://www.otelo.or.at/standort/gmunden> Acesso em: 20 mar. 2018.

PACKARD, Vance. A estratégia do desperdício. São Paulo: Ibrasa, 1965.

PAES, Maria H. S. A década de 60: rebeldia, contestação e repressão política. 4 ed. São Paulo: Ática, 1997.

PAPANEK, Victor J. Design for the real world: human ecology and social change. Nova York: Random House, 1972.

PENCCIL. Streamlining. Disponível em: Acesso em: 20 mar. 2018.

PEREIRA, Carlos A. M. O que é contracultura. 2 ed. São Paulo: Brasiliense, 1984.

SANTOS, Agnaldo. Níveis de maturidade do design sustentável na dimensão ambiental. In: MORAES. D. (Org.); KRUCKEN, L. (Org.). Cadernos de estudos avançados em Design. Barbacena, MG: EdUEMG, 2009.

SLADE, Giles. Made to break: technology and obsolescence in America. Washington: Harvard, 2006.

SUDJIC, Deyan. A linguagem das coisas. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2010.

THACKARA, John. Plano B: o design e as alternativas viáveis em um mundo complexo. São Paulo: Saraiva, 2008.

TONON, Rafael. O mundo tem conserto. Revista Galileu, São Paulo, n. 271, p. 40-51, set. 2014.

VERBEEK, Paul. P.; KOCKELKOREN, Petran. The things that matter. Design Issue, v. 14, n. 3, out. 1998.

ZACAR, Cláudia R. H. Design e flexibilidade: estratégias para o gerenciamento da obsolescência de telefones celulares. Dissertação de mestrado em Design, Programa de Pós-graduação em Design, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2010.

Citações diretas dos grupos fixers

QUINTE REPAIR CAFÉ. Entrevista concedida a pesquisadora Daniela Neumann, em 6 out. 2015.

REPAIR CAFÉ-HUDSON VALLEY. Entrevista concedia a pesquisadora Daniela Neumann, em 2 out. 2015.

REPAIR CAFÉ PASADENA. Entrevista concedida a pesquisadora Daniela Neumann, em 1 out. 2015.




DOI: https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2018.v4.n3.31-46

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Daniela Neumann

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.