PASSIVHAUS APLICADO AO INSTITUTO DE ARTES LYGIA PAPE

Thaís Fernandes Vilela, Aline Silva Sauer, Sandra L. Moscon Coutinho

Resumo


Atualmente as crescentes demandas por energia configuram-se em um dos maiores problemas da construção civil, visto que a maior parcela do gasto energético parte justamente do uso e manutenção das edificações. Neste contexto, a Arquitetura Passiva tem sido aplicada no intuito de projetar ambientes termicamente confortáveis com menor gasto energético possível. Assim, esta pesquisa objetiva estudar a aplicação do conceito Passivhaus, e de seus preceitos fundamentais, no projeto arquitetônico do Instituto de Artes Lygia Pape, verificando a adaptação desta norma à zona bioclimática brasileira 8. A norma Passivhaus foi primeiramente empregada nos climas frios do norte da Europa, a partir da década de 1980, e vem sendo ao longo dos anos adaptada para os climas mais quentes. Neste artigo é apresentado o projeto arquitetônico proposto para o Instituto de Artes, junto aos recursos demandados para a melhor apropriação da norma ao clima da região brasileira pertencente a zona bioclimática 8, onde encontra-se a cidade de Vitória-ES. Por fim, os dados relativos ao desempenho térmico do edifício são obtidos através da ferramenta Passive House Planning Package (PHPP), esses resultados são confrontados com a referida norma e com a norma de desempenho térmico brasileira NBR 15220:2005. Como resultado observa-se a viabilidade de aplicação da norma alemã, com adequações as peculiaridades climáticas, a edificações localizadas na zona bioclimática brasileira 8. Além disso, ressalta-se que a aplicação dos princípios fundamentais desta norma em edificações brasileiras indica uma redução do gasto energético durante a fase de uso e manutenção da edificação.


Texto completo:

PDF/A

Referências


ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15220-3: Desempenho térmico de edificações – Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e estratégias de condicionamento térmico passivo para habitações de interesse social. Rio de Janeiro, 2005.

_____. NBR 15575: Edificações habitacionais — Desempenho. Parte 1: Requisitos Gerais — SVVIE. Rio de Janeiro: ABNT, 2013

COSTA, Sara Luísa P. G. da. Eficiência energética de edifícios: Conceito Passivhaus. Dissertação de mestrado, Engenharia do Ambiente, Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa. 2015.

CUNHA, Eduardo Grala da. Elementos de Arquitetura de Climatização Natural: Método projetual buscando a eficiência energética nas edificações. Porto Alegre: Masquatro Editora, 2006.

DALBEN, Renata. FREITAS, Juliana M. R. de. CUNHA, Eduardo Grala da. Conceito Passivhaus aplicado ao clima brasileiro. Revista da Arquitetura IMED. Janeiro a julho de 2015. Universidade Federal de Pelotas. Rio Grande do Sul.

FROTA, Anésia Barros. SCHIFFER. Sueli Ramos. Manual do Conforto Térmico: arquitetura e urbanismo. São Paulo: Studio Nobel, 2003.

FROTA, Anésia Barros. Geometria da Insolação / Anésia Barros Frota. São Paulo: Geros, 2004.

GAVIÃO, João Rui S. P. Princípios para a aplicação do conceito Passive House em Portugal. Dissertação de mestrado em Construção e Reabilitação Sustentáveis. Universidade do Minho, Escola de Engenharia. Novembro de 2012.

GURGEL, Mirian. Design Passivo – baixo consumo energético: guia para conhecer, entender, e aplicar os princípios do design passivo em residenciais / Mirian Gurgel. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2012.

LAMBERTS, R.; DUTRA, L.; PEREIRA, F. O. R. Eficiência energética na arquitetura. 2ª Edição, revisada. São Paulo: PW, 2014.

MORISHITA, Claudia et al. Catálogo de propriedades térmicas de paredes e coberturas. Laboratório de Eficiência Energética em Edificações. Florianópolis, 2011.

WASSOUF, Micheel. Da casa passiva à norma Passivhaus: A Arquitetura Passiva em climas quentes. Barcelona: Anman Gràfiques del Vallès, 2014.




DOI: https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2018.v4.n2.25-34

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Thaís Fernandes Vilela