ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE URBANA EM ÁREA CENTRAL DE CURITIBA (PR)

Pillar Muzillo, Cristina de Araújo Lima

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar as condições de acessibilidade urbana em recorte da área central do município de Curitiba-Paraná. A partir da revisão teórica sobre o tema, bem como o levantamento de dados em fontes públicas diversas, pôde-se constatar que a acessibilidade urbana não apenas é essencial ao desenvolvimento das atividades humanas, como também se encontra comprometida em diversos pontos da capital paranaense. Por meio da estratégia de Estudo de Caso, foi desenvolvida uma análise qualitativa das condições de acessibilidade urbana de uma das áreas de maior concentração de pedestres do município, priorizando-se aspectos físicos de passeios e guias rebaixadas, tais como regularidade, largura disponível para passagem e inclinações transversal e longitudinal. A partir dos resultados obtidos, pôde-se concluir que a realidade estudada não oferece as condições necessárias para ser considerada acessível, podendo prejudicar pessoas em diferentes condições de saúde.


Palavras-chave


Acessibilidade urbana, Passeios, Área central, Curitiba

Texto completo:

PDF

Referências


MUZILLO, P. Condições de acessibilidade urbana em passeios: análise de recorte da área central de Curitiba-Paraná. Dissertação de mestrado em Engenharia de Construção Civil. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2016.

Organização Mundial da Saúde (OMS). World report on disabilities. Disponível em: . Acesso em 31.mai.2017.

MASCARÓ, J.L. YOSHINAGA, M. Infra-estrutura urbana. 1ª. ed. Porto Alegre, Masquatro Editora, 2005.

SASSAKI, R. K. Inclusão: acessibilidade no lazer, trabalho e educação. In: Revista Nacional de Reabilitação (Reação). São Paulo, Ano XII, mar./abr. 2009, p. 10-16.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT): NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Disponível em: . Acesso em 30.mai.2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Censo demográfico 2010: Características urbanas do entorno dos municípios. IBGE, Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: . Acesso em: 05.ago.2015.

IBGE. Cidades. Disponível em: . Acesso em 28.mai.2017.

SECRETARIA DO GOVERNO MUNICIPAL. Relatório Acessibilidade – protocolos. Curitiba, 2015. Documento obtido por e-mail.

LARRAÑAGA, A. M. Análise do padrão comportamental de pedestres. Dissertação de mestrado. Programa de pós-graduação em Engenharia de Produção da UFRS. Porto Alegre, 2008. Disponível em: < https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/15294/000677736.pdf?sequence=1>.

GEHL, J. La humanización del espacio urbano. 5ª ed. Barcelona, Editorial Reverté S.A, 2009.

LAVERY, I. DAVEY, S. WOODSIDE, A. EWART, K. The vital role of street design and management in reducing barriers to older peoples’ mobility. In: Landscape and Urban Planning. vol.35, nº. 2 e 3. P. 181-192. Elsevier, 1996. Disponível em: . Acesso em: 25.abr.2015.

HALDEN, D. The use and abuse of accessibility measures in UK passenger transport planning. Disponível em: . Acesso em: 10.mai.2016.

HANDY, S. L., BOARNET, M. G., EWIG, R., KILLINGSWORTH, R. E. How the built environment affects physical activity: views from urban planning. In: American Journal of Preventive Medicine. N.º 23, vol. 2. p. 64 – 73. Elsevier Science, 2002. Disponível em: . Acesso em: 21.jun.2017.

GRANT, B. Getting to great places: how better urban design can strengthen San Jose’s future. In: Spur report. San jose, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20.abr.2016

LAVEY, J. HILL, J. What is walkability?. Disponível em: . Acesso em 20.abr.2016.

International Federation of Pedestrians (IFP), International Charter for Walking, 2006. In: WALK21 International Conference, 2006. Disponível em: < http://www.walk21.com/>. Acesso em: 21.jun.2017.

MACE, R. L. Ronald L. Mace. Disponível em: . Acesso em: 06.out.2014

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Implementação do Decreto nº..296/04 para a construção da cidade acessível. In: Programa brasileiro de acessibilidade urbana – Brasil acessível. Caderno 3. Disponível em: < http://www.faders.rs.gov.br/uploads/1310575361BrasilAcessivelCaderno03.pdf >. Acesso em: 22.set.2015.

IMRIE, R. Universalism, Universal Design and equitable Access to the built environment. In: Disability & Rehabilitation, n. º34, vol.10, Informa UK, 2012. Disponível em: < 10.3109/09638288.2011.624250 >. Acesso em 29.fev.2015.

MOBILIZE.ORG. Divisão modal (%) cidades. Disponível em: . Acesso em: 13.out.2015

BCSSA (British Columbia School Safety Association) /BCPSEA (British Columbia Public School Employer’s association)/WCB (Workers’ Compensation Board of British Columbia): Expert panel on reducing the number of slips/falls is school districts facilities. Columbia, 2004. Disponível em: . Acesso em: 21.jun.2017.

KANE, G, HEANEY, G, EWART, K, MCALISTER, B. Developing an accessibility appraisal model for the external environments of housing estates. In: Facilities, vol. 20, nº. 3/4, p.104-112. Emerald Sight, 2002. Disponível em: . Acesso em: 01.jul.2015.

YABIKU, L. Pedestre: modalidade de transporte na cidade - uma visão ergonômica. Tese de doutorado. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, área de Tecnologia da Arquitetura. São Paulo, 2006. Disponível em: <10.11606/T.16.2006.tde-18112010-114629>. Acesso em: 21.jun.2017.

PEREIRA, R., SILVA, R., FONSECA, N. A calçada portuguesa. Disponível em: < http://www.archdaily.com.br/br/763989/a-calcada-portuguesa>. Acesso em: 05.fev.2016.

VICENTE, M. X. Petit-pavé é a pedra da discórdia do calçamento curitibano: especialistas mostram argumentos contrários e a favor do revestimento que virou polêmica em Curitiba. In: Gazeta do Povo. Disponível em: < http://www.gazetadopovo.com.br/vida-ecidadania/petit-pave-e-a-pedra-da-discordia-do-calcamento-curitibanoa8zv7row1phqlxkmse5i2lk5q>. Acesso em: 17.ago.2015

ROBSON, C. Real world research: a resource for social scientists and practitioner-researchers. 2 ed. Malden: Blackwell Publishers, 2002.

YIN, R. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2 ed. Bookman, Porto Alegre, 2010.

NEWMAN, P.W.G. Cities and automobile dependence: a sourcebook. Gower, Aldershot In: COOKE, S. BEHRENS, R. A comparative analysis of the relationship between public transport and land use characteristics. In: Proceedings of the 33rd Southern African Transport Conference (SATC, 2014). Pretoria, CE Projects, 2014. Disponível: . Acesso em: 21.jun.2017.

IPPUC. Bairros mais densos de Curitiba. In: Análise do Censo. Disponível em: . Acesso em: 31.mai.2017.

MOUDON, A. V., HESS, P. Suburban Clusters. In: Journal of the American Planning Association, V. 3, n. 3. P.46-55. Taylor & Francis, 1999. Disponível em:< http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/01944360008976105>. Acesso em 31.mai.2017.

CURITIBA. Lei Ordinária nº. 11.266/2004: "Dispõe sobre a adequação do Plano Diretor de Curitiba ao Estatuto da Cidade - Lei Federal nº 10.257/01, para orientação e controle do desenvolvimento integrado do Município". Disponível em: . Acesso em: 21.jun.2017.

URBANIZAÇÃO DE CURITIBA S/A (URBS). Itinerários. Disponível em: . Acesso em 21.jun.2017.

DUARTE, C. R., COHEN, R. Proposta de metodologia de avaliação da acessibilidade aos espaços de ensino fundamental. In: Anais NUTAU 2006: Demandas Sociais, Inovações Tecnológicas e a Cidade. São Paulo, USP: 2006. Disponível em: . Acesso em: 21.jun.2017.

MACHADO, M. H., LIMA, J.P. Avaliação multicritério da acessibilidade de pessoas com mobilidade reduzida: um estudona região central de Itajubá (MG). In: Urbe: Revista Brasileira de Gestão Urbana. V. 07, nº. 03. Set/dez. 2015. Disponível em: . Acesso em 30.mai.2016.

SECRETARIA ESPACIAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA (SEDPcD). Entrevista concedida a Pillar Muzillo. Curitiba, 29 abril. 2015.




DOI: https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2018.v4.n1.28-39

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 MIX Sustentável