A BELEZA SECA: ASPECTOS DO PAISAGISMO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO

Manoel Messias Coutinho Meira, Christiane Rayana Teixeira Silva, Lara de Oliveira Carvalho, Matheus Dutra Brasil, Marília Aguiar Rodrigues, Polyane Alves Santos

Resumo


A conservação dos escassos recursos hídricos na região Nordeste do Brasil exige um programa de gerenciamento mais eficiente. A má distribuição pluvial na localidade, a urbanização e as secas periódicas intensificam a demanda por água. Entretanto, a ocupação urbana ainda modifica a morfologia espacial sem se atentar para o potencial paisagístico natural, enquanto busca reproduzir padrões estéticos externos e distintos. Diante disso, faz-se necessária a percepção da urgência de minimizar o desperdício de água. Remodelar a paisagem através de planejamento e modificações adequadas não só ajudam a reduzir seu consumo, mas também os custos com sua manutenção. Nesse sentido, o presente trabalho apresenta soluções paisagísticas mais eficientes em termos de economia hídrica e combate à desertificação na região semiárida brasileira. Técnicas como ordenamento da flora por necessidade de água, elaboração de oásis artificiais, utilização de mantas e quebra-ventos demonstram eficiência quando aliados aos mecanismos de sobrevivência inerentes à vegetação nativa.


Palavras-chave


Crise hídrica; Paisagismo; Semiárido

Texto completo:

PDF/A

Referências


CAFFÉ, G. Praça Maria Auxiliadora. 2011. Disponível em: . Acesso em 16 jan. 2017.

FRANÇA, F. M. C.; OLIVEIRA, J. B. Quebra-ventos na propriedade agrícola. Cartilhas temáticas - tecnologias e práticas hidroambientais para convivência com o Semi-árido, Fortaleza, p. 21, 2010.

HALEY, P. Creating a Lush Desert Oasis in the Urban Landscape. 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2017.

HEIGHTOWER, S. Xeriscape. UC Master Gardener Program of Sonoma County. Universidade da Califórnia. Disponível em: . Acesso em 16 mar. 2017.

LIMBERGER, L. R. L.; SANTOS, N. R. Z. Caderno Didático Paisagismo 1. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, mar. 2000. 63 p.

MACEDO, S. S. O paisagismo moderno brasileiro – Além de Burle Marx. Paisagens em debate, São Paulo, n. 1, out. 2003.

MAGALHÃES, T. Caatinga, ecossistema heterogêneo. IHU On-Line - Revista do Instituto Humanitas Unisinos, São Leopoldo, n. 389, p. 11-13, abr. 2012.

MAGRI, R. Jardim de Pedras. 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2017.

PEREIRA, V. A produção de imagens no Brasil e sua relação com a estética europeia: do neoclássico aos modernos de 1922. Plural: revista do programa de pós-graduação em sociologia, Tubarão, v. 1, p. 7, 2009.

TACHIZAWA, T.; MENDES, G. Como fazer monografia na prática. 12ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

VIERO, V. C.; BARBOSA FILHO, L. C. Praças públicas: origem, conceitos e funções. In: Jornada de Pesquisa e Extensão. Anais... ULBRA. Santa Maria, p.1-3, 2009.




DOI: https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2017.v3.n2.108-113

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 MIX Sustentável