COMPACIDADE DOS ESPAÇOS ARQUITETÔNICOS

Fernando Barth, Luiz Henrique Vefago, Cláudia Vasconcelos

Resumo


A maioria da população do mundo vive em cidades, segundo as Nações Unidas (2015), fazendo o estudo da densidade urbana de grande importância. Por outro lado, o número de edifícios altos aumentou acentuadamente nos grandes centros urbanos, como o de São Paulo que atualmente tem cerca de 12 milhões de habitantes, apresentando um processo de construção verticalizada e , ao mesmo tempo, uma redução significativa nas áreas construídas per capita. Grande parte da população opta por unidade de habitação compacta, buscando uma boa localização com infraestrutura e serviços que incrementam a qualidade de vida. Apartamentos com menor áreas privadas em locais mais qualificados são resultados da formação de famílias com menos filhos ou de família com idosos,  que buscam modelos mais adequados para a vida em grandes centros metropolitanos. Este processo de verticalização tem produzido um aumento na compacidade das unidades habitacionais, o que pode reduzir a funcionalidade arquitetônica e a satisfação do usuário. Neste âmbito, o Índice de Compacidade é um dos indicadores mais úteis para avaliar o quanto o projeto de um espaço pode estar longe do perímetro mais econômico, aquele determinado por suas paredes externas. É comum se adotar as áreas construídas como determinantes do custo da construção, esquecendo-se que o custo é uma função também das quantidades de paredes, materiais e revestimentos empregados. Neste contexto, o trabalho busca mostrar que a compacidade deve ser analisada de forma tridimensional, pois determina o desempenho do espaço interno, como o sistema de ar condicionado, a eficiência energética e o custo das divisórias internas e dos materiais utilizados. Por fim, busca-se estabelecer um método para determinação do índice de compacidade espacial. Os resultados mostram que espaços pequenos e compactos tendem a induzir funções sobrepostas, o que pode agravar os conflitos de uso. Tais espaços requerem um design detalhado que permita usos simultâneos e diferentes para ser adaptado às novas necessidades e aos perfis dos usuários contemporâneos.


Palavras-chave


arquitetura, compacidade, funcionalidade

Texto completo:

PDF PDF

Referências


ABECIP- Associação brasileira das entidades de crédito imobiliário e poupança. https://www.agenciadocredito.com.br/conheca-mais-o-sbpe-sistema-brasileiro-de-poupanca-e-emprestimo.

ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas NBR 12721. Norma Técnica de elaboração de custos da construção civil. Rio de Janeiro. 2016.

Almeida, M. O desejo de desmaterialização da arquitetura: a plasticidade como processo. Revista de pesquisa em arquitetura e urbanismo. Programa Pós-graduação Instituto de Arquitetura e Urbanismo, n.14, 2011.

Barth, R. Resource Furniture. http://www.lifeedited.com/we-talk-to-ron-barth-of-resource-furniture/ Em 18.12.2013.

Barth, R. https://www.youtube.com/watch?v=dAa6bOWB8qY. Em 18.12.2014.

Barth, F. e VEFAGO, L.M. Tecnologia de Fachadas Pré-fabricadas. Florianópolis, Editora da UFSC. 2016.

Depecker, P.; Menezo, C.; Virgone, J.: Lepers, S. Design of buildings shape and energetic consumption. Building and Environment, Elsevier, v. 36, 2001, 627–635.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sinopse do Censo Demográfico 2010.

Kisnarin, R. Functionality and adaptability of low cost apartment space design a case of surabaya indonesia. Netherlands. 2015.

Kisnarin,R. et all. Importance of lifespan inclusion in low cost apartment design in developing countries. International Symposium of Developing Economies. CIB 107. P. 428-436. Penang. Malasia. 2009.

Lin, M.; Pan, Y.; Long, weiding, Chen; Weizhen. Influence of Building Shape Coefficient on Energy Consumption of Office Buildings in Hot-Summer-and-Cold-Winter Area of China. School of Mechanical Engineering, Tongji University, Shanghai. 2014.

Marciotto, M. Impact of city verticalization on surface urban energy budget- A modeling study. The International Conference Urban Climate. Yokohama. 2009.

Mariani, A. Mercado de imóveis ultracompactos. Revista construção. Mercado Negócios de Incorporação. N 153. Editora PINI. São Paulo. 2014.

Mascaro, J.L. O custo das decisões arquitetônicas no projeto de hospitais. Série Saúde & Tecnologia Brasília, Ministério da Saúde. 1995.

NBE-CT. Condiciones Térmicas de los Edifícios. Norma Básica de la Edificación.Madri,1979.

NRE-POLI. Perspectivas para o Setor do Real Estate Brasileiro 2014.Comitê de Mercado. Núcleo Real State. Escola Politecnica da Universidade de S.Paulo. 2014.

Oliveira, M; Lantelme, E; Formoso, C. Sistema de Indicadores de Qualidade e Produtividade da Construção Civil. Manual de Utilização. Sinduscon, P. Alegre, 1993.

Pacheco, E. Análise da participação da iniciativa privada na potencial solução do déficit habitacional. Universidade Federal do Ceara. Fortaleza. 2008.

SECOVI-SP. Pesquisa do Mercado Imobiliário. Departamento de Economia e Estatística. Sindicato da Habitaçao SP. Sao Paulo. 2016.

UNITED NATIONS. Revision of World Population Prospects. Final Report. The Department of Economic and Social Affairs. New York. 2015.

Vasquez, C. El diseño del sistema de cerramiento. Cuadernillo de la técnica. ARQ. Número 82. Dezembro de 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4067/S0717-69962012000300017 Em: 01.09.2016.




DOI: https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2017.v3.n1.100-108

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 MIX Sustentável