TRATAMENTOS PRESERVANTES NATURAIS DE MADEIRAS DE FLORESTA PLANTADA PARA A CONSTRUÇÃO CIVIL

Rodrigo Vargas Souza, Alexandra Lima Demenighi

Resumo


Nos últimos anos devido à escassez de espécies nativas resistentes à deterioração biológica cresce o uso de espécies de rápido crescimento provenientes de florestas plantadas, como algumas espécies Pinus e Eucaliptos. Estas espécies possuem pouca ou nenhuma resistência ao ataque de agentes xilófagos e necessitam de tratamentos preservantes. Os produtos preservantes, como o arseniato de cobre cromatado (CCA) e o borato de cobre cromatado (CCB), utilizados atualmente possuem elevado grau de toxicidade, trazendo potenciais riscos para a saúde humana e para o meio-ambiente. Assim, há uma crescente necessidade de desenvolver produtos preservastes não tóxicos para os seres humanos e para o meio ambiente. Neste sentido, este artigo se propõe a estudar os tratamentos preservastes naturais como alternativa para substituir o uso dos preservantes químico-sintéticos.


Palavras-chave


preservantes naturais; madeira de floresta plantada; agentes xilófagos

Texto completo:

PDF

Referências


BARILLARI, C. T. Durabilidade da madeira do gênero pinus tratada com preservantes: avaliação em campo de apodrecimento. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo – USP. Piracicaba, 2002.

BOSSARDI, K. Tall oil e seus subprodutos: alternativas como preservantes para madeira. Tese de doutorado – UNESP Universidade Estadual Paulista, Guaratinguetá, 2014.

BUAINAIN, A. M.; BATALHA, M. O. Cadeia produtiva de madeira. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA. Brasília, 2007.

CANADIAN WOOD COUNCIL. Energyand the Environment in Residential Construction. Ottawa, Ontario, Canadá, 2004.

CAVALCANTE, M. S. Implantação e desenvolvimento da preservação de madeiras no Brasil. Pesquisa e Desenvolvimento, São Paulo, v. 14, p. 1-57, 1983.

COSTA, L. A. M.; THORNE, B. Iscas e outras metodologias alternativas para o controle de cupins. Em: BERTI FILHO, E. ; FONTES, L. R. Aspectos atuais da Biologia e Controle de Cupins. Piracicaba: FEALQ, p. 89-94. 1995.

FAGUNDES, H. A. V. Produção de madeira serrada e geração de resíduos do processamento de madeira de florestas plantadas no Rio Grande do Sul. Dissertação de mestrado - UFRGS. Porto Alegre, 2003.

GOMES, C. F. Planta Neem. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2004.

FONTES, L. R.; MILANO, S. Cupim e cidade: implicações ecológicas e controle. São Paulo: Editora do autor, 2002.

FURTADO. E. L. Microorganismos manchadores da madeira. Instituto de pesquisa e estudos florestais. Serie técnica IPEF - Cap. 10. 2000.

GONZALO, A. C.; MILANO, S. Avaliação da durabilidade natural da Madeira e de produtos usados na sua proteção. Manual de Preservação de Madeiras. São Paulo: IPT, 1989.

HUNT, G. M.; GARRAT, G. A. Preservación de la Madera. Madrid: Salvat, 486p. 1961.

LELIS, A. T. Insetos deterioradores de madeira no meio urbano. Instituto de pesquisa e estudos florestais. Serie técnica IPEF - Cap. 9. 2000.

LEPAGE, E. Química da Madeira. Em: Manual de Preservação de Madeiras. Vol. 1, Cap. IV, São Paulo: IPT, 1989b.

LEVY, J.S. Fundamental recorde in wood preservation. Lectures deliveed to the thirty-sixth session of the timber comunittee. 1979.

KATZ, S. A.; SALEM, H. Chemistry and toxicology of building timbers pressure-treated with chromated copper arsenate: a review. Journal of Applied Toxicology 25, pp. 1-7. Wiley InterScience, 2005.

KOLLMAN, F.F.P. e CÔTE,Jr. W.A. Principles of wood science and technology. Solid Wood. Berlim, Springer-Verlag. 1968. 552 p.

MACHADO, G. O. et al. Preservante natural de madeira para uso na construção civil. Minerva – Pesquisa e Tecnologia.

MENDES, A. S; ALVES, M.V.S. A degradação da madeira e sua preservação. Brasília: IBDF/DPq – LPF, 1988. 58p.

MORESCHI. J. C. Biodegradação e preservação da madeira. Departamento de engenharia e tecnologia da UFPR. 4 edição. Abril de 2013.

MULLER, D. G. Arquitectura Ecológica: 29 ejemplos. São Paulo, Paralaxe: 2005.ONUORAH, E. O. The wood preservative potenctials of heartwood extracts of Milicia excelsa and Erythrophleum suaveolens. Bioresource Technology. v.75, p. 171-173. 2000.

PAES, J.B.; Souza A.D.; Lima C.R.; Medeiros Neto P.N. Eficiência dos óleos de nim e mamona contra cupins xilófagos em ensaio de alimentação forçada. Cerne 2010; 16(1): 105-113.

SBEGHEN-LOSS, A. C. Bioatividade da cera industrial de lima-ácida (Citrus latifolia Tanaka) sobre Cryptotermes brevis Walker. Tese de Doutorado. Universidade de Caxias do Sul - UCS. Caxias do Sul, 2008.

SBEGHEN, A. C. Potencialidades de utilização de óleos essenciais de plantas aromáticas para o controle de Cryptotermes brevis. Dissertação de Mestrado. Universidade de Caxias do Sul - UCS. Caxias do Sul, 2001.

SILVA, J. de C. Madeira preservada – os impactos ambientais. Revista da Madeira, Edição n° 100. Viçosa, 2006.

SIMÕES, C.M.O.; et al. Farmocognosia da planta ao medicamento. Porto Alegre/Florianópolis: Editora Universidade (UFRGS), 2001.

STUMPP, E.; et al. Avaliação de sustentabilidade e eficácia de tratamentos preservantes naturais de madeiras de florestas plantadas no RS para o controle do cupim. Ambiente Construído, Porto Alegre, 2005.

SOUZA, R. V. Aspectos ambientais e de custo de produção do sistema plataforma em madeira para habitação de interesse social: estudo de caso em Florianópolis. Dissertação de mestrado – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2013.

STUMPP, E. Tratamento preservantes naturais de madeiras de floresta no Rio Grande do Sul para o controle do cupin-de-madeira seca – cryptotermea brevis. Tese de Doutorado de mestrado - UFRGS. Porto Alegre, 2001

THOMASSON, G. et al. Wood Preservation and wood products treatment – training manual. Oregon State University, 2006.

YUBA, A. N. Cadeia produtiva de madeira serrada de eucalipto para produção sustentável de habitações. Dissertação de mestrado - UFRGS. Porto Alegre, 2001.

ZIGLIO, A. C. Oleoresina de capsaicina como preservante natural de madeira de Pinus sp. Contra a ação de fungos de podridão branca e de podridão mole. Tese de Doutorado. Instituto de Física de São Carlos, Escola de Engenharia de São Carlos. São Carlos, 2015.




DOI: https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2017.v3.n1.84-92

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 MIX Sustentável