COCRIAÇÃO E GESTÃO DE DESIGN EM PEQUENAS EMPRESAS RURAIS E PESQUEIRAS: UMA ABORDAGEM SUSTENTÁVEL

Giancarlo Philippi Zacchi, Eugênio Andrés Díaz Merino, Giselle Schmidt Alves Díaz Merino

Resumo


A agricultura familiar apresenta-se pujante nas últimas décadas e seu desenvolvimento aponta para outros desafios nas questões ambientais e de relacionamento com o mercado. Contudo, mesmo diante de tantas facilidades tecnológicas, econômicas e políticas, essas empresa encontram dificuldade para comercializar seus produtos. Neste panorama a gestão de design se defronta em um contexto para propor soluções a esses desafios, por meio de processos de cocriação. O objetivo é identificar por meio da gestão de design, formas de se agir intencionalmente com a abordagem da cocriação para promoção da sustentabilidade, mais ao mesmo tempo preocupa-se com a identificação da produção de seus aspectos e impactos ambientais. Este artigo caracteriza-se como uma pesquisa de natureza aplicada, com objetivo exploratório, abordagem qualitativa, com procedimento metodológico documental e bibliográfico. Como resultados aponta-se que a cocriação até o presente momento, para os casos estudados, trouxe benefícios; que na agricultura familiar a abordagem deve levar em conta aspectos fitossanitários, climáticos e sazonais e que estudos devem ser estimulados, com a finalidade de ampliar este escopo teórico para que essa abordagem, mediada pela prática da gestão de design contribua para o desenvolvimento sustentável na práxis produtiva e gerencial e que a abertura de um canal de comunicação entre os clientes e mais de um produtor rural, aplicando um ou mais modelos apresentados neste artigo, por exemplo, deve ser aplicado para que avaliações comparativas possam ser efetuadas e hipóteses levantadas, confirmadas ou não

Palavras-chave


Gestão de design; Cocriação; Sustentabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


ARNOULD, E. J.; PRICE, L.; MALSHE, A. Toward a cultural resource based theory of the customer in the service dominant logic of marketing: dialog, debate, and directions. New York: ME Sharp, p. 91-104, 2006.

ASSINATURA VISUAL CIRCO DE SOLEIL. Disponível em https://en.wikipedia.org/wiki/Cirque_du_Soleil. Acesso em 03 de novembro de 2016.

ADMINISTRADORES.COM. Co-criação como modelo de engajamento do cliente: fiat e nike mostram cases criados com informações do consumidor. Disponível em http://www.administradores.com.br/. Acesso em 03 de novembro de 2016.

AUSTIN, James E. ; REAVIS, Cate. Starbucks e conservation international. Havard Business School. setembro de 2002.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Plano safra da agricultura familiar: alimentos saudáveis para o campo e a cidade. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2016.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Dados internacionais. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário. Disponível em http://www.agricultura.gov.br/internacional. Acesso em 01/ novembro de 2016ª.

BARROS, Jose Roberto Mendonca de. A agropecuária brasileira é um sucesso: prolegômenos. In.: BUAINAIN, Antônio Márcio; ALVES, Eliseu; ZANDER, SILVEIRA, José Maria da; NAVARRO, Zander. O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília: Embrapa, 2014.

BARBARÁ, Saulo. Gestão por processos: fundamentos, técnicas e modelos de implementação: foco no sistema de gestão de qualidade com base na ISO 9000:2000. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2006.

BANDEIRA, Anselmo Alves. Avaliação de desempenho: uma abordagem estratégica em busca da proatividade. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2007.

BUAINAIN, Antônio Márcio, ALVES, Elizeu; SILVEIRA, José Maria da; NAVARRO, Zander. O mundo rural no Brasil do Século XXI: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília: EMBRAPA, 2014.

CONCEIÇÃO, Júnia Cristina P. R. da. Política de comercialização agrícola no Brasil. In.: GRISA, Cátia; SCHNEIDER, Sérgio. Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2015.

CHMIELEWSKA, Danuta; SOUZA, Darana; LOURETE, Acácio Alvarenga. O programa de aquisição de alimentos da agricultura familiar (PAA) e as práticas dos agricultores participantes orientadas ao mercado: estudo de caso no Estado de Sergipe. IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada. Brasília: IPEA, 2010.

CARVALHO JÙNIOR, Antônio Ferreira de. Ambientalismo superficial ou ecologia profunda? São Paulo: Arte e Ciência, 2004.

CERQUEIRA, J. P. de. ISO 9000, no ambiente da qualidade total. Rio de Janeiro: Imagem, 1994.

COSTA, Daniel Ferreira da. Co-criação: uma perspectiva do consumidor. Dissertação de mestrado. Faculdade de Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto: USP: Ribeirão Preto, 2013, 162 p.

CASTEIÃO, A L. & LANDIM, P. C. Quatro modelos de Gestão Organizacional comprovando a qualidade por meio do Design. Bauru: Congresso Internacional de Pesquisa em Design – CIPED, 2009.

DELONG, Thomas J.; VIJAYARAGHAVAN, Vineeta. Cirque du solei. Havard Business School. Abril de 2006.

DAFT, Richard L. Administração. São Paulo: Thomson Learning, 2005.

DAVILA, Tony; EPSTEIN, Marc J.; SHELTON, Robert. As regras da inovação. Porto Alegre: Bookman, 2007.

DORNELAS, Empreendedorismo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

DELL. JORNAL DO COMÉRCIO. Cocriação envolve clientes e empresa. Jornal do comércio, 30 de julho de 2010: Porto Alegre. Disponível em http://jcrs.uol.com.br/. Acesso em 03 de novembro de 2016.

FAO. Food and agriculture Organization of the United Nations. Towards stronger: family farms: voices in the international year of family farming. FAO: Rome, 2014.

FIGUEIREDO, Luiz Fernando Gonçalves de; MERINO, Eugenio; MUNIZ, Marco Ogê; MERINO, Giselle. Aplicação do design em casos de Inovação social do Estado de Santa Catarina, Brasil. In.: 5º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. Gramado – RS. P. 2-12, 2014.

FERGUSON, Marilyn. A conspiração aquariana. São Paulo: Record, 1991.

FERRARI, Dilvan Luiz, et all. Agroindústrias familiares: estratégias e desafios da inserção mercantil em Santa Catarina. In.: ESTEVAN, Dimas de Oliveira, MIOR, Luiz Carlos. Inovações na agricultura familiar: as cooperativas descentralizadas em Santa Catarina. Florianópolis: Insular, 2014.

GARCIA, Lucas José. A importância do design na viabilização de embalagens para uma micro e pequena empresa da maricultura. In.: 11º Congresso Internacional de Pesquisa em Design. Bauru – SP. P. 1510-1516, 2009.

GRILLO, Tito Luciano Hermes et all. Analysis of effect of customer citizenshio behavior on repurchase intention. In.: Revista de Ciências da Administração. v.16, n.40, p. 156-172, dez, 2014.

HIL, Charles W.L. e JONES, Garet. O essencial da administração estratégica. São Paulo: Saraiva, 2013.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Turbulência global não tem prazo para terminar. In.: Revista de Informações e Debates. Ano 13, edição 87, 2016. Disponível em http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&view=article&id=3278&Itemid=8. Acesso em 01 de novembro de 2016.

KOTLER, Philip. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. São Paulo: Atlas, 1998.

LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Qualidade total em serviços: conceitos, exercícios e casos práticos. São Paulo: Atlas, 2008.

MERINO, Giselle Schmidt Alves Díaz. A contribuição da gestão de design em grupos produtivos de pequeno porte no setor da maricultura: o caso AMPROSUL. 2010. 146f. Dissertação (Mestrado em Design Gráfico) - Programa de Pós-Graduação em Design e Expressão Gráfica, UFSC, Florianópolis, 2010.

MATOS, S.; et all. Inserção do design em micro e pequenas empresas: elaboração de um mapa estratégico. Revista Estudos em Design, Nº 2, Vol. 22, 2014. [S. n P.]. Disponível em http://www.eed.emnuvens.com.br/design/issue/view/16. Acesso em 22 de set. de 2015.

MUNIZ, Marco Ogê; SANTOS, Agnaldo dos Santos. A pesquisa em design para o comportamento sustentável: desafios e lacunas. In.: Revista Mix Sustentável. V.1, n.1 – p. [?], 2015.

MONTIBELLER FILHO, Gilberto. O mito do desenvolvimento sustentável: meio ambiente e custos sociais no moderno sistema produtor de mercadorias. Florianópolis: Editora da UFSC, 2004.

MALAGUTI, Cyntia. Design e valores: materializando uma nova cultura. In: ENSUS, 2008. II Encontro de sustentabilidade em projeto. Vale do Itajaí. 9, 10 e 11 de abril de 2008.

MERINO, E. Valorização da produção de grupos produtivos de pequeno porte vinculados à sua origem, com base na competitividade, diferenciação e sustentabilidade. Projeto internacional de pesquisa, 2008.

MARQUES, Luciana. O processo de implementação do modelo de inteligência competitiva. Conferência Internacional. São Paulo, 2007

MOZOTA, B. B. Gestão do design: usando o design para construir valor na marca e inovação corporativa. Porto Alegre: Bookman, 2011.

MARTINS, R.; MERINO, E. Gestão de design como estratégia organizacional. Londrina: EDUEL, 2011.

MISSER, Sunil A. Stakeholder engagement: creating value and delivering performance, Deutsche Post DHL, 2013. Disponível em http://www.accountability.org/. Acesso em 03 de novembro de 2016.

NETO A.; TEIXEIRA, J. M.; MERINO, E. A contribuição da Gestão de Design na valorização de grupos produtivos de pequeno porte vinculados a origem. In: 5º CIPED, 2009, Bauru. Congresso internacional de Pesquisa em Design. Bauru: CIPED, 2009. v. 5, p. 960 - 966. CD-ROM.

NAVARRO, Zander. Desenvolvimento rural no Brasil: os limites do passado e os caminhos do futuro. In.: Estudos Avançados. Vol. 15, n. 43, São Paulo. Set./Dez. 2001.

NATURA. Cocriando natura. Disponível em http://cocriando.natura.net/cs/cocriando/jornadascocriando. Acesso em 03 de novembro de 2016.

OPS/OMT. Planificación local participativa: metodologías para la promoción de la aalud en América Latina y el Caribe. 1999. Disponível em http://isags-unasul.org/ismoodle/isags/local/pdf/modulo5/planificacion_local_participativa_metodologias_para-la_promocion_de_la_salud_en_alc.pdf. Acesso em 23 de outubro de 2016.

OCED/FAO. Perspectivas agrícolas 2015-2024. OECD Publishing, París, 2015.

PRAHALAD, C.K. & RAMASWAMY, V. The Future of Competition: Harvard Business School Press: Boston, Massachusetts, 2004.

PORTER, M. Competição: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

PINHEIRO, Igor Reszka; MERINO, Eugenio Andrés Díaz. Os 4 vetores da inovação: um quadro de referência para a gestão estratégica do design. Revista Estudos em Design, V. 23, n2, 75-101, 2015.

PEREIRA JÚNIOR, Paulo Jorge C.; GONÇALVES, Paulo Roberto S. A empresa enxuta: as ideias e a prática que fazem das pequenas empresas as organizações mais ágeis do mundo. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

PEARCE, D.; et all Blueprint for a green economy. London: Earthscan Publication Ltd, 1994.

PEREIRA, Anísio Candido; GIUNTINI, Norberto; BOAVENTURA, Wilson Roberto. A mensuração dos passivos ocultos: um desafio para a contabilidade. In. IX Congresso Brasileiro de Custos – São Paulo, SP, Brasil, 13 a 15 de outubro de 2002. Disponível em http://www.abcustos.org.br/congresso/view?ID_CONGRESSO=13. Acesso em 15 de out. de 2015.

PRAHALAD, C.K. & RAMASWAMY, V. The Future of Competition: Harvard Business School Press: Boston, Massachusetts, 2004.

PAYNE, A. F.; STOORBACKA, K.; FROW, P. Co-creation of value. Journal of the Academic Marketing Sciece. v. 36, p.83-96, 2008.

SABOURIN, Eric; SAMPER, Mário; MASSARDIER, Gilles. Políticas públicas para as agriculturas familiares: existe um modelo latino-americano? In.: GRISA, Cátia; SCHNEIDER, Sérgio. Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2015.

SEIFERT, Mari Elizabete Bernardini. ISO 14001 sistemas de gestão ambiental: implantação objetiva e econômica. São Paulo: Atlas, 2007.

SEBRAE. O quadro de modelo de negócios: um caminho para criar, recriar e inovar em modelos de negócios. 2015. Disponível em http://www.sebrae.com.br. Acesso em 21 de outubro de 2016.

SEBRAE. 2016. Benefícios da cocriação. Produção SEBRAE. São Paulo/Camila Cambraia. Programa Emprego & Renda. Associação de Desenvolvimento de Radiodifusão de Minas Gerais. [20?] Video partes. I e II. (15min19seg,): VHS, color. Disponível em www.sebrae.com.br. Acesso em 23 de outubro de 2016a.

SHETH, Jagdish e PARVATIYAR, Atul. The evolution of relationship marketing. Revista Internacional de Negócios. V. 4, no 4, 397-418., 1995.

SCHENINI, Pedro Carlos. Avaliação dos padrões de competitividade à luz do desenvolvimento sustentável: o caso da indústria Trombini de papel e embalagens S/A em Santa Catarina. Engenharia de Produção, 1999. (Doutorado), Universidade Federal de Santa Catarina.

TAKADA, Cíntia; BELLOTTI, Márcia. Engajamento com os stakenholders: manual para implementação. TAKAO Diálogos para Sustentabilidade. 2013. Disponível em http://www.takaoconsultoria.com.br/site/. Acesso 03 de novembro de 2016.

TEIXEIRA, Marcelo Geraldo. O método da pesquisa-ação adaptada aplicada à articulação entre o artesanato tradicional e o mercado urbano: uma contribuição para o design. Tese (Doutorado em Engenharia Industrial) Universidade Federal da Bahia. Salvador: Escola Politécnica, 2013.

TEIXEIRA, Júlio Monteiro. Identificação e proteção: o design valorizando grupos produtivos de pequeno porte. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2010, 179 p.

TROCCOLI, Irene Raguenet; ALTAF, Joyce Gonçalves. Aplicação do modelo da cocriação de valor no agronegócio citrícola paulista. In.: Revista de Política Agrícola, Ano XXI – No 4 – Out./Nov./Dez. 2012

VALLE, Cyro Eyer de. Qualidade ambiental: ISO 14.000. São Paulo: Senac, 2006.

WEARING, Stephen, NEIL, John. Ecoturismo: impactos, potencialidades e possibilidades. São Paulo: Manole, 2001.

WEST, Harry; COUTINO, André. Business design: uma abordagem para empresas brasileiras abraçarem a inovação. In.: Havard Business Review. Dezembro, 2012.




DOI: https://doi.org/10.29183/2447-3073.MIX2017.v3.n1.52-63

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 MIX Sustentável