DESAFIOS (E POSSIBILIDADES) DA APRENDIZAGEM DO FAZER DOCENTE NO ENSINO REMOTO NO CURSO DE LETRAS EaD

Autores

  • Isabel de Oliveira e Silva Monguilhott UFSC/Professora Associada III https://orcid.org/0000-0003-1705-4390
  • Maria Izabel de Bortoli Hentz Universidade Federal de Santa Catarina
  • Suziane da Silva Mossmann Rede Estadual de Ensino do Estado de Santa Catarina
  • Marcus Vinícius de Oliveira Mitre Rede Privada de Ensino de Santa Catarina

Palavras-chave:

estágio de docência em Língua Portuguesa, ensino de Língua Portuguesa, ensino remoto.

Resumo

Pretendemos, neste artigo, apresentar o percurso realizado para a concretização do estágio de docência por meio de atividades pedagógicas não presenciais no que diz respeito aos desafios – organizacionais e pedagógicos – implicados nesse processo e refletir sobre as respostas que foram possíveis nas condições que tínhamos. O estágio refere-se à terceira edição do Curso de Licenciatura em Letras Português na modalidade a distância, da Universidade Federal de Santa Catarina, em quatro disciplinas de Estágio Curricular em Língua Portuguesa e Literatura, que aconteceram de modo remoto, durante os semestres 2020.1, 2020.2, 2021.1 e 2021.2, em função da pandemia da Covid-19.

Biografia do Autor

Maria Izabel de Bortoli Hentz, Universidade Federal de Santa Catarina

Maria Izabel de Bortoli Hentz é Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é Professora Associada III, aposentada, do Departamento de Metodologia de Ensino, do Centro de Ciências da Educação, da UFSC.  

Suziane da Silva Mossmann, Rede Estadual de Ensino do Estado de Santa Catarina

Suziane da Silva Mossmann é Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é Professora de Língua Portuguesa da Rede Estadual de Ensino do Estado de Santa Catarina.  

Marcus Vinícius de Oliveira Mitre, Rede Privada de Ensino de Santa Catarina

Marcus Vinícius de Oliveira Mitre é Doutorando em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é Professor da rede de ensino privada de Santa Catarina. 

Referências

ANTUNES, I. Aula de português: encontro e interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003, 181 p.

BAKHTIN, M. M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 5. ed. São Paulo: Editora WMF Martins, 2010 [1952-53]. p. 261 – 306.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. 2018. Disponível em:

http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

BRITTO, L. P. L. B. Inquietudes e desacordos – a leitura além do óbvio. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2012. 143 p.

BUNZEN, C.; MENDONÇA, M. (org.). Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. 254 p.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer 05/2020 do CNE, aprovado em 28 de maio de 2020, publicado no D.O.U. de primeiro jun. 2020. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view= download&alias=14511-pcp005-20&category_slud=marco-2020-pdf&Itemid=30192>. Acesso em 20 nov. 2020.

GERALDI, J. W. Portos de Passagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997. 252 p.

GERALDI, J. W. O texto na sala de aula. 3. ed. São Paulo: Ática, 1999. 136 p.

GERALDI, J. W. A aula como acontecimento. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010. 207 p.

MADI, S. Com quais saberes se constrói uma prática? Revista na Ponta do Lápis, ano XVI, número 35, 12-21, Julho de 2020.

MATENCIO, M. de L. Estudo da língua falada e aula de língua materna: uma abordagem processual da interação professor I alunos. 215 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

MONGUILHOTT, I.; HENTZ, M. I. “Mas isso não é uma aula de português?!” O ensino da língua na aprendizagem da docência. Revista Calidoscópio, Unisinos, v. 18, n. 2, p. 271-290, maio-agosto-2020.

PELANDRÉ, N. L., BORTOLOTTO, N., MONGUILHOTT, I. O. S., DEBUS, E. Estágio Supervisionado I e II. Florianópolis: LLV/CCE/UFSC, 2011. 57 p.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. 2. ed. São Paulo, Cortez, 2004, 312 p.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado de Educação. Proposta curricular de Santa Catarina: formação integral na educação básica. Florianópolis: SEDSC, 2014. p. 95-136. Disponível em: <http://www.sed.sc.gov.br/documentos/ensino-89/proposta-curricular-156>. Acesso em: 30 set. 2021.

SOARES, M. Português na escola: história de uma disciplina curricular. In: BAGNO, Marcos (Org.). Linguística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2004. p. 155-178.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Centro de Comunicação e Expressão. Departamento de Língua e Literatura Vernáculas. Projeto pedagógico do curso de Letras-Português (licenciatura): modalidade a distância, Florianópolis: CCE, 2015. < https://uab.ufsc.br/portugues/files/2017/05/ProjetoPortuguesLicenciatura.pdf>. Acesso em 27.09.2021.

VOLOCHINOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. São Paulo: Editora 34, 2017. 376 p.

VYGOTSKI, L. S. Obras Escogidas: problemas de Psicología General. Tomo II. Madri: Madri: Visor, 1982 [1934]. 484 p.

Downloads

Publicado

2022-07-31

Edição

Seção

ARTIGOS SOBRE EXPERIÊNCIAS DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO BÁSICA