A ESCOLA É LUGAR DE CIENTISTAS?

Lisiane Vandresen

Resumo


Este artigo faz uma análise de um vídeo produzido por estudantes do Colégio de Aplicação, do Centro de Ciências da Educação, da Universidade Federal de Santa Catarina (CA/CED/UFSC), que participaram da 16ª edição de um projeto de Iniciação Científica (IC), chamado Pés na Estrada do Conhecimento. A proposta desse texto é pensar como esse vídeo, que é fruto de uma pesquisa prévia e de uma viagem para o interior do país, contribui para que os alunos tenham uma experiência científica. Esse texto segue um fio condutor que passa pelo debate em torno à experiência humana possível na contemporaneidade, apresentada por Giorgio Agamben, e pelas propostas de uma etnografia imagética, trabalhadas por Elizabeth Edwards. Além, disso os conceitos de conhecimento e entendimento são trazidos para discutir qual o alcance dessa iniciação à ciência, praticada nessa escola do Sul do Brasil.   


Palavras-chave


Iniciação Científica; Ensino Médio; Formação Científica.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Nova ed. aum. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2005.

BENJAMIN, Walter. “O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov”. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e historia da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994, p. 197-221.

________. “Experiência e pobreza”. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. 7a ed. São Paulo: Brasiliense, 1994, p. 144 – 119.

BRIESEN, Jochen. “Pictorial art and epistemic aims” in KLINKE, H (ed.). Art theory as visual epistemology. Cambridge Scholars Publishing, 2014.

EDWARDS, Elizabeth. “Tracing Photography”. In Made to Be Seen: Perspectives on the history of visual anthropology, edited by Marcus Banks and Jay Ruby, 159–89. Chicago; London: University of Chicago Press, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.