JOGOS DE CÁ E DE LÁ, PARA TODOS BRINCAREM: A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES EM TECNOLOGIA ASSISTIVA

Magali Dias de Souza, Degelane Córdova Duarte

Resumo


Este trabalho tem como objetivo compartilhar a experiência de um projeto de ensino, que ocorreu no segundo semestre letivo de 2016, envolvendo a confecção de jogos pedagógicos na perspectiva do desenho universal, visando problematizar a prática pedagógica inclusiva. A abordagem metodológica do trabalho proposto foi qualitativa e envolveu pesquisa-ação. Os sujeitos participantes são acadêmicos das Licenciaturas de Pedagogia e Matemática do Instituto Federal Catarinense, Campus Camboriú, em Santa Catarina. Foram realizadas Oficinas de Formação para aprofundar conceitos referentes à inclusão escolar, jogos e seu uso no contexto de sala de aula, assim como se debruçou na catalogação de jogos de variadas origens étnicas e culturais, estudando suas estratégias e regras. Como resultados, evidencia-se a criação de um espaço-tempo de discussão sobre inclusão social, tendo como objeto de discussão o jogo na sala de aula, as interações e o desenho universal. A ampliação dos conhecimentos teórico-metodológicos sobre desenho universal em jogos pedagógicos, deu-se na produção de jogos adaptados e na promoção de interação dos acadêmicos com atividades de integração entre ensino e pesquisa.


Palavras-chave


Formação inicial de professores. Inclusão escolar. Tecnologia Assistiva. Jogos adaptados.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050. Rio de Janeiro, 2004.

BERSCH, Rita. Tecnologia Assistiva − TA. In: SCHIRMER, Carolina et al. Atendimento Educacional Especializado: deficiência física. Brasília: SEESP; SEED; MEC, 2007.

BERSCH, Rita; PELOSI, Miryam Bonadiu. Tecnologia Assistiva: recursos de acessibilidade ao computador II. Portal de ajudas técnicas para educação: equipamento e material pedagógico para educação, capacitação e recreação da pessoa com deficiência física. Brasília: MEC/SEESP, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Inclusão: Revista da Educação Especial, Brasília, v. 4, n. 1, jan./jun. 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 02, de 01 de julho de 2015. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2018.

BRAUN, Patrícia; VIANNA, Márcia Marin. O desafio da diversidade na sala de aula: práticas de acomodação/adaptação, uso de baixa tecnologia. In: NUNES, Leila Regina d'Oliveira de Paula et al. Comunicar é preciso: em busca das melhores práticas na educação do aluno com deficiência. Marília: ABPEE, 2011.

CORTEZ, Renata do Nascimento Chagua. Sonhando com a magia dos jogos cooperativos na escola. Dissertação (Mestrado em Educação Física), Universidade de Rio Claro. Rio Claro, 1999.

GALVÃO FILHO, Teófilo. Favorecendo práticas pedagógicas inclusivas por meio da Tecnologia Assistiva. In: NUNES, Leila Regina d´Oliveira de Paula; PELOSI, Miryam Bonadiu; WALTER, Cátia Crivelenti de Figueiredo. Compartilhando experiências: ampliando a comunicação alternativa. Marília: ABPEE, 2011.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens – O jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2000.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado de Educação. Fundação Catarinense de Educação Especial. Catálogo de Materiais Pedagógicos Adaptados da Fundação Catarinense de Educação Especial. São José: FCEE, 2009.

SOUZA, Magali Dias; PASSERINO, Liliana Maria. A comunicação alternativa na escola inclusiva: possibilidades e prática docente. In: PASSERINO, Liliana Maria et al.(Org.) Comunicar para incluir. Porto Alegre: CRBF, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.