O SIGNIFICADO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO ENSINO DE CIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: um relato vivenciado no Ensino Fundamental

Vivian Fragoso Pellis, Sophia Cassol, Ana Paula Tridapalli de Almeida, Alberto Vinícius Casimiro Onofre, Suzani Cassiani de Souza

Resumo


Este artigo tem como foco apresentar um relato das experiências vivenciadas por duas alunas de graduação, durante o período de regência do Estágio Curricular Supervisionado de Ensino de Ciências do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Federal de Santa Catarina. O estágio foi realizado no Colégio de Aplicação/UFSC com uma turma do oitavo ano do ensino fundamental, composta por 24 estudantes com idades entre 12 e 16 anos. O artigo está organizado em quatro seções. Inicialmente são apresentadas considerações iniciais acerca das impressões e vivências no curso de licenciatura. Na sequência, o texto apresenta um breve relato das experiências geradas pela disciplina de Estágio Supervisionado e da construção da relação professor/aluno durante período de regência. Em seguida, o recorte temático sobre alimentação é apresentado. Juntamente com o recorte temático são analisadas as atividades que foram desenvolvidas com a turma e os resultados são apresentados. Por último, apontamos algumas considerações sobre a importância do período de estágio para a formação de professores.

Palavras-chave


Ensino de Ciências; Ensino Fundamental, Estágio Supervisionado; Formação docente

Texto completo:

PDF

Referências


ACCIOLY, E. A escola como promotora da alimentação saudável. Ciência em tela, v. 2, n. 2, p. 1-9, 2009.

ARNOLD, N. Digestão nojenta. 4 ed. Melhoramentos, 2002.

COSTA MATTOS, M. et al. Influência de propagandas de alimentos nas escolhas alimentares de crianças e adolescentes. Psicologia: teoria e prática, v. 12, n. 3, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

LIBÂNEO, J. C. Tendências Pedagógicas na Prática Escolar. Democratização da escola pública: pedagogia crítico-social dos conteúdos. São Paulo: Loyola, 1985.

MOTTA, M. B. da; TEIXEIRA, F. M. Educação alimentar na escola por uma abordagem integradora nas aulas de Ciências. Inter-Ação, Goiânia, v. 37, n. 2, p. 359-379, jul./dez. 2012

RIBEIRO-JUNIOR, W. A et al. Aprendendo sobre o sistema digestório utilizando metodologias alternativas de ensino. In: Congresso Nacional de Educação, 2, 2015. Anais do II CONEDU. Campina Grande: Realize Eventos e Editora, 2015.

SOUZA, S. C. de; ALMEIDA, M. J. P. M. de. Escrita no ensino de ciências: autores do Ensino Fundamental. Ciência & Educação, v. 11, n. 3, p. 367-382, 2005.

TASSONI, E. C. M. Afetividade e aprendizagem: a relação professor-aluno. Psicologia, análise e crítica da prática educacional. Campinas: ANPED, p. 1-17, 2000.

TENREIRO-VIEIRA, C. Produção e avaliação de actividades de aprendizagem de ciências para promover o pensamento crítico dos alunos. Revista Iberoamericana de Educación, v. 33, n. 6, p. 1-18, 2004.

VIEIRA, J. A.; VIEIRA, M. M. M.; PASQUALLI, R. Estudo de caso como estratégia de ensino para a Educação Profissional e Tecnológica. Série-Estudos, Campo Grande, v. 22, n. 44, p. 143-159, jan./abr. 2017.

ZANON, D. A. V.; FREITAS, D. de. aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental: ações que favorecem a sua aprendizagem. Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 10, p. 93-103, mar. 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.