O QUE “A GENTE” QUER COM ESSA INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA ESCOLA?

Jose Carlos da Silveira

Resumo


O presente artigo tem como propósito analisar como estudantes e professores  articulados na proposta pedagógica “Pés na Estrada do Conhecimento – Iniciação Científica na Escola”, desenvolvida nos 9os anos  do Colégio de Aplicação, da Universidade Federal de Santa Catarina, se veem e significam a prática de iniciação científica na escola. Os discursos dos sujeitos envolvidos com uma prática de iniciação científica, bem como os que prescrevem  práticas investigativas para as escolas, são examinados sob a luz da Análise de Discurso de linha francesa e de perspectivas críticas da educação.

Palavras-chave


Pés na Estrada; iniciação científica; educação básica; discurso.

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, M. W. A educação pode mudar a sociedade? Petrópolis: Vozes, 2017.

________. Educação e Poder. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

BALL, S. J.; MAGUIRRE, M.; BRAUN, A. Como as escolas fazem as políticas – atuação em escolas secundárias. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2016.

BINDÉ, J. (Coord.). Rumo às sociedades do conhecimento. Relatório Mundial da UNESCO. Lisboa: Instituto Piaget, 2007.

CARVALHO, L. A M. A iniciação científica em Parintins/AM: Uma análise do Programa ciência na escola (PCE). 2012. 105 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) ¬– Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia, Universidade do Estado do Amazonas – UEA, Manaus, 2012.

CONCEIÇÃO, A. J. Contribuições do programa de iniciação científica júnior na Universidade Estadual de Londrina (UEL): a formação de um habitus adequado ao campo científico. 2012. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas), Universidade Estadual de Maringá, 2012. Disponível em: . Acesso em: 05 jun. 2014.

FIALHO, J. F. A cultura informacional e a formação do jovem pesquisador brasileiro. 2009. 207 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação). Escola de Ciência da Informação – ECI. Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Belo Horizonte, 2009.

FREIRE, P. [1967]. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

________ . Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

________. [1975]. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

________. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, P.; FAUNDEZ, A. Por uma pedagogia da pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

FREIRE, P.; HORTON, M. O caminho se faz caminhando: conversas sobre educação e mudança social. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2003.

FREITAS, L. C. Avaliação: para além da “forma escola”. EDUCAÇÃO: Teoria e Prática, Rio Claro, São Paulo, v. 20, n.35, p. 89-99, jul./dez. 2010.

GRIGOLETTO, E. Do lugar social ao lugar discursivo: o imbricamento de diferentes posições-sujeito. In: INDURSKY, F.; FERREIRA, M. C. L. (Orgs.). Análise do discurso no Brasil: mapeando conceitos, confrontando limites. São Carlos: Claraluz, 2007.

ICJ. INICIAÇÃO CIENTÍFICA JUNIOR– NORMA ESPECÍFICA (RN-017/2006). Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2013.

MELLO E SOUZA, M. L. Reflexões sobre um programa de iniciação científica para o ensino médio. In: ENPEC, 5., 2005, Bauru (SP). Atas do ENPEC. Bauru: UNESP, nov. 2005. n/p.

MICHAELIS. Moderno Dicionário da Língua Portuguesa, 2014. Disponível em: . Acesso em: 5 abr. 2016.

OLIVEIRA, A. A iniciação científica júnior (ICJ): aproximações da educação superior com a educação básica. 2015. 322 f. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

OLIVEIRA, C. A educação científica como elemento de desenvolvimento humano: uma perspectiva de construção discursiva. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 15, n. 2, p. 105-122, maio/ago. 2013.

OLIVEIRA, E. L. A formação científica do jovem universitário: Um estudo com base no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC). 2010. 113 f. Dissertação (Mestrado em Educação: História, Política, Sociedade) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, São Paulo, 2010.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Professores são importantes. Atraindo, desenvolvendo e retendo professores eficazes. São Paulo: Coedição Moderna, 2006. Disponível em: < https://books.google.com.br/books?id=n2xGOojyB5cC&pg=PA17&hl=pt-BR&source=gbs_toc_r&cad=3#v=onepage&q&f=false>. Acesso em: 04 abr. 2017.

________. Future of Education and Skills Education 2030. 2018. Site. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2018. 2018.

ORLANDI, E. P. Michel Pêcheux e a Análise de Discurso. Estudos da Linguage(m), Vitória da Conquista , Uberlândia, v. 12, n. 1, p. 9-13, jun. 2005.

________. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

________. Análise de Discurso – Princípios e Procedimentos. 12. ed. Campinas: Pontes Editores, 2015.

________. Eu, Tu, Ele – Discurso e real da história. Campinas: Pontes Editores, 2017.

PECHÊUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Ed. da Unicamp, 2014.

TARDIF, M.; LESSARD, C. (Org.). O ofício de professor: história, perspectivas e desafios internacionais. Petrópolis: Vozes, 2008.

UNESCO. A ciência para o século XXI: uma nova visão e uma base de ação: Budapeste e Santo Domingo. 3. ed. Brasília, DF: UNESCO, ABIPTI, 2003. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.