FORMAÇÃO DOCENTE E INTERDISCIPLINARIDADE PARA A EDUCAÇÃO CIENTÍFICA

Lia Christina Kirchheim Kehl

Resumo


Este artigo trata de um olhar reflexivo sobre a própria prática docente a partir de uma experiência vivenciada pela autora junto ao Projeto Pés Na Estrada do Conhecimento articulado pelo Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Santa Catarina, durante a realização do Estágio Supervisionado de Ensino de Ciências. Objetivou-se investigar as contribuições do Projeto para a formação docente da autora analisando como foi construída a docência durante a sua participação. A partir de métodos descritivos e observacionais, foram analisados o diário de campo da autora e o Ensaio Final produzido para a disciplina do Estágio. Os dados foram organizados em torno das seguintes categorias: crenças sobre a imagem do professor; construção de novos modos de docência; foco no aluno e a construção do conhecimento; a pergunta como organizadora da aprendizagem; interdisciplinaridade. Como resultados da análise, podemos destacar que ao longo da trajetória a autora desconstrói a imagem de professor que “transmite conhecimentos” e abre espaço para uma concepção de ensino construtivista, descentralizando a ação do professor e permitindo que os alunos passem a ser focos no processo de aprendizagem. Também são identificadas aprendizagens da docente referentes ao trabalho em equipe e a cooperação que o ambiente interdisciplinar do Projeto proporciona.


Palavras-chave


Formação docente. Ensino de Ciências. Interdisciplinaridade. Relato de experiência.

Texto completo:

PDF

Referências


BECKER, Fernando. Educação e Construção do conhecimento. Porto Alegre: Artmed editora, 2001.

_________. Cap. 1: “Ensino e Pesquisa: Qual a relação?”. IN: BECKER, Fernando; MARQUES, Tania B. I. (org.). Ser professor é ser pesquisador. 2ª ed. Porto Alegre: Mediação, 2010. 136 p.

BEJARANO, Nelson R. R. ; CARVALHO, Anna M. P. de. Tornando-se professor de ciências: crenças e conflitos. Ciênc. educ. (Bauru) [online], v.9, n.1, p.1-15. 2003. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v9n1/01.pdf. > Acesso em: 03 de set. 2019.

BORSSOIL, Berenice L. O Estágio na Formação Docente: da teoria à prática, ação-reflexão. IN: Simpósio Nacional de Educação. 1. 2008, Unioeste, Cascavel-PR.

CAMPOS, Claudinei J. G. Método de Análise de Conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira Enfermagem, Brasília (DF) v.57, n.5, p.611-614, set/out. 2004. Disponível em: . Acesso em: 03 de set. 2019

CAVALCANTE, Bruna. L. L.; LIMA, Uirassú T. S. de. Relato de experiência de uma estudante de Enfermagem em um consultório especializado em tratamento de feridas. J Nurs Health, Pelotas (RS); v.1, n.2, p.94-103, jan/jun. 2012. Disponível em: Acesso em: 03 de set. 2019

CHARCZUK, Simone B.; NEVADO, Rosane A. de. O conceito de interdisciplinaridade em Jean Piaget: questões teóricas e contribuições para o âmbito educativo. IN: Colóquio Internacional de Epistemologia e Psicologia Genéticas. 1. 2009, Marília-SP. Anais. Marilia: UNESP/FFC, 2009. p.42-52.

CHARCZUK, Simone B. Interdisciplinaridade na Educação a Distância: Estudo de Caso em âmbito de um curso de pedagogia. Porto Alegre, 2012. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2012.

DELVAL, Juan. Cap.10: “Aprender investigando”. IN: BECKER, Fernando; MARQUES, Tania B. I. (org.). Ser professor é ser pesquisador. 2ª ed. Porto Alegre: Mediação, 2010. 136 p.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 10ªed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

________. Pedagogia do oprimido. 17ª ed. Rio de janeiro: Paz e Terra, 1987.

GONÇALVES, Felipe L.; VANDRESEN, Lisiane; RAFAEL, Rafaela M. A iniciação científica na escola básica e o projeto “Pés na estrada do conhecimento” no Colégio de Aplicação da UFSC: Caminhos para a prática docente. Investigação Qualitativa em Educação. Atas CIAIQ, v.1, p.343-347, 2014. Disponível em: . Acesso em: 03 set. 2019

LOPES, Claudivan S.; PONTUSCHKA, Nídia N. Estudo do meio: teoria e prática. Geografia (Londrina), v.18, n.2, p.173-190, 2009. Disponível em: . Acesso em: 03 set. 2019

MARQUES, Tania. B. I. Cap. 5: “Professor ou pesquisador?” IN: BECKER, Fernando; MARQUES, Tania B. I. (org.). Ser professor é ser pesquisador. 2ª ed. Porto Alegre: Mediação, 2010. 136 p.

OLIVEIRA, Rogério de Castro. Cap. 2: “Descobre-se o que existe, inventa-se o que não existe”. IN: BECKER, Fernando; MARQUES, Tania B. I. (org.). 2ª ed. Ser professor é ser pesquisador. Porto Alegre: Mediação, 2010. 136 p.

PIAGET, Jean. Para onde vai a educação?. Tradução de Ivete Braga. 16ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2002.

______. Psicologia e pedagogia. Tradução de Dirceu Acciolly Lindoso e Rosa Maria Ribeiro da Silva. 4ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1976.

_______. Sobre a pedagogia. Tradução de Claudia Berliner. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998.

SILVA, João Alberto da. Cap. 6: “O professor pesquisador e a liberdade do pensamento”. IN: BECKER, Fernando; MARQUES, Tania B. I. (org.). Ser professor é ser pesquisador. 2ª ed. Porto Alegre: Mediação, 2010. 136 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.