UMA PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO: ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO UBERABINHA EM UBERLÂNDIA – MG

Edwiges Rezende Marto, Anna Raphaela de Freitas Dutra, Maria Eduarda Alves Ferreira, Alessandra Pavolin Pissolati Ferreira, Vanessa Fonseca Gonçalves

Resumo


O presente estudo apresenta os resultados de uma investigação desenvolvida por três discentes do CAp ESEBA/UFU, uma professora da área de Ciências do referido colégio e uma discente do curso de Ciências Biológicas, durante o desenvolvimento do projeto “Utilização de biomonitores de qualidade ambiental” vinculado ao edital N° 001/2016 PROGRAD/DIREN da Universidade Federal de Uberlândia. A investigação teve como objetivo avaliar a qualidade ambiental do rio Uberabinha, o principal rio que abastece a o município de Uberlândia-MG, por meio do teste da cebola (Allium cepa). Foram coletadas amostras de água em três pontos deste rio; sendo estes em uma área externa ao perímetro urbano, em uma região industrial e em uma área urbana. Foi realizado um teste de viabilidade das raízes, e as cebolas aptas foram transferidas para recipientes de vidro contendo as amostras de água de cada um destes pontos e do controle. O experimento durou nove dias e após este período o crescimento das raízes foi mensurado com o auxílio de um paquímetro. Um protocolo de avaliação rápida de rios (PRA) adaptado de Guimarães, Rodrigues e Malafaia (2012) foi utilizado como instrumento complementar de análise. Os resultados apontam que o ponto localizado na região industrial apresenta as piores condições ambientais, sendo este demonstrado pelo menor crescimento das raízes e pior nota obtida no PRA. No entanto, os dados para os outros dois pontos se mostraram inconclusivos, sugerindo a necessidade de realização de novos estudos.

Palavras-chave


Bioindicadores, Colégio de Aplicação, qualidade ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. L. F.; MASSABNI, V. G. O desenvolvimento de atividades práticas na escola: um desafio para os professores de ciências. Ciência e Educação, v. 17, n. 4, p. 835-854, 2011.

ARRAES, A. I. O. M.; LONGHIN, S. R. (2012). Otimização de ensaio de toxicidade utilizando o bioindicador Allium cepa Como Organismo Teste. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer-Goiânia, v.8, n.14, p. 1958-1972. 2012.

BAGLIANO, R. V. Principais organismos utilizados como bioindicadores relatados com uso de avaliadores de danos ambientais. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, v.2, n.1, p. 24-40. 2012.

BARBÉRIO, A. Efeitos Citotóxicos e Genotóxicos no Meristema Radicular de Allium cepa exposta à Água do Rio Paraíba do Sul – Estado de São Paulo - Regiões de Tremembé e Aparecida. 2008. 85p. Dissertação (Doutorado) - Curso de Ciências Biológicas, Departamento de Instituto de Biologia, Universidade Federal de Campinas, Campinas-SP, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/#apresentacao>. Acesso em: 20 dez. 2018.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais: Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. 138p.

CALLISTO, M.; GONÇALVES Jr., J. F.; MORENO, P. Invertebrados Aquáticos como Bioindicadores. In: Goulart, E.M.A. (Eds.). Navegando o Rio das Velhas das Minas aos Gerais. p. 555-567. 2005.

CARVALHO, A. M. P. O ensino de Ciências e a proposição de sequências de ensino investigativa. In: CARVALHO, A. M. P. (Org.). Ensino de Ciências por investigação – condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2014. 164p

DUARTE, M. N. et al. Avaliação da qualidade ambiental através do teste da cebola (Allium cepa L.) Exposta diretamente em leito de rios urbanos. Revista Eletrônica TECCEN, v. 7, n.1/2. 2016.

FREITAS, C. E. C., SIQUEIRA-SOUZA, F. K. O uso de peixes como bioindicador ambiental em áreas de várzea da bacia amazônica. Revista Agrogeoambiental,v.1, n. 2. 2009.

GUIMARÃES, A.; RODRIGUES, A. S. L.; MALAFAIA, G. Adequação de um protocolo de avaliação rápida de rios para ser usado por estudantes do ensino fundamental. Revista Ambiente & Água, v.7, n.3, p. 241 -260, 2012.

NASCIMENTO, F. do; FERNANDES, H. L.; MENDONÇA, V. M. O ensino de Ciências no Brasil: história, formação de professores e desafio atual. Revista HISTEDBR On-line, SP, n. 39, p. 225-249, set., 2010.

ROSITO, B. A. O Ensino de Ciências e a Experimentação. In: MORAES, R. (org.). Construtivismo e Ensino de Ciências: Reflexões Epistemológicas e Metodológicas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Almejando a alfabetização científica no Ensino Fundamental: a proposição e a procura de indicadores do processo. Investigações em Ensino de Ciências (Online), v. 13, n. 3, p. 333-352, 2008.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Alfabetização Cientifica: uma revisão bibliográfica. Investigações em Ensino de Ciências (Online), v. 16, p. 59-77, 2011

SOUZA, V. M. Bioindicadores animais de metais poluentes. 2010. 67p. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Produção Sustentável) Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Goiânia/GO. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.