Autoaprendizagem de línguas estrangeiras na internet

Maria Eduarda Padilha, Nádia Karina Ruhmke Ramos

Resumo


Este trabalho mostra de uma maneira sucinta o desenvolvimento de uma pesquisa do Programa de Iniciação Científica no Ensino Médio (PIBIC-EM) cujo objetivo principal é identificar se jovens que querem aprender línguas estrangeiras de forma autônoma confiam no material disponível na rede, como ocorre a seleção do que é confiável e se eles conseguem entender as expressões em língua inglesa que circulam na rede. A mesma foi realizada a partir da aplicação de um questionário em duas instituições públicas de ensino nos 3º anos do Ensino Médio do Colégio de Aplicação – UFSC e do Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires. Após análise dos dados, pudemos perceber que, mesmo reconhecendo a Internet como principal fonte de pesquisa e ferramenta essencial no aprendizado de línguas estrangeiras, muitos alunos não conseguiram traduzir ou explicar expressões que disseram utilizar no seu dia-a-dia. Essas expressões são aprendidas principalmente em sites como o Facebook, Twitter, blogs de humor, inúmeros jogos e seus respectivos fóruns, que podem ser encontrados escritos em inglês, com a opção de tradução. Os resultados apontam que a Internet é uma forte aliada da autoaprendizagem, mas que por ser tão democrática e de fácil acesso está aberta a todo tipo de informação, inclusive informações equivocadas. Todos os alunos afirmaram utilizar a Internet como apoio na hora dos estudos, disseram ter problemas na seleção de conteúdos e preferem a segurança transmitida pelo professor.

 

Palavras-chave: Internet; Autoprendizado; Línguas estrangeiras. 


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Patrícia V. & MELO, Pamela A. Internet em benefício da aprendizagem autônoma de língua inglesa. In: Congresso Internacional da Abralin, VII, Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 2011.

ARAUJO, Verônica D. L. O impacto das redes sociais no processo de ensino e aprendizagem. In: 3º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação. Universidade Federal de Pernambuco. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.