Implicações dos padrões estéticos e comportamentais e do racismo na autoestima e construção da identidade da mulher negra

Autores

  • Elza de Souza Universidade Federal de Santa Catarina
  • Hanna Isabel Alves Universidade Federal de Santa Catarina
  • Rafaela Herrmann Fernandes Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

Este artigo teve como objetivo investigar sobre as implicações dos padrões estéticos ecomportamentais e do racismo na autoestima e na construção da mulher negra. Trata-se,nesse estudo, de uma análise para uma compreensão mais contextualizada acerca dainternalização de padrão estético e comportamentais de gênero e raça e, caracterizar oscomportamentos específicos que demonstram a busca pela perfeição com base nessespadrões. Para tal, foi realizado uma análise crítica do filme “Felicidade por um fio”, por meiode categorias de comportamento, articulando as cenas do filme, tematizando a questão dopadrões estéticos e comportamentais e suas implicações, com diversos estudos que abordam amesma temática, a fim de pesquisar se as atitudes presentes no filme corroboram com osartigos que trazem dados acerca da realidade padrões estéticos e comportamentais, e suasimplicações nas mulheres negras. Conclui-se, por meio da análise das ações da protagonistaem relação a quatro personagens, que os padrões estéticos e comportamentais de gênero eraça estão ligados a construção da autoestima e auto aceitação do sujeito, principalmente damulher negra

Biografia do Autor

Elza de Souza, Universidade Federal de Santa Catarina

Departamento de Psicologia

Hanna Isabel Alves, Universidade Federal de Santa Catarina

Departamento de Psicologia

Rafaela Herrmann Fernandes, Universidade Federal de Santa Catarina

Departamento de Psicologia

Referências

Afonso, A. S. L. (2011). A influência do perfeccionismo na (in) satisfação com a imagem

corporal e na ansiedade físico-social de jovens adultos do sexo feminino

(Dissertação de Mestrado). Universidade do Algarve, Faro, Portugal.

Avelar, C. F. P., & Veiga, R. T. (2013). Como entender a vaidade feminina utilizando a

autoestima e a personalidade. Revista de Administração de Empresas, 53(4),

-349.

Beauvoir, S. (1970). Segundo Sexo: Fatos e Mitos. Trad Sérgio Millet. 4º ed. Difusão. São

Paulo. Européia do Livro.

Bourdieu, P. (2002). A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Chemela, A. R. R. (2018). Promoção do autoconceito e da autonomia na pessoa em

sofrimento psicológico (Dissertação de Mestrado). Escola Superior de Enfermagem

de Lisboa, Portugal.

Falvo, D. (2005). Medical and psychosocial aspects of chronic illness and disability. (3rd

ed.). Sudbury, MA: Jones & Bartlett

Flor, G. (2009). Corpo, Mídia e Status Social: reflexões sobre os padrões de beleza. Revista

de Estudos da Comunicação, 10(23), 267-274.

Souza,E. et al. (2021)

Hooks, B. (2019). E eu não sou uma mulher. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.

Jesus, R. S., Lopes, D. P., Andrade, F. J., Albieri, G. A. R., Almeida, G. A., & Rocha, T. A.

B. (2017). A influência dos padrões de beleza impostos pela mídia. CONIC: SEMESP - 16º

Congresso Nacional de Iniciação Científica.

Julio, A. L. (2011). Por uma visão psicossocial da autoestima de negros e negras. Revista

Eletrônica do Núcleo de Estudos e Pesquisa do Protestantismo da Escola Superior

de Teologia, 24(n.spe), 62-69.

Lima, E., Farias, E. S., Lima, E., Quadrado, J. C., & Damascena, M. B. (2018). O corpo

feminino como mercadoria: a submissão da mulher na cultura chinesa. Salão

Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, 10(1), 1-7.

Marques, E., & Muzitano, C. (2014). Externalismo e Autoconhecimento. Revista Sképsis,

(10), 201-213.

Mendes, A. M., Carneiro, A. M. L., & Anjos, J. M. (2020). Identidade e processos de

subjetivação: a importância da transição capilar no enfrentamento ao racismo.

Brazilian Journal of Development, 6(12), 96657- 96669. doi: 10.34117/bjdv6n12-236

Mosquera, J. J. M., & Stobäus, C. D. (2006). Auto-Imagem, Auto-Estima e Auto-Realização:

Qualidade de Vida na Universidade. Psicologia, Saúde & Doenças, 7(1), 83-88.

Nunes, M. R. M., Montibeller, C., Oliveira, K., Arrabaca, R. C. B., & Theiss, S. M. M. B.

(2013). Autoestima e saúde mental: Relato de experiência de um projeto de

extensão. Psicologia Argumento, 31(73), 283-289. doi:10.7213/rpa.v31i73.20487

Pinheiro, T. A., Piovezan, N. M., Batista, H. H. V., & Muner, L. C. (2020). Relação dos

procedimentos estéticos com satisfação da autoimagem corporal e autoestima de

mulheres. Revista Cathedral, 2(1).

Queiroz, R. C. S. (2019). Os efeitos do racismo na autoestima da mulher negra. Cadernos

de Gênero e Tecnologia, 12(40), 213-229.

Revista de Pesquisa e Prática em Psicologia (UFSC)

Quintela, D. F. (2014). As práticas de beleza femininas e a construção da subordinação

(Monografia). Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Sampaio, L. C. (2020). Mulheres negras e o cabelo: Racismo, sexismo e resistência

(Dissertação de Mestrado). Instituto Universitário de Lisboa, Portugal.

Schultheisz, T. S. V., & Aprile, M. R. (2013). Autoestima, conceitos correlatos e

avaliação. Revista Equilíbrio Corporal e Saúde, 5(1), 36-48. doi:

https://doi.org/10.17921/2176-9524.2013v5n1p%25p

Sherry, S. B., Lee-Baggley, D. L., Hewitt, P. L., & Flett, G. L. (2007). Perfectionism as a

Contraindication for Cosmetic Surgery. European Journal of Plastic Surgery, 29(n.

spe), 349-354. doi: 10.1007/s00238-007-0109-y

Silva, T.G.P.S., Zarbato, J.AM. (2020). Reflexões sobre a representação feminina negra

(cabelo afro) como identidade e afirmação racial. História, Memórias e Projetos para

O Ensino de História do Brasil.

Publicado

2021-07-14