A normatividade das Relações internacionais em Locke

Davi José de Souza da Silva

Resumo


Resumo

O presente artigo busca demonstrar que para Locke as relações internacionais não são caracterizadas por um estado de ausência de legalidade (unlawfull). Para tanto, toma-se como fio condutor as disposições de Locke acerca da Lei Natural, formação da comunidade civil e o poder federativo. Optamos por essa via, embora tal posição também seja defendida pela maioria dos comentadores por meio da explicitação das diferenças entre o estado de guerra e o estado de natureza. Quando se analisa o poder federativo podemos entender que para Locke a guerra está limitada tanto pelos interesses civis dos cidadãos quanto pela Lei Natural.

Palavras-chave

Relações internacionais, poder federativo, Lei Natural e comunidades civis.

Abstract

This paper argues that Locke’s thought about international relations are not characterized by a state of lack of legality (unlawfull). Therefore, take as guiding the provisions of Locke on Natural Law, formation of civil society and federative power. We chose this fashion, although this position is also held by most interpreters through the explanation of the differences between the state of war and state of nature. When we analyzing the federal power on can understand that for Locke the war is limited by the civil interests of citizens as the Natural Law either.

Keywords

International relations, federative power, Natural Law and commonwealths


Palavras-chave


relações internacionais, poder federativo, Lei Natural e comunidades civis

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Davi José de Souza da Silva

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/deed.pt

PERI - Revista de Filosofia
ISSN 2175-1811, Florianópolis,
Santa Catarina, Brasil
e-mail: revistaperi@contato.ufsc.br