Os impactos das redes sociais no comportamento socioemocional de crianças e adolescentes

Edno Pires de Oliveira Júnior, Emanuele Rodrigues Branco, Milena Tarcisa Trindade, Vinícius Matheus Gewehr Vasconcelos

Resumo


Este trabalho tem por objetivo analisar os impactos das redes sociais digitais no comportamento socioemocional de crianças e adolescentes. A relevância do estudo está em compreender os novos cenários que se desenham a partir do advento das redes sociais digitais. Para a realização deste trabalho foi feita uma pesquisa de análise qualitativa através do método observacional do documentário “O dilema das redes”. Os resultados coletados apontaram que as redes sociais digitais atuam com grande influência impactando o comportamento socioemocional de crianças e adolescentes. Tendo como base as observações, foram demonstradas mudanças repentinas no comportamento dos personagens, como ansiedade, hostilidade, violência, e a percepção da autoimagem ligada à autoestima. Desta forma, entende-se que as redes sociais digitais atuam sendo agentes moduladores da personalidade, subjetividade e comportamento principalmente de crianças e adolescentes. Como uma forma de enfrentamento desse novo cenário que se desdobra, revela-se a necessidade de uma a educação para as mídias, como instrumento para defrontar as demandas decorrentes das redes sociais digitais, servindo de suporte para compreensão de como amparar e bem utilizá-las em diferentes contextos socioculturais, diminuindo, desta forma, os impactos no comportamento socioemocional de crianças e adolescentes.

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Brasil. (2019). Brasil tem 24,3 milhões de crianças e adolescentes que usam internet. Recuperado de https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2019-09/brasil-tem-243-milhoes-de-criancas-e-adolescentes-utilizando-internet#:~:text=De%20acordo%20com%20a%20pesquisa,crian%C3%A7as%20e%20adolescentes%20nesses%20ambientes

Alves, Z. M. M. B., & Silva, M. H. D. (1992). Análise qualitativa de dados de entrevista: uma proposta. Paidéia (Ribeirão Preto), (2), 61-69. https://doi.org/10.1590/S0103-863X1992000200007

Bee, H., & Boyd, D. (2011). Desenvolvimento de relacionamentos sociais. In Bee, H., & Boyd, D. (Eds), A criança em desenvolvimento (pp. 336 - 359). Editora Artmed

Brunelli, P. B., Amaral, S. C. S., & Silva, P. A. I. F. (2019). Autoestima alimentada por “likes”: uma análise sobre a influência da indústria cultural na busca pela beleza e o protagonismo da imagem nas redes sociais. Revista Philologus, 25(53), 226-236. Recuperado de http://www.filologia.org.br/xi_sinefil/completos/autoestima_PRISCILA.pdf

Caíres, M. C., & Shinohara, H. (2010). Transtornos de ansiedade na criança: um olhar nas comunidades. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 6(1), 62-84. doi: 10.5935/1808-5687.20100005

Cano, D., & Sampaio, I. (2007). O método de observação na psicologia: considerações sobre a produção científica. Interação em Psicologia, 11(2). doi: 10.5380/psi.v11i2.6849

Deslandes, S.F., Coutinho, T. (2020). O uso intensivo da internet por crianças e adolescentes no contexto da COVID-19 e os riscos para violências autoinflingidas. Ciência & Saúde Coletivo, 25 (1). https://doi.org/10.1590/1413-81232020256.1.11472020

Guedes, G.P., Bezerra, E., Ogasawara, E., & Xexéo, G. (2014). MAM: Método para agrupamentos múltiplos em redes sociais online baseado em emoções, personalidades e textos. iSys-Revista Brasileira de Sistemas de Informação, 7(3),38-55.

Kiso, R. (n.d.). Guia de conhecimento para uma estratégia Web 2.0 de sucesso. Recuperado de http://www.scribd.com/doc/14537501/Guia-Completo-para-umaestrategia-WEB-20-de-sucesso

Kuczynski, E. (2014). Suicídio na infância e adolescência. Psicologia USP, 25(3), 246-252. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0103-6564D20140005

Lysardo-Dias, D. (2016). Narrativas de moradores de rua nas mídias sociais. Revista de Estudos da Linguagem, 26(.3), 25 - 52. doi: 10.17851/2237-2083.26.3.989-1013

Miguel, R. B. P. (2005). De “moça prendada” à “menina super-poderosa”: um estudo sobre as concepções de adolescência, sexualidade e gênero na revista Capricho (1952-2003) [Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina]. Recuperado de http://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/102248

Moromizato, M. S.,Ferreira, D. B. B., Souza, L. S. M., Leite, R. F., Macedo, F. N., & Pimentel, D. (2017). O Uso de Internet e Redes Sociais e a Relação com Indícios de Ansiedade e Depressão em Estudantes de Medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, 41(4), 497-504. doi: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v41n4rb20160118

Oliveira, T. S., Barreto, L. K. S., El-Aouar, W. A., Souza, L. A., & Pinheiro, L. V. S. (2017). Cadê meu celular? Uma Análise da Nomofobia no Ambiente Organizacional. Revista de Administração de Empresas, 57(6), 634-635. doi: 10.1590/s0034-759020170611

Orlowski, J. (Diretor). (2020). O Dilema das Redes [Filme]. Netflix

Pereira, M. N. (2015). A superexposição de crianças e adolescentes nas redes sociais: necessária cautela no uso das novas tecnologias para a formação de identidade. 3° Congresso Internacional de direito e contemporaneidade. Recuperado de http://coral.ufsm.br/congressodireito/anais/2015/6-14.pdf

Quintarelli, S. (2019). Instruções para um futuro imaterial. São Paulo: Editora Elefante.

Recuero, R. (2009). Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Recuperado de http://www.jornalistasdaweb.com.br/?pag=displayConteudo&idConteudoTipo=2&idConteudo=3964.

Schiavi, A., & Lorentz, M. (2016). Sites de redes sociais na contemporaneidade: percepções dos usuários sobre emoções, vivências e relações. Revista de psicologia da IMED, 8 (2): 133-141. DOI: 10.18256/2175-5027/psico-imed.v8n2p133-141

Thompson, J. B. (1995). Ideologia e Cultura Moderna – teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes. Tradução: Grupo de estudos sobre ideologia, comunicação e representações sociais da pós-graduação do Instituto de Psicologia da PUCRS.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.