Do governo pastoral à governamentalidade: crítica da razão política em Michel Foucault

Rone Eleandro Santos

Resumo


Com o presente artigo pretendemos demonstrar as questões levantadas por Michel Foucault sobre a temática do governo no curso Securité, Territoire, Population  proferido no Collège de France em 1977-1978. Veremos como para este filósofo governar não significa agir de forma a tornar o Estado uma entidade soberana e centralizada, mas é antes uma espécie de “pastoral” que, usando uma variedade de técnicas de controle, visa dirigir, sustentar e conhecer a fundo “todos e cada um” dos indivíduos. O “governo pastoral” é fruto da aproximação foucaultiana entre o pastorado cristão e uma nova maneira de governar surgida entre os séculos XVII e XVIII e denominada através de neologismo “governamentalidade”, onde o domínio de ação é calculado graças a uma série de instrumentos que compõem a nascente tecnologia de governo chamada polícia.

Palavras-chave


governo, poder pastoral, crítica da razão política, estado de polícia

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Rone Eleandro Santos

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/deed.pt

PERI - Revista de Filosofia
ISSN 2175-1811, Florianópolis,
Santa Catarina, Brasil
e-mail: revistaperi@contato.ufsc.br