Os limites da concepção de valor intrínseco de Dworkin na construção de uma ética ambiental

Tânia Aparecida Kuhnen

Resumo


O tema do presente estudo é a concepção de valor intrínseco apresentada por Dworkin. O objetivo consiste em evidenciar as limitações dessa concepção na tentativa de propor uma ética ambiental que assegure a proteção de animais não-humanos individualmente, de vegetais e de todos os elementos naturais que se inter-relacionam numa comunidade biótica e são necessários para assegurar o equilíbrio ambiental. Entende-se que a concepção de valor intrínseco sagrado proposta por Dworkin, embora possa ser aplicada há algumas espécies animais e ao meio ambiente, não se constitui num princípio imparcial e universalmente válido para garantir a devida proteção ao meio ambiente, uma vez que o autor admite que os seres humanos são seletivos e influenciados por uma rede de sentimentos e intuições na definição do que possui valor intrínseco sagrado ou inviolável,  e esse valor pode variar em graus.

PALAVRAS-CHAVE: ética ambiental; inviolabilidade; sacralidade; valor intrínseco.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Tânia Aparecida Kuhnen

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/deed.pt

PERI - Revista de Filosofia
ISSN 2175-1811, Florianópolis,
Santa Catarina, Brasil
e-mail: revistaperi@contato.ufsc.br