Por um "jogo conjunto entre natureza e humanidade”: crítica do progresso técnico e à exploração da natureza em Walter Benjamin

Autores

Palavras-chave:

Walter Benjamin, segunda técnica, exploração da natureza, marxismo, ecossocialismo

Resumo

Este artigo pretende examinar a relação íntima entre progresso técnico e exploração da natureza nas reflexões de Walter Benjamin a respeito do capitalismo. Tais reflexões se organizam em torno do par conceitual “primeira técnica”/”segunda técnica”, isto é, configurações distintas da mediação entre homem e natureza, que serão esmiuçadas ao longo da argumentação. Além disso, propõe-se uma análise crítica a respeito de algumas aproximações entre Benjamin e o ecossocialismo, empreendidas por Michael Löwy e Fábio Mascaro Querido, de modo a refletir sobre a atualidade de Benjamin em um cenário de crise ecológica tal como o que estamos enfrentando.

Biografia do Autor

Fernando Araujo Del Lama, Universidade de São Paulo

Doutorando em Filosofia na Universidade de São Paulo, com pesquisa sobre a noção de materialismo em Walter Benjamin, orientada pelo Prof. Ricardo Ribeiro Terra e apoiada financeiramente pela Fundaçãode Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), de acordo com o processo nº 2017/05560-5. 

Referências

AUTOR, 2019.

BENJAMIN, Walter. Gesammelte Schriften. Hrsg.: Rolf Tiedemann und Hermann Schweppenhäuser. 7 Bände. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1972-1991.

_______. Sobre o conceito de História. In: LÖWY, Michael. Walter Benjamin – aviso de incêndio. Uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. Tradução das teses: Jeanne Marie Gagnebin e Marcos Lutz Müller. São Paulo: Boitempo, 2005.

_______. Werke und Nachlaß. Kritische Gesamtausgabe – Band 8: Einbahnstraße. Herausgegeben: Detlev Schöttker. Berlin: Suhrkamp, 2009.

_______. Werke und Nachlaß. Kritische Gesamtausgabe – Band 19: Über den Begriff der Geschichte. Herausgegeben: Gérard Raulet. Berlin: Suhrkamp, 2010.

_______. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. Apresentação, tradução e notas: Francisco De Ambrosis Pinheiro Machado. Porto Alegre: Zouk, 2012.

_______. Experiência e pobreza. In: _______. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução: Sergio Paulo Rouanet; revisão técnica: Márcio Seligmann-Silva. São Paulo: Brasiliense, 2012a, pp. 123-128.

_______. Johann Jakob Bachofen. In: _______. O anjo da história. Organização e tradução: João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2012b, pp. 91-107.

_______. Rua de mão única, Infância berlinense: 1900. Edição e tradução: João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

_______. Werke und Nachlaß. Kritische Gesamtausgabe – Band 16: Das Kunstwerk im Zeitalter seiner technischen Reproduzierbarkeit. Herausgegeben: Burkhardt Lindner. Berlin: Suhrkamp, 2013.

_______. A obra de arte na época da possibilidade de sua reprodução técnica (5ª versão). In: _______. Estética e sociologia da arte. Edição e tradução: João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2017, pp. 7-47.

_______. Passagens. Edição alemã: Rolf Tiedemann; organização da edição brasileira: Willi Bolle; colaboração na organização da edição brasileira: Olgária Chain Féres Matos; tradução do alemão: Irene Aron; tradução do francês: Cleonice Paes Barreto Mourão; revisão técnica: Patrícia de Freitas Camargo; posfácios: Willi Bolle e Olgária Chain Féres Matos. Belo Horizonte: UFMG, 2018.

BENSAÏD, Daniel. Marx, manual de instruções. Tradução: Nair Fonseca. São Paulo: Boitempo, 2013.

BERDET, Marc. Walter Benjamin: la passion dialectique. Paris: Armand Colin, 2014.

BURKETT, Paul. Marx and nature: a red and green perspective. New York: St. Martin’s Press, 1999.

FOSTER, John Bellamy. A ecologia de Marx: materialismo e natureza. Tradução: Maria Teresa Machado. 4ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

KONDER, Leandro. Os marxistas e a arte: breve estudo histórico-crítico de algumas tendências da estética marxista. 2ª ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

LÖWY, Michael. Walter Benjamin crítico do progresso: à procura da experiência perdida; Alarme de incêndio: a crítica da tecnologia em Walter Benjamin. In: _______. Romantismo e messianismo: ensaios sobre Lukács e Walter Benjamin. Tradução: Myrian Veras Baptista e Magdalena Pizante Baptista. São Paulo: Perspectiva, 2008, pp. 189-213.

_______. Walter Benjamin, précurseur de l’ecossocialisme. Cahiers d’histoire. Revue d’histoire critique n. 130, 2016, pp. 33-39. Disponível em: <http://journals.openedition.org/chrhc/4909>. Acesso em: 29/08/2021.

_______. A revolução é o freio de emergência – atualidade político-ecológica de Walter Benjamin. In: _______. A revolução é o freio de emergência. Ensaios sobre Walter Benjamin. Tradução: Paolo Colosso. São Paulo: Autonomia Literária, 2019, pp. 139-148.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro III: O processo global da produção capitalista. Tradução: Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2017.

PALHARES, Taisa. Walter Benjamin: teoria da arte e reprodutibilidade técnica. In: NOBRE, Marcos (Org.). Curso livre de teoria crítica. Campinas: Papyrus, 2009, pp. 21-34.

QUERIDO, Fabio Mascaro. Revolução e (crítica do) progresso: a atualidade eco-socialista de Walter Benjamin. Lutas Sociais n. 23, 2009, pp. 68-79. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/index.php/ls/article/view/18932/14096>. Acesso em: 29/08/2021.

SAITO, Kohei. O ecossocialismo de Karl Marx: capitalismo, natureza e a crítica inacabada à economia política. Tradução: Pedro Davoglio. São Paulo: Boitempo, 2021.

Downloads

Publicado

2022-01-19