Sartre e a crítica à concepção clássica de liberdade

Josieli Aparecida Opalchuka

Resumo


O presente artigo apresenta a crítica sartriana à concepção clássica da liberdade, tendo em vista a concepção moderna e a determinista. Essa revisitação do pensamento clássico moderno torna-se estratégica no contexto do argumento central sartriano de que a liberdade não emana como um atributo substancial, mas se radica como projeto. Para tanto, recorreremos a Descartes, Espinosa e Leibniz. Quanto a Descartes optamos por refazer o caminho das Meditações, da primeira à quarta, evidenciando as principais noções de sua metafísica, a tomada do cogito e sua reflexão acerca da liberdade. Em seguida, serão expostas as críticas sartrianas à liberdade cartesiana, que estão expostas, especialmente, em Situações I. Em seguida, faremos uma breve exposição acerca da liberdade no contexto do determinismo, utilizando, para isto, Espinosa e sua concepção de substância primordial e Leibniz a partir da ideia de mônada. Com as noções destes autores acerca da liberdade, será então, exposta a crítica sartriana, reconstituindo, de maneira breve, a própria posição estabelecida em O Ser e o Nada, no qual Sartre discute o conceito de liberdade tendo como pano de fundo a discussão com Espinosa, mas, em especial, com Leibniz.


Palavras-chave


Liberdade; Substância; Determinismo; Fenomenologia;

Texto completo:

PDF

Referências


BATISTA, G. M. Deus e a física mecanicista como desafios à questão da liberdade humana em Descartes. Belo Horizonte, UFMG, 2006.

BELO, R. S. O paradoxo da liberdade: Psicanálise e história em Sartre. São Paulo: USP, 2006.

DESCARTES, R. Discurso do método. Trad. João da Gama. Lisboa: Edições 70, 1987.

_____. Princípios da Filosofia. Tradução de João da Gama. Lisboa: Edições 70, 1997

_____. Meditações metafísicas. Bento Prado Júnior. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Pensadores).

ESPINOSA, B. Ética demonstrada em ordem geométrica. Tradução de Roberto Brandão. s/d. Disponível em: https://bit.ly/2NIngke. Acesso em: 27/07/2018.

_____. Pensamentos metafísicos. Tradução e notas de M. S. Chauí. 2a ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Pensadores).

KANT, I. Crítica da razão pura. Tradução de Manuela Pinto dos Santos. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

LACERDA, T. M. Leibniz: liberdade e verdade. doispontos, Curitiba, São Carlos, vol. 11, n. 2, p.209-229, outubro, 2014

_____. A Liberdade de Leibniz. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, Série 3, v. 12, n. 1-2, p. 171-186, jan.-dez. 2002

LEIBNIZ, G. W. Discurso de metafísica. Tradução de João Amado. Lisboa: Edições 70, 1985.

_____. Novos ensaios sobre o entendimento humano. Tradução: Luiz João Baraúna. Volume I. São Paulo: Nova Cultural, 1988. (Coleção Os Pensadores).

SARTRE, J. P. L’ être et lê néant – essai d’ontologie phénoménologique. Paris: Gallimard, 1943.

_____. L’existencialisme est un humanisme. Présentation et notes par Arlette Elkaïm- Sartre: Paris: Gallimard, 1996.

_____. O existencialismo é um humanismo; A imaginação; Questão do método; seleção de textos de José Américo Motta Pessanha; traduções de Rita Correria Guedes, Luiz Roberto Salinas Forte, Bento Prado Junior. – 3.Ed. São Paulo: Nova Cultural, 1987 (Coleção Os Pensadores).

_____. O Ser e o Nada: ensaio de ontologia fenomenológica.Tradução de Paulo Perdigão. Petrópolis: Vozes, 2015.

_____. Situações I - Críticas literárias. Tradução de Cristina Prado. São Paulo, Editora CosacNaify.

SILVA, F. L. Descartes: a metafísica da modernidade. São Paulo: Moderna, 2005.

REZENDE, W. F. A liberdade em Espinosa. Natal: UFRN, 2006.

SOUZA, A. C. F. Razão e liberdade em Leibniz. São Paulo: USP, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Josieli Aparecida Opalchuka

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/deed.pt

PERI - Revista de Filosofia
ISSN 2175-1811, Florianópolis,
Santa Catarina, Brasil
e-mail: revistaperi@contato.ufsc.br