A passividade da consciência em Levinas: explorando uma fenda aberta por Husserl

Romulo Alessandro Ribeiro

Resumo


O presente artigo aborda certa leitura de Levinas acerca da fenomenologia que o leva a descobrir uma dimensão de passividade subjacente à noção de intencionalidade. Pareceu-nos oportuno mostrar, em linhas gerais, como essa noção de sujeito ativo foi se construindo e se consolidando na tradição filosófica até Husserl que, embora privilegiando a atividade da consciência via intencionalidade, deixa uma porta aberta para se pensar uma passividade algo anterior à própria intencionalidade e que a determina. Por fim, tentaremos mostrar como esse caminho aberto por Husserl foi trilhado por Levinas na tentativa de estabelecer uma nova base para a relação do Eu ao Outro. Antecipamos, contudo, que não se encontrará nesse trabalho uma análise da constituição da subjetividade segundo Levinas, que reservaremos a uma eventual pesquisa futura.

Palavras-chave


Levinas, Husserl, Subjetividade, Passividade, Consciência

Texto completo:

PDF

Referências


COSTA, Márcio Luis. Levinas: uma introdução. Petrópolis: Vozes, 2000. (Coleção ética e intersubjetividade).

DEPRAZ, Natalie. Compreender Husserl. Petrópolis: Vozes, 2007.

DESCARTES, R. Meditações metafísicas. São Paulo, SP: Editora Nova Cultural, 1999. (Coleção os Pensadores)

FABRI, M. Desencantando a ontologia: subjetividade e sentido ético em Levinas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1997.

______ Memória, repetição e ressurgimento do Si-Mesmo. In: SUSIN, Luiz Carlos [et AL] (Orgs). Éticas em diálogo: Levinas e o pensamento contemporâneo: questões e interfaces. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003. pp.79-95.

HEGEL, G.W.F. Fenomenologia do Espírito. Tradução de Paulo Meneses. 4ªed. Petrópolis, RJ. Vozes: Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2007.

HUSSERL, E. Ideias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica: introdução geral a uma fenomenologia pura. Tradução de Márcio Suzuki. Aparecida, SP: Ideias & Letras, 2006.

______ Meditações Cartesianas e Conferências de Paris. Rio de Janeiro: Forense, 2013.

KANT, I. Crítica da Razão Pura. 5ªed. Tradução de Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. Lisboa: Fundação Calouste, 2001.

LEVINAS, E. Entre nós: ensaios sobre a alteridade. 5ºed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

______ Totalidade e Infinito. Lisboa: Edições 70, 1980.

______ Humanismo do outro homem. 4ªed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

______ Descobrindo a existência com Husserl e Heidegger. Lisboa: Instituto Piaget, 1998.

______ De Deus que vem à ideia. Tradução de Pergentino Setfano Pivatto (et. al). Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

______ Éthique et Infini. 15ªed. Paris: Fayard/France Culture, 2009.

PELIZZOLI, M. L. Levinas: a reconstrução da subjetividade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

______ O Sujeito: Paixão e Páthos – Quando o excesso da alteridade habita o sujeito. In: SUSIN, Luiz Carlos (Org.). Éticas em diálogo: Levinas e o pensamento contemporâneo: questões e interfaces. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003

PEREIRA, R. H. de Sá. Consciência e Autoconsciência em Kant. Revista Índice [http://www.revistaindice.com.br], vol. 02, n. 02, 2010/ 2 ISSN 2175-6244. Acessado em 25/09/2018.

SANTORO, T.S. De Kant a Fichte: apercepção como fundamento. Cadernos de Filosofia Alemã. nº 09 | P. 71 - 90 | JAN-JUN 2007.

SILVA, M. M. Hegel e o problema do Saber absoluto na Fenomenologia do Espírito: Ou, de como a consciência-de-si do Espírito se torna objeto de sua consciência? Disponível em: https://revistas.ufpr.br/contradictio/article/download/12038/8453. Acessado em 25/09/2018.

SOUZA, J. T. B. A impugnação da liberdade em Levinas. Ágora filosófica. Ano 1, nº1, jan-jun/2001.

______ Subjetividade e Intersubjetividade em Husserl e Levinas. In: SUSIN, Luiz Carlos (Org.). Éticas em diálogo: Levinas e o pensamento contemporâneo: questões e interfaces. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.

SOUZA, R.T. A inversão ética da intencionalidade: ética e metafenomenologia na obra de Emmanuel Levinas. Conjectura, Caxias do Sul, v.4, n. 1/2, pp. 7-37, jan/dez. 1999.

TORRES, J. V. A consciência infeliz em Hegel: significação e presença no pensamento contemporâneo. Ágora Filosófica. Ano 1, nº1, jan-jun/2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Romulo Alessandro Ribeiro

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR

PERI - Revista de Filosofia
ISSN 2175-1811, Florianópolis,
Santa Catarina, Brasil
e-mail: revistaperi@contato.ufsc.br