Do Corpo à Carne: Merleau-Ponty e a Radicalização do Sensível

Renato dos Santos

Resumo


O propósito deste artigo é apresentar a radicalização que Merleau-Ponty realiza em torno da noção de sensível em sua “ontologia madura”. Sustenta a tese de que a noção de “carne”, enquanto Gestalt, propicia ao filósofo superar qualquer resquício de subjetivismo, que, inclusive, sua obra inicial não deixou de reproduzir, em certa medida. Por fim, mostra, ainda, como a carne torna possível pensar um novo estatuto de subjetividade, enquanto encarnada no mundo.


Palavras-chave


Sensível, Corpo próprio, Carne, Reversibilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


CARBONE, M. A imagem entre ausência e precessão. In. SILVA, C. A. F.; MÜLLER-GRANZOTTO, M. J. (Orgs.). Merleau-Ponty em Florianópolis. Porto Alegre: Editora Fi, 2015. p. 19-36.

HUSSERL, E. Idées directrices pour une phenomenologie et une philosophie phenoménologique pures. Livre second: Recherches phénoménologiques pour la constitution. Paris: PUF, 1996.

MERLEAU-PONTY, M. Signos. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

_________. L’institution, la passivité: notes de cours au Collége de France (1954-1955). Paris: Belin, 2003.

_________. Fenomenologia da percepção. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

_________. O visível e o invisível. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2014a.

_________. O olho e o espírito. São Paulo: Cosac & Naify, 2014b.

SANTOS, R. O quiasma do mundo: a questão da alteridade em Merleau-Ponty. Curitiba: CRV, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Renato dos Santos

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/deed.pt

PERI - Revista de Filosofia
ISSN 2175-1811, Florianópolis,
Santa Catarina, Brasil
e-mail: revistaperi@contato.ufsc.br