A construção do inimigo: É tempo de guerra, medo e silêncio

Fabiane Santos

Resumo


O espírito de identidade nacional esteve nas bases das comunidades teuto-brasileiras e a valorização da língua foi uma forma de cultivar seus costumes e tradições. Durante a Segunda Guerra Mundial quando o Brasil vivia sob a égide do Estado Novo, regime implantado por Getúlio Vargas a partir de 1937, estas comunidades foram vítimas de um projeto nacionalista, que propunha um país unitário e ignorava a pluralidade cultural, dotado de uma política autoritária e excludente. O propósito deste artigo é discutir a forma como os imigrantes alemães, no estado de Santa Catarina, deixaram de ser um exemplo de trabalho a ser seguido e se tornaram um perigo para a nação.

Palavras-chave


Língua; Alemães; Guerra; Medo

Texto completo:

PDF


Revista Santa Catarina em História - Florianópolis - UFSC - Brasil ISSN 1984-3968