Feiras Livres da agricultura familiar: desafios e oportunidades no município de Chapecó-SC

Juliano Luiz Fossá, Cássia Heloisa Ternus, Rosana Maria Badalotti

Resumo


O objetivo desta pesquisa constitui-se em identificar os desafios e oportunidades na operacionalização das feiras livres da agricultura familiar no município de Chapecó-SC. Em termos metodológicos esta investigação caracteriza-se como sendo uma pesquisa qualitativa. Quanto à técnica da coleta dados, utilizou-se a aplicação de questionário estruturado. Neste sentido, foram aplicados questionários com 59 feirantes familiares no município de Chapecó-SC, no período compreendido entre abril e maio de 2018. Entre os principais resultados, foram identificadas, quanto aos desafios, as seguintes questões: 23,7% apontaram para o espaço estrutural das feiras; 18,6% afirmaram que as péssimas condições das estradas do interior são o maior problema; 18,6% relacionam o principal desafio ao baixo volume das vendas; 16,9% dos feirantes entrevistados apontam o projeto de lei em tramitação na câmara de vereadores como entrave – futuro – à permanência na atividade. Quanto às oportunidades de melhoria nas condições gerais das feiras municipais, a divulgação foi o item mais recorrente, pois, 30,5% dos entrevistados afirmaram ser este o principal “caminho” para aumento das vendas. Na sequência, a melhoria da estrutura da feira – espaço de venda, estacionamento e banheiros -, com 16,9% dos posicionamentos. 11,9% dos feirantes entrevistados consideram que o apoio do governo municipal por meio de ações específicas pode constituir-se em significativa oportunidade para melhoria das condições dos feirantes no município de Chapecó-SC. Por fim, considera-se que as feiras livres da agricultura familiar no município de Chapecó-SC apresentam um histórico importante enquanto um espaço de comercialização de produtos da agricultura familiar. 

Palavras-chave


Feira-Livre. Agricultura Familiar. Chapecó-SC.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRAMOVAY, R. Entre Deus e o diabo: mercados e interação humana nas ciências sociais. Tempo Soc., São Paulo , v. 16, n. 2, p. 35-64, nov. 2004 .

BADALOTTI, R. M. A cooperação agrícola e a agroecologia como base para a viabilização da agricultura familiar no oeste catarinense: o papel da APACO (Associação dos Pequenos Agricultores do Oeste Catarinense) e demais agentes sociais. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

BADALOTTI, R. M. et al. Reprodução social da agricultura familiar e juventude rural no Oeste Catarinense. Artigo apresentado ao VII RAM - UFRGS, Porto Alegre, Brasil, 2007. Disponível em . Acesso em: 26. jun.2013.

CANCELIER, Janete W. A agricultura familiar como agente produtora do espaço rural no município de Chapecó – SC. 2007. 146 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina. 2007.

DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

GAZOLLA, Márcio e SCHNEIDER, Sérgio. (Orgs.). Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas: negócios e mercados da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2017.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em: 24 de jul. de 2018.

KUNZLER, Lauri Luiz; BADALOTTI, Rosana Maria. Cooperação alternativa como estratégia de viabilização da agricultura familiar: o caso da Cooperativa Central Sabor Colonial. Desenvolvimento em Questão, [S.l.], v. 15, n. 39, p. 320-352, maio 2017. ISSN 2237-6453. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2018.

LAMARCHE, H. (coord). Agricultura Familiar. Volume I - Uma realidade multiforme. Campinas: Editora da UNICAMP, 1993.

LOCATELLI, D. P. S. Avaliação da qualidade da feira de produtos coloniais e agroecológicos de Chapecó – centro 1 por parte dos consumidores. 89 p. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, 2009.

PAVAN, Daiane. Ambiente institucional para o fortalecimento da agricultura familiar: estudo de caso com agricultores participantes de feiras livres. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Oeste de Santa Catarina, 2014.

PLEIN, C. As metamorfoses da agricultura familiar: o caso do município de Iporã d’Oeste, Santa Catarina. Dissertação de mestrado, UFRGS, Porto Alegre, 2003.

_____. A modernização da agricultura brasileira e seus efeitos sobre a agricultura familiar no oeste catarinense. In: Revista Faz Ciência, Unioeste, Vol. 08, n. 01, 2006, p. 35-72.

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens da nossa época. Rio de Janeiro: Campus, 2012.

RADOMSKY, G. F. W. Reciprocidade , redes sociais e desenvolvimento rural. In: SCHNEIDER, S. (org.) A diversidade da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006. p. 104-133

RADOMSKY, G.; SCHNEIDER, S. Nas teias da economia: o papel das redes sociais e da reciprocidade nos processos locais de desenvolvimento. Soc. estado., Brasília , v. 22, n. 2, p. 249-284, Aug. 2007 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010269922007000200003&lng=en.

RENTING, Henk; MARSDEN, Terry e BANKS, Jo. Compreendendo as redes alimentares alternativas: o papel de cadeias curtas de abastecimento de alimentos no desenvolvimento rural. In: Gazolla, Márcio e Schneider (Orgs.). Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas: negócios e mercados da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2017. pp.27-51.

SABOURIN, E. Dádiva e reciprocidade nas sociedades rurais contemporâneas . In: Encontro norte e nordeste de Ciências Sociais, 11, 2003, Aracajú, Anais... Aracajú: UFS, 2003, v.1, p.1-26

SABOURIN, E. Práticas sociais, políticas públicas e valores humanos. In: SCHNEIDER, S. (org.) A diversidade da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006. p. 215-239.

SCHNEIDER, Sérgio. Situando o desenvolvimento rural no Brasil: o contexto e as questões em debate. Rev. Econ. Polit., São Paulo , v. 30, n. 3, p. 511-531, Sept. 2010 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31572010000300009&lng=en&nrm=iso

_____; ESCHER, F.. A contribuição de Karl Polanyi para a sociologia do desenvolvimento rural. In: Sociologias, Porto Alegre, ano 13, n. 27, mai.ago. 2011, p.180-219.

SCHNEIDER, Sérgio; Gazolla, Márcio. Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas. In: GAZOLLA, Márcio e SCHNEIDER, Sérgio. (Orgs.). Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas: negócios e mercados da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2017. Pp. 09-24.

VASQUES, Samuel Tafernaberri. Dinâmicas sócioeconômicas na prática dos feirantes agricultores familiares de Chapecó – SC. Dissertação (Mestrado) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rev. NECAT, ISSN 2317-8523, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.