Formação do complexo e do sistema estatal catarinense

Alcides Goularti Filho

Resumo


Este ensaio trata de um esforço intelectual cujo objetivo é historicizar a trajetória das estatais de Santa Catarina ao longo do século XX e início do XXI a partir da definição de três categorias de análises: estatal enquanto “unidade isolada” de 1918-1948; a formação do “complexo estatal”, dividido em duas fases de 1948 a 1961 (ausência do planejamento) e 1961 a 1975 (fundada no planejamento); e a constituição do “sistema estatal” pós-1975. O esforço concentra-se na tentativa de periodizar essa longa trajetória das estatais, observado as descontinuidades e as predominâncias em cada período. Por fim, como síntese do movimento geral, busco compreender a longevidade e as permanências das estatais na economia e na sociedade catarinense. Minha hipótese central reside no caráter conservador e no pacto de poder estabelecidos entre as elites catarinenses.


Palavras-chave


Estatais, desenvolvimento, Santa Catarina

Texto completo:

PDF/A

Referências


DAIN, Sulamis. Empresa estatal e capitalismo contemporâneo. Campinas: Editora da Unicamp, 1986.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, v. 1, 1994.

GOULARTI FILHO, Alcides. Formação econômica de Santa Catarina. Florianópolis: Editora da UFSC, 2016.

HILFERDING, Rudolf. O capital financeiro. São Paulo: Nova Cultura (Coleção Os economistas), 1985.

POULANTZAS, Nicos. O estado, o poder, o socialismo. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

TAVARES, Maria da Conceição. Acumulação de capital e industrialização no Brasil. Campinas: IE/Unicamp, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rev. NECAT, ISSN 2317-8523, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.