Secretaria de Desenvolvimento Regional de Rio do Sul e os recursos públicos aplicados na região no período de 2004 a 2007

Luiz Alberto Neves

Resumo


O artigo em pauta apresenta uma perspectiva para a análise da atuação da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Rio do Sul, no período de 2004 a 2007, em comparação com o período de 2000 a 2003, em relação a recursos recebidos do Estado pela região, composta pelos seguintes municípios: Agronômica, Braço Trombudo, Laurentino, Mirim Doce, Pouso Redondo, Rio do Campo, Rio do Oeste, Rio do Sul, Salete, Santa Terezinha, Taió e Trombudo Central. Os diversos problemas regionais teoricamente não podem ser adequadamente examinados, sem adotar um tipo de enfoque centrado nos atores locais que observe como os diferentes grupos e categorias sociais percebem os processos e os problemas relacionados à região. O foco de atenção para deste artigo é o volume de recursos recebidos pela região após a implantação da SDR, a forma como será distribuído entre os municípios e qual o critério utilizado pelo Conselho de Desenvolvimento Regional no destino destes recursos. Utiliza-se a ótica de autores sobre o desenvolvimento regional para o entendimento de como a descentralização pode promover o desenvolvimento da região. Partindo-se deste marco teórico, apresentam-se dados relativos ao investimento do Estado na região que visa dinamizar a economia regional. Conclui-se que o volume de recursos aumentou consideravelmente para a região a partir da implantação da SDR embora pareça prevalecer a influencia política a direcioná-lo

Palavras-chave


região, desenvolvimento regional, recursos do Estado.

Texto completo:

PDF

Referências


CETRELLA JUNIOR, José. Empresa pública. São Paulo: Bushatsky, 1973.

RANDOLPH, Rainer, REVISTA ELECTRÓNICA DE GEOGRAFÍA Y CIENCIAS SOCIALES. A Nova Perspectiva do Planejamento Subversivo e Suas (Possíveis)

Implicações para a Formação do Planejador Urbano e Regional – O Caso Brasileiro. Universidad Barcelona. 2008

______. Tratado de direito administrativo. Rio de Janeiro: Forense, 1967, v. 3.

SANTA CATARINA, (1999/2002: Governador Esperidião Amin/Paulo Bauer) Plano de Governo. Florianópolis: Secretaria, 1999.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993.

SIEBERT, Claudia Freitas. Panorama do Planejamento Regional em Santa Catarina: Da centralização à construção da solidariedade Regional - Blumenau: Ed. da FURB, 2001.

SOUZA, Celina. Intermediação de Interesses Regionais no Brasil: O Impacto do Federalismo e da Descentralização. v. 41 n. 3, Rio de Janeiro: 1998.

THEIS, Ivo Marcos; BUTZKE, Luciana. Planejamento e desenvolvimento desigual em Santa Catarina. Anais do 7º Colóquio de Transformações Territoriais. Curitiba: 2008.

TURNES, V.; ROSA, S. L. C.; TEIXEIRA, J. P.; REBESCHINI, P. R.; JORDAN, A. G.; PIRES, A.; DAMO M. S. Projeto Meu Lugar. Transformar regiões administrativas em territórios de desenvolvimento. Florianópolis: 2004.

VAINER, C. B. As escalas do Poder e o Poder das Escalas: O Que Pode o Poder Local? In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR, 2001, Rio de Janeiro: Anais: Ética, Planejamento e Construção Democrática do Espaço. v. 1. Rio de Janeiro: ANPUR, 2001.

VAINER, C. B; SMOLKA, M.O. Em tempos de liberalismo: Tendências e desafios do planejamento urbano no Brasil. In: PIQUET, R; RIBEIRO, A.C.T. (org). Brasil, território da desigualdade: descaminhos da modernização. Rio de Janeiro: Zahar, 1991.

VEIGA, José Eli, Cidades Imaginárias. O Brasil é menos urbano do que se calcula. Campinas: Autores Associados, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rev. NECAT, ISSN 2317-8523, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.