O nordeste catarinense: uma abordagem a partir da ideia de região de aprendizagem

Fabiano Rodolfo

Resumo


O artigo aborda a dinâmica econômica da região nordeste de Santa Catarina a partir de elementos da noção de região de aprendizagem (learning region). Trata-se de uma região que está posicionada entre as economicamente mais dinâmicas do estado, abrigando em seus limites territoriais importantes pólos industriais catarinenses, entre os quais destaca-se o metal-mecânico. A longa tradição manufatureira da região, em particular nesse segmento, criou condições para a constituição de um pólo industrial importante em termos nacionais, um tecido produtivo espesso que hoje é objeto de vultosos investimentos, em particular de empresas automobilísticas, como a General Motors (GM) e Bayerische Motoren Werke (BMW). A região conta com associações e instituições de ensino que formam um grosso tecido institucional que alimenta, na região, processos de aprendizagem, permitindo que a mesma se diferencie em relação às demais regiões do estado, sendo favorecida em termos de desempenho econômico. As instituições de ensino oferecem uma grande gama de cursos voltados à formar mão-de-obra qualificada para atuar na indústria local. As associações procuram fomentar as relações entre os agentes privados, formando fóruns e grupos de empresas para discussão de problemas comuns. No entanto, essas relações são ainda fracas, prevalecendo na região o mecanismo de mercado como sistema de governança. A falta de confiança entre os agentes, principalmente entre as micro e pequenas empresas, constitui um entrave importante para o melhor desempenho da região. Promover a cooperação e a intensificação das relações entre os agentes parece constituir, nesse sentido, uma tarefa a ser desempenhada pelo poder público na região, em particular pelas Secretarias de Desenvolvimento Regional (SDRs) que ali estão presentes.

Palavras-chave


PALAVRAS-CHAVE Agricultura familiar Brasil Comércio exterior Demografia Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento regional Desindustrialização Economia Catarinense Economia Solidária Economia Verde Economia catarinense Florianópolis Mercado de Trabalho

Texto completo:

PDF

Referências


ACIJ. Associação Comercial e Industrial de Joinville. Disponível em http://www.acij.com.br/. 2013.

AJORPEME. Associação de Joinville e Região da Pequena, Micro e Média Empresa. Disponível em http://ajorpeme.com.br/index/. 2013

BAKKAR, M. A indústria eletrometal-mecânica da região de Joinville: do aglomerado industrial ao arranjo produtivo local. Tese de Mestrado em economia. Curitiba: UFPR – Universidade Federal do Paraná, 2009.

CAGED. Cadastro geral de empregados e desempregados. Disponível em http://bi.mte.gov.br/bgcaged/caged_perfil_municipio/index.php. 2013.

CAMPOS, R.R.; CÁRIO, S.A.F.; NICOLAU, J.A.; LINS, H.N.; BARBOSA, C.R.F. Reestruturação industrial e aglomerações setoriais locais em Santa Catarina. In. VIEIRA, P.F. (Org.) A pequena produção e o modelo catarinense de desenvolvimento. APED Editora: Fpolis, 2002.

CAMPOS, R.R.; BATSCHAUER, J.; STALLIVIERI, F. O arranjo eletrometal-mecânico da microrregião de Joinville: a transição para um sistema produtivo e inovativo local.

SEBRAE/UFSC/NEITEC, 2004.

COURLET, C. L’Économie territoriale. Grenoble : PUG, 2008.

FUJITA, M.; KRUGMAN, P.; VENABLES, A.J.. The Spatial Economy. MIT: 2001.

FIESC-IEL. Instituto Euvaldo Lodi SC: Apresentação. Disponível em: http://www.ielsc.org.br/web/pt/info/apresenta-ao. Acesso em 2013.

FIESC-SENAI. Disponível em http://www.sc.senai.br/. Acesso em 2013.

GARAFOLI, G. Economic development, organization of production and territory. In: Revue d'économie industrielle. pp. 22-37. Vol. 64. 2e trimestre de 1993.

GM. GM Inaugura a fábrica sustentável de Joinville (SC). Disponível em: http://www.chevrolet.com.br/chevrolet-world/news/gm-inaugura-a-fabrica-sustentavel-dejoinville--sc.html. 2013.

GOULARTI FILHO, A. e MORAES, F.F. de. A construção dos caminhos da erva-mate em Santa Catarina: combinação e sobreposição de transportes. Anais do IV Encontro de Economia Catarinense. Criciúma: 2010.

IBGE. Produto Interno Bruto dos municípios. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/pibmunicipios/2011/default.shtm. 2013.

IBGE. Estimativas de População. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2013/default.shtm 2013a.

KALB, C. H. e CARELLI, M.N.. Memória dos Ferramenteiros em Joinville-SC. In: ANAIS VI Colóquio Latino Americano sobre Recuperação e Preservação do Patrimônio Industrial. v. 1. p. 01-14. São Paulo: TICCIH, 2012.

LINS, H. N. A região de aprendizagem como temática e ângulo de observação. In: Revista Nova Economia. Belo Horizonte - 17 (1), p. 127-162. Janeiro-abril de 2007

LUNDVALL, B.-Å. Why the New Economy is a Learning Economy. In: Economia e Politica Industriale : Rassegna trimestrale diretta da Sergio Vaccà, (Nr. 117), pp 173-185. 2003.

LUNDVALL, B.; BORRÁS, S. The globalising learning economy: implications for innovation policy. Brussels: European Commission, Directorate General XII – Science, Research & Development, 1997.

MORGAN, K. The learning region: institutions, innovation and regional renewal. Regional Studies, v. 31, n. 5, p. 491-503, 1997.

PECQUEUR, B. Le développement local – pour une économie des territoires. 2ème éd. Paris: Syros, 2000.

PECQUEUR, B. O desenvolvimento territorial: uma nova abordagem dos processos de desenvolvimento para as economias do Sul. Raízes, Campina Grande, nº 01-02, p. 10-22, jan. /dez. 2005.

STORPER, M. The regional world: territorial development in a global economy. New York: The Guilford Press, 1997.

SAAVEDRA, J. Nove de março, uma convenção histórica. In: AN. 09/03/1999. Disponível em http://www1.an.com.br/jville99/his01.htm.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rev. NECAT, ISSN 2317-8523, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.