O comportamento da indústria catarinense a partir dos resultados da balança comercial entre 2000-2008

Autores

  • Ângelo Brião Zanela Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Cássio Andrei Bortoluzzi
  • Rosemari Fatima Orlowski Universidade Federal da Fronteira Sul

Palavras-chave:

Indústria Catarinense, Plano Real, Balança Comercial

Resumo

As diversidade regional de Santa Catarina, tanto por meio dos aspectos geográficos e sociais como econômicos, contribui para a dinamicidade de sua estrutura econômica. Desde sua ocupação, as diferentes regiões foram se moldando em função das atividades econômicas nelas desenvolvidas. Atualmente o estado possui grande importância no cenário nacional no que tange ao comércio exterior. Neste sentido, o presente estudo analisa a formação e expansão dos setores alimentício, têxtil, metal-mecânico e cerâmico, além de identificar o comportamento desses setores no saldo da balança comercial do estado. O setor alimentício, atualmente base da economia do oeste catarinense, desenvolveu-se a partir da produção de excedente dos colonizadores que mais tarde passaram a fazer parte do processo de integração com as agroindústrias. O setor têxtil é o mais antigo no estado e também o mais afetado pelo processo de abertura comercial. O setor metal-mecânico surgiu articulado ao ciclo ervateiro e se consolidou com a expansão da economia nacional a partir da década de 1970. O setor cerâmico, que se desenvolveu na região sul tomando espaço da atividade carvoeira, é impulsionado pela expansão da construção civil no mercado interno. O processo de industrialização em Santa Catarina se intensifica com o processo de industrialização nacional, muito no sentido de atender às necessidades internas e posteriormente volta-se para a exportação. Da mesma forma, as políticas voltadas à desnacionalização da indústria irão se refletir no estado. Com a moeda nacional valorizada, medida adotada visando aumentar as importações e conter os preços internos, o saldo da balança comercial do estado se reduziu drasticamente. Constatou-se que o processo de abertura comercial afetou de forma desigual os segmentos industriais, sendo que o setor têxtil foi o mais prejudicado. Entre os setores analisados, o alimentício e metal-mecânico ganharam espaço na balança comercial do estado, enquanto que se observou significativa retração dos setores têxtil e cerâmico. 

Biografia do Autor

Ângelo Brião Zanela, Universidade Federal da Fronteira Sul

Professor do Curso de Administração da UFFS/Campus Chapecó; Mestre em Economia de Empresas/UFP

Cássio Andrei Bortoluzzi

Bacharel em Ciências Econômicas/Unochapecó

Rosemari Fatima Orlowski, Universidade Federal da Fronteira Sul

Acadêmica do Curso de Administração da UFFS/Campus Chapecó. Bacharel em Ciências Econômicas/Unochapecó; Mestre em Desenvolvimento Regional/UNISC

Referências

ALBA, Rosa S. Espaço urbano: os agentes da produção em Chapecó. Chapecó: Argos, 2002.

BELLUZZO, Luis Gonzaga; ALMEIDA, Júlio Gomes de. A economia brasileira da crise da dívida aos impasses do real. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. 411 p.

BOSSLE, Ondina Pereira. História da industrialização catarinense: das origens a integração no desenvolvimento brasileiro. Edição Comemorativa, 1988. 155 p.

CARNEIRO, Ricardo. Desenvolvimento em crise: a economia brasileira no último quarto do século XX. São Paulo: Unesp, 2002. 423 p.

CUNHA, Idaulo José. O salto da indústria catarinense: um exemplo para o Brasil. Florianópolis: Paralelo 27, 1992. 295 p.

DIEESE. Indicadores econômicos e sociais na indústria metal-mecânica de Santa Catarina. Disponível em: <http://www.dieese.org.br/cedoc/025256.pdf>. Acesso em: 03 dez. 2009.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Diagnóstico do Setor Exportador Catarinense. Florianópolis: FIESC, 2007.

GOULARTI FILHO, Alcides. Formação econômica de Santa Catarina. Florianópolis: UFSC, 2007. 473 p.

LACERDA, Antônio Corrêa de et al. Economia brasileira. São Paulo: Saraiva, 2005. 295 p.

Downloads

Publicado

2020-11-19