Burguesia dependente e as bases de construção da hegemonia no Brasil

Isabela Ramos Ribeiro

Resumo


O presente artigo busca discutir como a burguesia dependente brasileira constrói sua hegemonia a partir de sua organização no âmbito da sociedade civil. Persegue-se, então, o objetivo de verificar como as demandas das frações burguesas se expressam em alterações nas políticas econômicas e sociais. Para isso, foi realizada pesquisa bibliográfica e documental, com análise dos documentos das entidades da classe burguesa que representam suas frações industrial (CNI), agrária (CNA), comercial (CNC) e bancário-financeira (Febraban). A pesquisa evidenciou os limites do projeto de conciliação de classes baseado no momento econômico internacional favorável, com seu respectivo esgotamento, e a forma de atuação da burguesia dependente no contexto de crise que culminou no golpe sobre o governo Dilma. Foi possível demonstrar os enlaces da política econômica com o pacto de classes do Plano Real, bem como o papel das políticas sociais na retomada da acumulação e na recomposição da hegemonia, com a consequente perpetuação da dependência.


Texto completo:

PDF

Referências


ANAC. Concessões. Disponível em: https://www.anac.gov.br/assuntos/paginas-tematicas/concessoes. Acesso em 20/05/2020.

ARUTO, Pietro Caldeirini. Padrão de reprodução do capital e superexploração da força de trabalho no Brasil (2003-2016): uma análise em múltiplas dimensões espaciais. Tese de doutorado – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Economia. Campinas, 2019.

BEHRING, Elaine Rossetti. Brasil em Contra Reforma. Desestruturação do Estado e Perda de Direitos. São Paulo: Cortez, 2003.

BIANCHI, Álvaro. Hegemonia em construção: a trajetória do Pensamento Nacional das Bases Empresariais. São Paulo: Xamã, 2001.

BOITO JR, Armando. Reforma e crise política no Brasil: os conflitos de classe nos governos do PT. Campinas: Editora da Unicamp/ São Paulo: Editora Unesp, 2018.

BREDA, Diógenes Moura. Revolução científico-técnica e divisão internacional do trabalho: elementos para a análise da dependência tecnológica na América Latina. Monografia de conclusão do curso de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2011.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Empresários, o governo do PT e o desenvolvimentismo. Rev. Sociol. Polit., Curitiba, v. 21, n. 47, p. 21-29, Set. 2013.

BRETTAS, Tatiana. Capitalismo dependente, neoliberalismo e financeirização das políticas sociais no Brasil. Temporalis, Brasília (DF), ano 17, n. 34, jul./dez. 2017.

CHANG, Ha-Joon. Chutando a escada: a estratégia do desenvolvimento em perspectiva histórica. Tradução Luiz António Oliveira de Araújo. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

CISLAGHI, Juliana Fiuza. Elementos para a crítica da economia política da saúde no Brasil: parcerias público-provadas e valorização do capital. Tese de doutorado – Faculdade de Serviço Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2015.

CISLAGHI, Juliana Fiuza. A categoria “serviços” na tradição marxista e o debate sobre os serviços na atualidade. In: BOSCHETTI, Ivanete; BEHRING, Elaine; LIMA, Rita de Lourdes. Marxismo, política social e direitos. São Paulo: Cortez, 2018. p. 113-132.

CNA [2014]. O que esperamos do próximo presidente 2015-2018. / Sistema CNA – Brasília: Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, 2014. Disponível em: http://www.canalrural.com.br/noticias/agricultura/encontro-cna-confira-propostas-apresentadas-pelos-presidenciaveis-para-agronegocio-8894.

CNA [2018]. Desburocratizar para crescer. O agronegócio nacional e os seus aspectos burocráticos: desafios para promoção da competitividade. Disponível em: https://www.cnabrasil.org.br/documentos-tecnicos/desburocratizar-para-crescer

CNA. Quem somos. Disponível em: https://www.cnabrasil.org.br/cna/quem-somos-cna. Acesso em 08/03/2020.

CNC [2010]. A CNC e os desafios do Brasil. Rio de Janeiro: CNC, 2010. 82p. Disponível em: http://cnc.org.br/central-do-conhecimento/livros/cnc-e-os-desafios-do-brasil.

CNC [2015]. Terceirização: considerações sobre a terceirização na sociedade contemporânea / Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. – Brasília: CNC, 2015. 18 p. Disponível em: http://www.cnc.org.br/temas-de-interesse-do-comercio.

CNC [2016]. Artigo do Presidente [471A]: A CNC e o novo governo. Publicado em 27/04/2016. Disponível em: http://cnc.org.br/editorias/economia/sumario-economico-1444.

CNC [2018]. Artigo do Presidente [495A]: Aviso aos navegantes. Publicado em 09/10/2018. Disponível em: http://cnc.org.br/editorias/politica/artigos/aviso-aos-navegantes.

CNC. História. Disponível em: http://www.cnc.org.br/sobre/historia. Acesso em 08/03/2020.

CNI [2012]. Confederação Nacional da Indústria. 101 propostas para modernização trabalhista/ Emerson Casali (Coord.). Brasília: CNI, 2012. 136 p. Disponível em: http://www.portaldaindustria.com.br/publicacoes/2013/2/101-propostas-para-modernizacao-trabalhista/.

CNI [2014]. Propostas da indústria para as eleições 2014. – Brasília: CNI, 2014. 276 p. Disponível em: http://www.portaldaindustria.com.br/publicacoes/2014/11/propostas-da-industria-para-as-eleicoes-2014/#propostas-da-industria-para-as-eleicoes-2014-caderno-42-desenvolvimento-regional-agenda-e-prioridades%20.

CNI [2018]. Agenda para o Brasil sair da crise 2016-2018: balanço final das propostas/ Confederação Nacional da Indústria –Brasília: CNI, 2018. 62 p. Disponível em: http://www.portaldaindustria.com.br/publicacoes/2017/3/agenda-para-o-brasil-sair-da-crise-2016-2018/#agenda-para-o-brasil-sair-da-crise-2016-2018.

CNI. Pauta Mínima da Indústria. http://www.portaldaindustria.com.br/cni/canais/assuntos-legislativos/produtos/agenda-legislativa/#agenda-legislativa-da-industria-2014-pauta-minima%20. Acesso em 27/11/2019.

CNI. Institucional. Disponível em: http://www.portaldaindustria.com.br/cni/institucional/sindicatos-por-estado/. Acesso em 08/03/2020.

DELGADO, Guilherme Costa. Economia do agronegócio (anos 2000) como pacto do poder com os donos da terra. Revista da Associação Brasileira de Reforma Agrária – ABRA, edição especial, julho de 2013.

DEMIER, Felipe. Depois do golpe: a dialética da democracia blindada no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X, 2017.

EPSJV/Fiocruz [2016]. Entrevista: Luiz Roberto Moraes. Publicado em 17/08/2016. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/noticias/entrevista/o-saneamento-basico-passou-a-ser-um-novo-ambiente-de-negocios Acesso em 05/01/2020.

FEBRABAN [2012]. Relatório Anual 2012. Disponível em: https://cmsportal.febraban.org.br/Arquivos/documentos/PDF/Febraban_RA2012_11.pdf.

FEBRABAN [2015]. Relatório Anual 2015. Disponível em: https://relatorioanual2015.febraban.org.br/pt/download/Febraban-RAO-2015.pdf.

FEBRABAN [2016]. Relatório Anual 2016. Disponível em: https://relatorioanual2016.febraban.org.br/pt/index.htm.

FEBRABAN [2018]. Relatório Anual 2018. Disponível em: https://relatorioanual2018.febraban.org.br/pt/index.html.

FEBRABAN. A Febraban. Disponível em: https://portal.febraban.org.br/pagina/3031/9/pt-br/institucional. Acesso em 08/03/2020.

FERNANDES, Rafaela Bezerra. Da conquista ao desmonte: um estudo sobre os (des)caminhos da política de saúde em tempos de EBSERH. Dissertação de mestrado – Programa de Pós-Graduação em Política Social, Universidade de Brasília. Brasília, 2017.

FILGUEIRAS, Luiz; GONÇALVES, Reinaldo. A economia política do governo Lula. Rio de Janeiro: Contraponto, 2007.

FONTES, Virgínia. Hegemonismos e política. In: MATTOS, Marcelo Badaró (org.). Estado e formas de dominação no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Consequência Editora, 2017. p. 207-236.

FRANK, Andre Gunder. Lumpenburguesía: lumpendesarollo. 3ª ed. México: Serie Popular Era, 1978.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Volume 3. Tradução de Carlos Nelson Coutinho com a colaboração de Luiz Sergio Henriques e Marco Aurélio Nogueira. 9ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019.

KHAIR, Amir [2010]. Investimento x custeio. Publicado em 25/04/2010. https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,investimento-x-custeio,542628. Acesso em 30/10/2019.

LINHARES, Marília Carvalho. As implicações da contrarreforma trabalhista na relação capital e trabalho no Brasil. Monografia de conclusão do curso de Serviço Social, Universidade de Brasília. Brasília, 2019.

MANCEBO, Deise; VALE, Andréa Araujo do. Expansão da educação superior no Brasil e a hegemonia privado-mercantil: o caso da unesa. Educ. Soc., Campinas , v. 34, n. 122, p. 81-98, Mar. 2013.

MARE. Plano Diretor da Reforma do Estado. Brasília: Ministério da Administração e da Reforma do Estado, 1995.

MARINI, Ruy Mauro. Dialética da dependência. In: TRASPADINI, R; STEDILE, J. P. Ruy Mauro Marini: vida e obra. São Paulo: Expressão Popular, 2011. p. 131-172.

MARINI, Ruy Mauro. Subdesenvolvimento e revolução. Florianópolis: Insular, 2012a.

MARINI, Ruy Mauro. O ciclo do capital na economia dependente. In: FERREIRA, Carla; OSORIO, Jaime; LUCE, Mathias (orgs.). Padrão de reprodução do capital. São Paulo: Boitempo, 2012b.

MASCARO, Alysson Leandro. Crise e golpe. São Paulo: Boitempo, 2018.

MENDONÇA, Sonia Regina de. Dominação burguesa e reprodução de classe no Brasil (1990-2016). In: MATTOS, Marcelo Badaró (org.). Estado e formas de dominação no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Consequência Editora, 2017. p. 175-206.

MOURA, Rivânia. Crédito Consignado: face da expropriação financeira no curso da contrarreforma da previdência. SER Social, Brasília, v. 18, n. 39, p. 374-390, jul.-dez./2016.

MTE. Manual de Combate ao Trabalho em Condições Análogas às de Escravo. Brasília: MTE, 2011.

NETTO, José Paulo. Capitalismo monopolista e Serviço Social. 8ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.

OSORIO, Jaime. Padrão de reprodução do capital: uma proposta teórica. In: FERREIRA, Carla; OSORIO, Jaime; LUCE, Mathias (orgs.). Padrão de reprodução do capital. São Paulo: Boitempo, 2012.

OSORIO, Jaime. O Estado no centro da mundialização: a sociedade civil e o tema do poder. São Paulo: Outras Expressões, 2014.

OURIQUES, Nildo. O colapso do figurino francês: crítica às ciências sociais no Brasil. Florianópolis: Insular, 2014a.

OURIQUES, Nildo. Plano Real: o mito da estabilidade e do crescimento. Publicado em 04/08/2014b, Le Monde Diplomatique Brasil. Disponível em https://diplomatique.org.br/plano-real-o-mito-da-estabilidade-e-do-crescimento/.

POULANTZAS, Nicos. Poder político e classes sociais do Estado capitalista. Volume 2. Porto: Portucalense Editora, 1971.

PPI. Perguntas frequentes. Disponível em: https://www.ppi.gov.br/perguntas-frequentes. Acesso em 20/05/2020.

RECEITA FEDERAL DO BRASIL (RFB). Demonstrativo dos Gastos Governamentais Indiretos de Natureza Tributária (Gastos Tributários) – PLOA. Secretaria da Receita Federal, 2020.

ROCHA, Mirella. Capitalismo dependente e Serviço Social. Crítica à formação social brasileira na produção teórica do Serviço Social e outras contradições. Tese de Doutorado – Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Escola de Serviço Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2017.

ROCHA, Mirella. Crítica de uma morte anunciada: contribuições da TMD à análise da estratégia nacio-nal-democrática e democrática-popular. REBELA, v.9, n.3. set./dez. 2019.

ROSSI, Pedro; OLIVEIRA, Ana Luíza Matos de; ARANTES, Flávio; DWECK, Esther. Austeridade fiscal e o financiamento da educação no Brasil. Educ. Soc., Campinas, v.40, e0223456, 2019.

SALVADOR, Evilasio da Silva. As consequências das renúncias tributárias no financiamento da seguridade social no Brasil. Revista Política Social e Desenvolvimento, n. 19, ano 03, maio de 2015. Disponível em: http://plataformapoliticasocial.com.br/wp-content/uploads/2015/05/Revista_19.pdf.

SALVADOR, Evilasio da Silva. Fundo público e conflito distributivo em tempos de ajuste fiscal no Brasil. In: CASTRO, Jorge Abrahão de; POCHMANN, Marcio (Orgs.). Brasil: Estado de bem-estar social? São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2020. p. 371-392.

SILVA, Maria Lucia Lopes da. Contrarreforma da Previdência Social sob o comando do capital financeiro. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 131, p. 130-154, jan./abr. 2018.

SINDPPD/RS [2011]. Campanha 10% do PIB para a Educação Pública. Participe! Publicado em 10/11/2011. Disponível em: http://www.sindppd-rs.org.br/campanha-10-do-pib-para-a-educacao-publica-participe/. Acesso em 15/09/2019.

SINGER, André. O lulismo em crise: um quebra-cabeça do período Dilma (2011-2016). São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SOUZA FILHO, Rodrigo de. Estado, burocracia e patrimonialismo no desenvolvimento da administração pública brasileira. Rio de Janeiro, Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, UFRJ, 2006.

TEIXEIRA, Gerson. A sustentação política e econômica do agronegócio no Brasil. Revista da Associação Brasileira de Reforma Agrária – ABRA, edição especial, julho de 2013.

UNE [2012]. Vitória para a educação brasileira: Câmara aprova 10% do PIB para educação. Publicado em 17/10/2012. Disponível em: https://une.org.br/2012/10/vitoria-para-a-educacao-brasileira-camara-aprova-10-do-pib-para-educacao/. Acesso em 15/09/2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


REBELA - Revista Brasileira de Estudos Latino-Americanos
ISSN 2237-339X
Instituto de Estudos Latino-Americanos - IELA
Universidade Federal de Santa Catarina
Centro Socioeconômico - Primeiro andar - Bloco D 
Florianópolis SC
Telefone: + 55 48 37216483

e-mail:iela@contato.ufsc.br